Feeds:
Posts
Comentários

Archive for agosto \29\-03:00 2013

Incrível como uma semana pode desandar um ano inteiro, Palestrinos.

Não bastasse a derrota para o fraquíssimo Boa e a acachapante queda na Copa do Brasil, amanhecemos esta quinta com mais uma novidade amargurante: Vilson está de partida para a Alemanha.

O zagueiro que veio no pacote em troca de Barcos teria seu vínculo com o Grêmio encerrado ao final do ano, o que automaticamente o manteria no Palmeiras sem custos. Mas vendê-lo em um momento em que ele é titular absoluto da equipe é esdrúxulo.

A única explicação plausível é que Paulo Nobre, de fato, deve estar confundindo a Sociedade Esportiva Palmeiras com uma empresa qualquer. Seja lá o que aprendeu em seus cursos e MBAs mundo afora, Nobre precisa entender que somos um time. Sim, uma agremiação esportiva, cujo o objetivo são títulos e seus atletas são seus ativos… time de futebol não existe para dar lucro!

E com isto, por favor, não entendam “não pagar as dívidas”. Isso precisa ser feito e é louvável que esta diretoria tenha se preocupado com isso e pretenda sanar estes problemas. O que não dá é para se enfraquecer dentro de campo a custa de arroubos financeiros.

Um time de futebol, ainda mais um gigante como o Palmeiras, precisa gerar mais receita para que possa ter times melhores, ganhar mais títulos e… gerar mais receitas, completando assim o ciclo. Não somos o Audax para sair vendendo todo mundo, cazzo!

Vilson, de fato, não é um baita zagueiro. Mas, na atual conjuntura, fará falta demais a equipe. Por isso não deve sair, seja lá quantos foram os (poucos) milhões de euros oferecidos. A regra é simples: jogador sem reposição a altura não sai.

Falando de coração aberto, fui um dos torcedores convencido a gostar da postura dessa diretoria. Afinal, é bom ver um presidente que estudou, que sabe falar, que claramente adora o clube e tudo o mais. Mas também é preciso saber apontar erros em desta vez, Nobre errou feio – assim como Kleina e o atletas andam errando dentro de campo.

Alerta ligado, amicos, tá na hora de se portar como o Palmeiras.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

20 e poucos minutos de partida, jogo empatado em zero a zero. Wesley pega uma bola na risca do meio-campo, tenta tocar por baixo das pernas de um adversário, é desarmado e o Palmeiras toma um contra ataque perigoso.

30 e muitos minutos do primeiro tempo, já perdíamos por 1 a 0. Em uma das raras vezes que o time passa do meio de campo, Charles pega a bola pela esquerda e dá um chute de direita completamente lunático e desesperado pela linha de fundo.

31 minutos do segundo tempo, já estávamos sendo desclassificados com o 2 a 0. Márcio Araújo puxa um contra golpe, fura ao tentar dar um simples passe lateral e o Palmeiras sofre o terceiro e derradeiro gol.

São apenas três lances de uns quarenta que eu poderia citar, Palestrinos. Mas este trio de erros revelam com perfeição o Palmeiras medroso que foi atropelado ontem em Curitiba.

E agora, de cabeça um pouco mais fria, seria leviano da minha parte culpar fulano ou ciclano pela derrota. São todos culpados, técnico e jogadores. Kleina, que vem montando uma boa base, falhou muito ao postar em campo uma equipe que ficou esperando um adversário infinitamente mais veloz massacrar o seu time, que tinha apenas Alan Kardec no campo de ataque. Já os atletas, em campo, foram medrosos: ninguém arriscou um lance individual, ninguém deu um carrinho fervoroso, ninguém quis, de fato, vencer.

A verdade, amigos, é que o Palmeiras de hoje é nota 5. Pode ser 10, como foi em alguns duelos da Libertadores deste ano, se correr e aplicar a cada bola, levando o jogo a sério. No entanto, quando achar que é superior ao que realmente é (cabe aqui o nome de Wesley) ou se deixar intimidar (cabe demais o nome de Juninho), será sempre nota 2.

As palavras de Paulo Nobre nos microfones logo após o jogo refletem isso. Resta saber se o time que vai encarar Ceará e Chapecoense, sábado e terça, vai assimilar isso. Eu, sinceramente, espero que assimilem rápido.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Do jeito que a notícia saiu, parecia que iria mudar o mundo. Mas foi só alarme falso, Palestrinos, não há nada de novo na entrevista cedida por Hernán Barcos a ESPN Brasil.

[Se você ainda não viu, veja agora.]

Grosso modo, nostro ex-atacante diz o que já sabíamos: que o Palmeiras tinha uma grande dívida com a LDU e com ele próprio (referente a salários atrasados) e que, dado o cenário, sugeriu a ele que aceitasse a boa proposta salarial do Grêmio (superior, embora não muito, aos R$150 mil que receberia aqui) e debandasse para o sul.

Ou seja, mais do mesmo.

Contudo, é claro que é possível achar vilões em qualquer um dos lado, se assim você desejar. Pode crucificar a diretoria por não ter sequer tentado segurá-lo, ainda mais em um momento em que ele era a nostra única referência; bem como pode-se taxá-lo de mercenário e dizer que ele forçou a sua saída com declarações sobre a seleção argentina, por exemplo.

Na minha humilde opinião, o negócio foi bom para os dois. Para o Palmeiras, que se livrou de mais uma dívida de milhões de reais e para o atleta, que recebeu aumento e foi jogar em um elenco claramente mais qualificado que o nostro. Da mesma forma, acho que não se discute o tal “fator visibilidade”, tão falado anteriormente – SP é SP, RS é RS e o cartaz daqui e mais luminoso que o de lá.

De resto, são clubes que hoje vivem boas fases. Barcos ainda não brilhou tanto nos pampas, nem o Palmeiras encontrou um dono definitivo da 9 (embora Alan Kardec pareça disposto a isso). Seguimos nós a nostra vida e segue ele a vida dele. Capicce?

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Nasci exatamente um mês e uma semana antes de o Palmeiras completar 71 anos, Palestrinos.

Perdi a fundação do Palestra Itália, perdi a sua transformação campeã em Sociedade Esportiva Palmeiras e perdi duas Academias indescritíveis até para quem as viveu. Mas, naquele 19 de julho de 1985, ganhei um amor para o resto da vida.

19 de julho, aliás, que é o Dia Internacional do Futebol. O que não quer dizer rigorosamente nada perante o dia 26 de agosto. Mas, talvez por ironia do destino, sejam esses 37 dias que nos aproximam tanto deste esporte tão apaixonante.

Futebol que nasceu para ser jogado por lordes e que, surgindo imponente, acabou dominado por todos. Futebol que chegou da Inglaterra e que, por saber ser brasileiro, se espalhou por todos os cantos. Futebol de defesas que jamais querem ser transpassadas, de fabulosas linhas e atacantes de raça. Abençoado futebol de torcidas que cantam e vibram – principalmente por nostro Alviverde inteiro.

E aí ganhei mais  até que um amor eterno. Ganhei Paulistas, Brasileiros, Rio-São Paulos, Copas do Brasil, Libertadores, Mundiais, divisões de acesso e tudo o mais. Ganhei o prazer de torcer com meu pai, meu irmão, com amigos-irmãos.

Por tudo isso, hoje é um dia Divino. Dia Santo. Dia de Valdir Joaquim de Moraes, Leão, Waldemar Carabina, Alfredo Mostarda, Djalma Dias, Djalma Santos, Luís Pereira, Dudu, Leivinha, Servílio, Edu Bala, César Maluco, Julinho Botelho, Arce, Antônio Carlos, Cléber, Alex, Rivaldo, Oséas, Djalminha, Zinho, Tonhão, Edmundo, César Sampaio, Galeano, Evair e tantos outros craques e cabeças de bagre.

Hoje é dia de São Marcos pegar pênaltis e fazer milagres. É dia de atacantes botinudos nos redimirem, meias habilidosos criarem e de zagueiros sinistros nos derrubarem. Hoje é dia de levantar troféus e, maldito seja!, hoje é segunda – sim, segunda-feira em que vivemos uma segunda divisão pela segunda vez.

A verdade é que hoje é dia de vestir verde e mostrar orgulho por quem muitas vezes nos envergonha. Mas que nunca, jamais, repetirá o famoso bordão do também palmeirense Boris Casoy e será uma vergonha.

Parabéns, Sociedade Esportiva Palmeiras.
Parabéns, palmeirenses.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Você conhece Márcio Araújo, Palestrino. Ele está desde 2009 no Palmeiras, já quebrou a barreira dos 200 jogos e, exceto por curtos períodos de tempo, tem sido titular do nostro meio-campo com infalível frequência.

Já Ricardo Darín, não sei se você conhece bem. Ele é um talentosíssimo ator argentino, talvez o latino americano de maior prestígio fora do continente, tem um Oscar e atuou em diversos longa-metragens de sucesso. Uma espécie de Messi com a idade do Maradona.

E, por fim, Deus, tenho certeza absoluta que você conhece bem. Mesmo que não acredite, já ouviu falar. Ele é o “Ele”, com E maiúsculo, dispensa maiores apresentações ou esmiúce de currículo.

O fato é que, por um golpe do destino, os três acabaram se trombando nesta semana.

Ao ser entrevistado aqui, em terras brasilis, sobre a constante pressão que a massa palmeirense faz pela sua saída da equipe já há tantos anos, Márcio Araújo foi enfático: “Deus me abençoou. Não vou largar a minha carreira porque não gostam de mim e nem vou reclamar.”. Nem é preciso dizer que a declaração do camisa 18 causou risos, revoltas e piadas aos montes – algumas delas minhas, inclusive.

Enquanto isso, lá na Argentina, ao ser indagado por um repórter da Playboy sobre religião, Darín disse ser ateu, mas prosseguiu com as seguintes palavras: “O ser humano tem a necessidade de acreditar que algo maior esteja olhando tudo o que acontece aqui. Pode ser uma besteira. (…). Mas quem sabe nós não sejamos valentes o suficiente para aceitar isso. Por isso preferimos acreditar que existe algo superior que nos vá entender, ser misericordioso, perdoar e ajudar.”.

O que me fez pensar que, na verdade, nostro volante deve ter razão. Se após tantos técnicos e momentos distintos, ele ainda é titular do Palmeiras, deve haver um motivo maior.

E se este motivo é o fato dele treinar bem, correr muito, ser gente boa ou simplesmente acreditar em Deus, tanto faz. Prefiro um cabeça de bagre convicto de que pode ser titular do Palestra, a um pseudo-craque que faça o manto verde pesar 400kg a suas costas.

Vai lá, Márcio Araújo. Faça uma corrente antes do jogo, se entregue em toda partida como se fosse a sua última e, mesmo limitado, honre a nostra camisa dentro de campo. Seja pela torcida, pela sua família ou por “Ele”.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Tá rolando uma limpeza na Academia, Palestrinos. Afinal, depois de um início de temporada onde mal tínhamos dois times para treinar, chegamos a ter o absurdo número de 44 atletas no grupo principal. São quatro times, gente demais, impossível de se ter qualidade em meio a tantos números. Daí a opção de emprestar alguns atletas.

Nessa barca já foram nomes como Luan, Weldinho, Patrik, Patrick Vieira, Maikon Leite, João Denoni, dentre outros. Os mais jovens, óbvio, saem para ganhar experiência dentro de campo; já os mais experientes, para que simplesmente joguem mais e aliviem a folha salarial do clube – que, segundo a diretoria, anda pela hora da morte.

O assunto mais recente e que despertou notoriamente a ira e atenção da torcida, foi o tal negócio envolvendo Wesley e Atlético/MG. E pelo que andei vendo por aí, quase todos o que gritaram, reclamaram da negociação. Pois bem, a reclamação é direito legítimo. Só não entendi ainda pra quê tanto choro por nada.

Wesley chegou ao Palmeiras ano passado, graças a dupla Tirone/Frizzo, pelo absurdo preço de R$20 milhões. De quebra, seus rendimentos batem na casa de R$350 mil. Sabem quantas parcelas do valor referente à compra foram pagas ao Werder Bremen? Eu vos digo: nenhum. E não foram pagas porque não temos este dinheiro (nunca o tivemos, em bem da verdade). Isso quer dizer que temos essa dívida integral, além de arcar com seu alto salário todo o mês.

Agora, antes de criticar Nobre por suas declarações, pense como presidente do Palmeiras. O que você faria no lugar dele caso alguém se interessasse pelo atleta em questão? Pense nisso com os números e as atuações do meia na cabeça. Wesley vale o quanto pesa?

Para mim, a resposta é até fácil de dar: NÃO. A espinha dorsal do Palmeiras, hoje, tem Prass, Henrique, Valdivia e Kardec – só eles são inegociáveis. Ouço muitos dizerem até que se desfazer dele seria se apequenar frente a outros clubes do cenário nacional. E eu, novamente sendo sincero demais, acho que se apequenar é bater o pé por um jogador que nada fez pela SEP até hoje.

O choro é livre, amicos. Mas pense antes de chorar a absurda falta que alguns jogadores como Wesley jamais farão.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Não posso acreditar nos meus olhos, Palestrinos…

Quando Arnaldo Tirone e sua fabulosa administração criaram o ridículo site para angariar fundos para trazer Wesley para o Palmeiras, eu achei tudo extremamente estúpido. Mas, vindo de quem veio, não poderíamos esperar nada melhor. Agora, quando eu vejo os próprios torcedores montando uma fan page para que Wesley fiquei, só posso achar que estes caras querem holofote.

De fato, Wesley não é mau jogador. Foi contratado por um preço exorbitante, tem um salário completamente lunático, mas tem melhorado dentro de campo. Entre altos e baixos, tem sido uma boa válvula de escape para a saída de bola do time montado por Gilson Kleina (tanto que no último sábado fez o gol da vitória diante do Paraná Clube). No entanto, daí a pensar que ele é imprescindível a equipe, tem um abismo gigantesco.

Pessoalmente, entendo os dois lados: de quem quer que ele fique e de quem defenda que ele saia. Quem defende a permanência, aliás, vai além do que Wesley tem feito dentro de campo; fala sobre não se rebaixar também fora dele, se livrando do atleta por um empréstimo para um bluse como o Galo. Já os que defendem sua saída, se apegam ao alto valor de seus rendimentos (fala-se em R$350 mil/mês), além de sua performance oscilante.

Eu, sinceramente, não tenho partido. Hoje só tenho receio das saídas de Fernando Prass, Valdivia, Leandro e Kardec – nem Henrique mais me anima tanto. Os demais, com todo o respeito, são substituíveis… Inclusive Wesley! Se é por questão de princípios ou não, para mim tanto faz. Só acho um absurdo fazer essa movimentação toda pela permanência de um cara que nem seque é identificado com a Sociedade Esportiva Palmeiras.

Fico só aqui imaginando, bobo que sou, o que fariam pela permanência de Evair, Edmundo, Edilson, Alex, Djalminha e tantos outros, se estivéssemos então na era da internet.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Eram corridos 32 minutos do segundo tempo, Palestrinos. Àquela altura, o Palmeiras já havia conseguido virar o jogo diante do Paraná, Kleina viu que Valdivia estava cansado e resolveu sacar o chileno de campo.

Porém, ao perceber que seria substituído e que não havia recebido até então o cartão amarelo que o deixaria fora da partida diante do Joinville, amanhã, quando ele estará na Dinamarca para jogar por sua seleção local, o Mago fez o que podia e cavou o mesmo. Na base da cera, demorou tanto para sair do gramado, que o árbitro lhe deu o esperado amarelo – eternizado pela imagem acima.

O problema – se é que pode-se chamar um absurdo deste dessa maneira – foi que o sempre tão prestativo STJD disse que pode suspendê-lo pelo ato. De 1 a 6 jogos, por tentar ludibriar a regra do jogo. Ou seja: por ser punido justamente, Valdivia pode ter a punição que tantos que lhe dão botinadas quase nunca recebem.

Veja bem, o caso não se trata da Lei de Gérson. Levar vantagem é fazer algo ilícito, proibido pela lei do jogo. É como usar a mão em um momento que não é permitido, é como cotovelar ou até catarrar em um adversário, é como dar um carrinho por trás para brecar um contra-ataque… estão comparando o que Valdivia fez com algo digno de punição duríssima. É ou não é um absurdo?

Só para efeito de comparação, o jogador do Bragantino que agrediu o Mago neste lance aqui, tomou apenas um jogo de punição. E o meia, que apenas enrolou para sair de campo – o que poderia punir o Palmeiras com um gol sofrido, por exemplo, nos acréscimos advindos desta artimanha – pode tomar uma punição 6 vezes maior.

