Feeds:
Posts
Comentários

Archive for 29 de abril de 2013

A imprensa marrom está em polvorosa. As redes sociais não param. E você, você mesmo, Palestrino, está dando importância exageradamente exacerbada a isso.

Afinal, segundo reportagem do UOL, a Allianz – empresa alemã de seguros que comprou os direitos de naming rights da Arena – irá colocar em votação três nomes: “Allianz Parque”, “Allianz Center” e “Allianz 360”. E isso bastou para milhares de pessoas ficarem irritadas, chateadas, traídas… Já adianto, sem motivo.

Primeiro de tudo, vamos à natureza do assunto, os naming rights. No mundo todo, sempre que uma empresa adquiri o nome de um estádio, costuma colocar o seu nome nele. E o motivo é bastante óbvio: porque paga-se muito dinheiro. Pelo direito de batizar a nova arena, os europeus desembolsarão R$300 milhões; uma grana bastante razoável sendo que é por um período definido de tempo.

Sabem como se chama o estádio do Bayern? Allianz Arena.
O do Dortmund? Signal Iduna Park.
O do Arsenal? Emirates Stadium.
E por aí vai, os exemplos são muitos.

O ponto principal é que, exceto por alguns destes estádios, quase todos os que tem naming rights acabam sendo chamados por outros nomes. Ou você acha que alguém vai chamar a Fonte Nova de “Arena Fonte Nova Itaipava’? Os próprios estádios dos times citados acima têm “apelidos”. E o nostro Palestra Itália, amicos, será sempre o que sempre foi: o Palestra.

Portanto deixem de choradeira, aceitem que a grana por essa propriedade é boa e continuem dizendo por aí que “domingão eu vou no Palestra”. Porque eu vou lá. Ainda que alguém o tenha rebatizado.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Caímos novamente, Palestrinos.

E muito embora a maioria diga até que a queda de sábado tenha sido até certo ponto positiva, uma desclassificação é e será sempre um fracasso. Até entendo os que dizem que dessa forma teremos mais tempo para os compromissos  da Libertadores e para a preparação para a Série B, mas me nego a achar que a derrota nos pênaltis tenha sido benéfica.

A julgar pelo que vimos na Vila Belmiro, de fato não há nada de que se envergonhar: o time jogou, lutou, tentou e conseguiu buscar um empate já quase improvável no final do jogo. No entanto, é triste ver que mais uma vez tivemos a posse de bola por grande parte do certame e não conseguimos criar nada de tão perigoso.

Basta assistir ao VT da partida do último final de semana para perceber o óbvio. Embora fiquemos com a bola quase sempre em nostro poder, quase nunca criamos chances de fato perigosas.

E aqui não cabe exatamente análise estatística. Se pensarmos em todos os clássicos do ano até aqui – e até na maioria da s partidas disputadas -, o Palmeiras tem tido domínio da bola. O problema tem sido aquela chamado último passe, a bola que vai ao pé do atacante tão limpa que até o asno do Maikon Leite empurraria para dentro. Pensem no jogo de sábado, lembrem do clássico diante do SPFW e até mesmo do melhor Dérbi que fizemos nos últimos anos… A bola é nostra, mas falta qualidade.

Qualidade que poderia estar, é claro, nos pés de Valdívia, mas que nós sabemos que já virou utopia. Assim sendo, ficamos dependentes de um lampejo de consciência de Wesley, Souza, Tiago Real e aí a coisa complica.

Afinal, se é verdade que temos tido a posse de bola do tão badalado e campeão Barcelona, também é verdade que nostro aproveitamento na frente tem sido digno do pior ataque do Campeonato Paulista, a rebaixada União Barbarense.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »