Feeds:
Posts
Comentários

Archive for abril \29\UTC 2011

Bom, meus caros, hoje é o dia.

Sei que a maioria de vocês não nasceu palmeirense e que boa parte nunca jogou um Palmeiras e Corinthians, mas acreditem que para cada um dos 15 milhões de palmeirenses espalhados pelo mundo, hoje é o dia.

Um dia diferente de todos os outros. Sempre foi e sempre será.

Jogar contra eles não é igual a jogar qualquer outra partida; essa é “A Partida”. Vocês podem bater no São Paulo, no Santos, no Flamengo, no Barcelona e até na Seleção Brasileira, mas nada se compara a ganhar do Corinthians.

E não pensem que eu digo isso para pressionar vocês: eu digo isso para vocês entenderem o tamanho colossal desse jogo.

Pra alguns é “só mais uma semi-final”, para outros é só o “Paulistinha”, para poucos esse jogo nem é digno de atenção. Mas, para nós, para a massa que apoia cada um de vocês, é sempre o jogo do ano. O jogo da vida.

Às 16h, quando o juiz apitar e a bola rolar no Pacaembu, vocês serão o Palmeiras!

Vocês serão o Campão do Século XX, vocês serão Leão, Dudu, Evair e Ademir da Guia, vocês serão cada título e cada gota de suor que alguém – seja atleta ou torcedor – já derramou pelo nostro Palestra.

Portanto, meus amigos, se vocês querem ter algo para contar para os seus filhos e lembrar com carinho daqui a algum tempo, joguem com raça. Só isso: joguem o que vocês sabem, com a vontade que vocês têm. Isso certamente irá orgulhar a camisa que vocês estão vestindo, vocês e suas famílias.

Vamô, Palmeiras!!!

_______________________________________________________

Eu não tenho o poder de fazer uma preleção pré-clássico. Mas, se tivesse, essas seriam algumas das minhas palavras ao elenco.

Siamo Palmeiras!

ROJAS.

Read Full Post »

O Palmeiras vai estrear manto novo, Palestrinos!

E a maior diferença, dessa vez, é a justificada homenagem aos 60 anos de conquista da Copa Rio de 1951. Se visualmente o impacto pode não ter sido tão drástico, algumas simbologias contidas na camisa justificam a comemoração que passou em branco em 2001.

Também conhecida como irmã mais velha do Mundial de Clubes, a Copa Rio foi um primeiro ensaio de torneio que reuniria os melhores clubes dos dois melhores pólos de futeboldesde que o mundo é mundo: América do Sul e da Europa. Dessa forma, organizaram-se dois grupos com 4 equipes em cada e os sertames aconteceram entre Rio de Janeiro e São Paulo.

O até então Palestra Itália (campeão paulista) recebeu Juventus (campeã italiana), Estrela Vermelha (campeão da soviético) e Nice (campeão francês), perdendo para o primeiro e vencendo os dois outros. Pegou assim o Vasco da Gama nas semi-finais, que havia sido líder da outra chave, e o despachou em dois jogos fora de casa – 2 a 1 e 0 a 0. Na decisão, encontrou novamente a Juve e com uma vitória em São Paulo (1×0) e um empate no Rio (2×2) vingou-se dos co-irmãos e sagrou-se campeão.

A equipe do técnico Ventura Cambon alinhou o gramado do Maracanã em um inacreditável 2-3-5 com Fábio; Salvador, Juvenal; Túlio, Luís Villa, Dema; Lima, Ponce de León (Canhotinho), Liminha, Jair da Rosa Pinto e Rodrigues.

O título foi reconhecido pelos gagás da FIFA em 2007, mas, para todos nós, é motivo de orgulho já há seis décadas. Bola dentro da Adidas que mais uma vez passa por cima da nostra diretoria engessada e relembra uma de nossas maiores glórias.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »


Sem problemas com o Pacaembu, Palestrinos.

Em bem da verdade, isso é o que menos me importa às vésperas de um clássico. É claro que a imprensa tinha que começar a colocar alguma polêmica em jogo na semana do Dérbi, mas, sinceramente, não vejo problema nenhum em atuar no estádio MUNICIPAL.

Sem o Palestra Itália, o Palmeiras tem que levar seus jogos decisivos para qualquer outro estádio de São Paulo, seja ele o Morumbi, o Canindé, a Javari ou o próprio Pacaembu. E graças as picuinhas criadas pela bambizada, a melhor opção de infra estrutura é mesmo o MUNICIPAL.

Chega de levar partidas decisivas para o interior e de nos fazer viajar até a oportunista Barueri… o Palmeiras é daqui e deve jogar ao lado de sua torcida (que, por sinal, terá 95% da capacidade total de ingressos).

E antes que comecem a pegar estatísticas recentes e criar fantasmas sobre as nostras atuações dentro do estádio escolhido, saibam que nenhum outro clube no país ganhou tantos títulos lá do que o nostro! Sim, o Verdão é o maior vencedor de títulos da história do Estádio MUNICIPAL Paulo Machado de Carvalho.

Além do mais, a equipe deste ano foi moldada com cuidado por Felipão e todos nós sabemos melhor do que ninguém que suas equipes não costumam falhar em momentos decisivos.

Portanto, chega de polêmica barata: vamos jogar e vencer no Pacaembu!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Tudo nos conformes, palestrinos!

Após um feriado prolongado e dois jogos decisivos, o Verdão fez o que dele se esperava e confirmou sua presença em mais duas decisões. Meu contato com a internet foi zero durante a Páscoa, mas acompanhei as vitórias sobre Santo André e Mirassol pela TV. Foram duas partidas bem parecidas, inclusive, vamos aos fatos…

COPA DO BRASIL
Jogando em casa e com a vantagem de um gol construída no primeiro duelo, o Palmeiras entrou em campo morno. E se o time esperava que o Santo André atacasse, esperou em vão, já que o timeco do ABC fez jus ao rebaixamento no Paulista e mostrou sua baixa qualidade.

O primeiro tempo foi bem fraco – tirante por uma chance para cada lado – e o segundo só melhorou porque era hora do tudo ou nada. Melhorou também porque Danilo guardou nostro tento após cobrança de escanteio e porque Valdivia começou a desfilar pelo campo.

Chances apareceram, perdemos mais um pênalti com Kleber, mas o Verdão passou e agora encontra o Coritiba nas quartas. Finalmente um jogo de respeito!

PAULISTÃO
Se o Mirassol foi a grande surpresa da primeira fase foi porque os times grandes começaram devagar. Exceto por Xuxa, seu camisa 10, o time é bastante limitado e o Palmeiras só não goleou porque teve péssima pontaria durante toda a partida.

Abriu o marcador logo aos 10 minutos, em um golazzo de Valdivia (o melhor em campo) e poderia ter feito mais uns três ainda antes de meia hora de jogo. Não fez e, pior, sofreu o empate após um vacilo bravo pelo alto. No entanto a equipe não se abalou e, por meio de Márcio Araújo, fez o segundo ainda na metade da segunda etapa, garantindo a classificação.

Se Luan tivesse aproveita metade das oitenta finalizações mal feitas pela esquerda, poderíamos ter enfiado até uns quatro. Mas como era jogo único, o que valeu foi a vaga. Que venham os gambás, com a presença sempre impagável de São Marcos no elenco!

PONTO ALTO, PONTO BAIXO
O meio-campo do Verdão foi o melhor setor do time nos dois duelos. Márcio Araújo está em uma fase abençoada, Assunção continua dando assistências preciosas para os gols, Tinga ainda oscila demais embora dê um gás precioso e o nostro  Mago voltou a jogar toda a bola que dele se espera.

Já a defesa tem vacilado demais. Com a saída de Thiago Heleno, o nível baixou com a entrada de Leandro Amaro, que tem errado muito por falta de ritmo de jogo. Danilo também tem exagerado nas faltas e precisa se controlar para ajudar mais a equipe.

PRÓXIMOS PASSOS
Domingo, ainda sem horário e local, teremos o timeco da Marginal sem número pela frente. Uma oportunidade sensacional de devolver aquela derrota injusta da 1ª fase, quando um único golzinho definiu o duelo. Sem jogo pelo meio de semana, o foco fica total no clássico.

Quanto a Copa do Brasil, só saberemos mais com o decorrer da semana. No entanto, já é certo, enfrentaremos o embalado Coxa. Temos time e bola pra acabar com a invencibilidade deles e passarmos ilesos pelo duelo.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Sobre quartas e quinta

Semana decisiva, Palestrinos.

E embora os adversários estejam longe de constarem entre os mais perigosos do mundo, toda atenção é pouca. Infelizmente, estamos cansados de ver coisas bizarras acontecerem quando jogamos em casa, não é mesmo?

Quinta-feira, diante do Santo André, pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil, o caminho já está trilhado: vencemos por 2 a 1 fora de casa e temos o jogo na mão. O time do ABC vai ter que sair para o ataque e, convenhamos, de contra ataque Felipão sempre entendeu. Sem correr riscos, vamos marcar forte e pensar que, com um gol, já matamos a partida.

Já no domingo, diante do Mirassol, a cautela será ainda maior. O amarelão fez boa campanha, tem um meia habilidoso (Xuxa), mas a defesa é extramamente vulnerável. Além do mais, lembrando o que falamos sobre o duelo de quinta, vale a máxima do contra-ataque. Quem tem que atacar são eles, a gente joga na boa.

E como se não bastasse tudo isso, acho que não preciso ficar lembrando ninguém de que o Campeão do Século XX somos nós. Nostra obrigação, como gigante, é se impor e fazer o resultado, SEMPRE. Assim sendo, estou bem confiante para as duas partidas.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Tudo certo, Palestrinos!

Apesar da derrota de virada para a Ponte Preta neste domingo, o Palmeiras termina a fase de classificação em segundo lugar e vai pegar o Mirassol nas quartas-de-final. Não que perder seja bom nem que a Portuguesa seja um fenômeno, mas eu prefiro mil vezes pegar um time do interior aqui do que a Lusinha – que, assim como a Ponte, sempre complica.

O JOGO
Com a dupla de zaga reserva, volantes reservas e Tinga como armador, já era de se esperar um padrão de jogo mais fraco do nostro lado. Felipão apostou na velocidade do 4-3-3, colocou Adriano e Max Santos bem aberto pelas pontas e viu um primeiro tempo razoável.

Abrimos o marcador com Pardalzinho, em um frangaço do goleiro, e sofremos o empate poucos minutos depois, em um giro primário pra cima de João Vitor. O restante da primeira etapa se arrastou em um baile de faltas e passes errados, mas, quando Felipão sacou Kleber da equipe, colocando Vinicius,  estava na cara que a Copa do Brasil estava pesando.

O segundo tempo do Palmeiras foi completamente nulo. Saíram Cicinho e Adriano, entraram Luis Felipe e Luan, e o nível só foi baixando… Até por isso não impressionou a virada da Macaca, em um petardo do bom Renatinho, que acabou com a nostra marcação o jogo todo.

Jogo feio, resultado justo e caminho bem estruturado para as taças.

TROFÉU SÃO MARCOS
Ninguém se destacou muito, mas, pelo gol e pela vontade, vou ficar com o voluntarioso Max Little Bird.

TROFÉU RIVALDO
Leandro Amaro costuma entrar bem, mas neste jogo foi um poço de insegurança.

MIRASSOL NAS QUARTAS, SANTO ANDRÉ NA QUINTA
Agora o Paulistão chega nas quartas e se decide em um jogo só: Verdão x Mirassol, ainda com local e data indefinidos. Depois pegaremos quem passar de Gambás x Oeste.

Porém, antes disso, temos Copa do Brasil nesta quinta, diante do Santo André, às 16h, no Pacaembu. Esse sim é o jogo que interessa na semana!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Saímos na frente, Palestrinos.

Ao melhor estilo felipônico de ser, batemos o Santo André fora de casa por 2 a 1 e agora basta manter o resultado jogando no Pacaembu para garantir a vaga nas quartas. E embora tenha sido um baita de um placar, serviu de lição para o Palmeiras aprender uma coisa valiosa: mate o jogo quando você pode matar.

Com menos preciosismo e mais objetividade, poderíamos ter enfiado cinco. Só fico tranquilo porque tenho plena certeza de que Felipão falou sobre isso.

O JOGO
Nem os desfalques de Lincoln e Patrik poderia ser desculpa para jogar diante de mais um rebaixado no Paulistão. Assim sendo, as únicas dificuldades que o Verdão teria seria o péssimo estado do gramado e uma possível noite fraca da equipe. O que vimos na primeira etapa, no entanto, comprovou o esperado.

Tocando bem a bola e marcando sob pressão, o Palmeiras dominou completamente os primeiros 45 minutos. O primeiro gol, no entanto, só chegou aos vinte: Kléber sofreu pênalti, bateu mal, pegou o rebote e botou a bola pra dentro. No lance seguinte, Valdívia demorou pra soltar a bola em Luan; na bola seguinte, Tinga se atrapalhou; e assim o tie foi perdendo a chance de ampliar a diferença.

Já no segundo tempo, e sem nada a perder, o Santo André resolveu colocar mais atacantes e ir pra cima. Aos 24 minutos, no entanto, Luan puxou contra ataque e foi derrubado na área. Mais um pênalti, mais uma cobrança ruim do Gladiado, mas a redenção um minuto depois: cobrança de escanteio, bola no travessão, rebote no nostro camisa 30.

A partir daí, como era de se esperar, o Palmeiras diminuiu o ritmo. Perdeu mais algumas oportunidades por pura enrolação e acabou punido no fim. Após cobrança de falta, o zagueiro ex-gambás Anderson diminuiu o marcador.

Dois a um, vantagem garantida, vamos pra cima dentro de casa!

TROFÉU SÃO MARCOS
Kleber fez dois gols, Valdívia fez algumas jogadas de efeito, mas, para mim, o jogador mais importante da partida foi Luan. Correu, defendeu, atacou, driblou e só não fez o seu porque não soltaram a bola nele.

TROFÉU RIVALDO
Em tempos onde até o jogador que dá nome ao troféu não está comprometendo, fico mais uma vez com Tinga. Ele precisa aprender a correr produtivamente.

CAMPO DE CONCENTRAÇÃO
É vergonhoso ter de jogar em um estádio como o Bruno José Daniel. Gramado quase inexistente e infra-estrutura precária em todos os sentidos. Não é de se admirar que bombas de efeito moral tenham sufocado a nostra torcida e parte dos jogadores durante a partida…

E AGORA?
Agora temos a Ponte Preta, domingo, para cumprir tabela no Paulistão e o jogo de volta diante do Santo André na próxima quinta, no Pacaembu. Acho provável que Felipão poupe alguns jogadores no final de semana, mas o caminho para os títulos está bem pavimentado.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Older Posts »