Sinal claro de que existem, sim, atletas que são punidos por sua fama. Afinal, mesmo quando a arbitragem age com correção, o famoso tribunal resolve aparecer de maneira equivocada. Fosse Mendieta a enrolar ali naquela situação, duvido que o STJD iria atrás do lance para puní-lo…

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Cansei, Palestrinos.

Mais uma vez faremos um jogo decisivo no ridículo horário das 19:30h. Sim, sete e meia da noite de uma quarta-feira. Palmeiras x Ventinho/PR será dia 21/08, no Pacaembu e o horário é este.

Assim como foi por quase todo o ano passado na Copa do Brasil, mesmo na longínqua Barueri. E assim como está sendo em 2013. Diante do Tigre e do Libertad (este às 19:15h!), por exemplo. Diante do Azulão na última terça. E na sexta anterior. E na outra também.

O que acontece, senhores, é que 19:30h não é horário para futebol! Não durante a semana. Muito menos quando a cidade é São Paulo. Se você vai ao estádio, chega atrasado; se vai pra casa, também. É quase que humanamente impossível acompanhar os atuais jogos decisivos do Palmeiras in loco ou pela TV, que seja…

Voltamos ao tempo do radinho. Voltamos a gritar gol no ônibus, no metrô, tenso por acompanhar o lance-a-lance no celular quando o elevador te faz perder o sinal. Voltamos a ser escravos.

E não, amicos, eu não estou pedindo para jogar às 22h (que também é um horário escroto). Quero jogar às 20:30h, às 21h… quero jogar em horário decente! Cazzo, não é possível que nostra diretoria fique sentada vendo tudo isso acontecer achando que é normal.

Sabem por quê haviam pouco mais de 3 mil pagantes em São Caetano na última terça? Sabe por que os jogos da Libertadores só lotavam no intervalo? Sabe por quê estamos com renda abaixo do normal? Pois o horário é a resposta única para muitas destas perguntas – e outra mais.

Mexa-se, Paulo Nobre! Ou a bilheteria vai ficar como o trânsito de SP no horário de pico: travada e sem sair do lugar.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Um dos assuntos da vez é Leandro, Palestrinos.

Jovem, rápido e habilidoso, o camisa 38 ganhou nostra torcida em pouco tempo.

Apesar de ter chegado em meio a polêmica negociação de Barcos, é inegável que o garoto já mostrou ser muito bom de bola e que ele seja titular absoluto de nostro ataque, ao lado de Alan Kardec. O papo da vez, no entanto, não diz respeito ao jogador que ele é, mas sim a como fazer ele ficar no Palmeiras.

Por contrato, ele está emprestado até o final deste ano. A partir daí, existem dois caminhos:

  • Renovar o empréstimo por mais 1 ano: Está lá no contrato. Se o Palmeiras quiser permanecer com o atleta, basta reajustar seu salário e automaticamente tê-lo até dezembro de 2014.
  • Comprá-lo em definitivo: Neste caso, será necessário pagar algo em torno de R$13 milhões ao Grêmio e ajustar o contrato de acordo com a pedida do atacante.

Obviamente a segunda alternativa seria a melhor para o clube. Afinal, mais do que tê-lo por mais uma temporada, poderíamos contar com Leandro por quanto tempo quiséssemos, podendo ainda revendê-lo no futuro e fazer um bom dinheiro (lembrando que ele já foi convocado e, após a Copa/2014, haverá uma mudança de geração na Seleção). No entanto, o entrave dessa alternativa é igualmente óbvio: não temos o dinheiro.

Assim sendo, analisando a situação pelo fluxo do caixa, o primeiro ponto parece ser bastante plausível. O entrave é que, renovando-se o empréstimo, o Palmeiras perde o direito aos 15% do valor que tem caso o atacante seja negociado até dezembro deste ano. Ou seja, se o problema é grana, eu, você, Nobre e Brunoro temos um verdadeiro impasse pela frente.

Pois foi de uma conversa sobre este assunto com o meu pai que nasceu uma alternativa audaciosa: o Projeto Leandro. A ideia, basicamente, consiste em comprar o atleta com a ajuda de um time europeu, contar com ele por mais um ou dois anos e depois repassá-lo, ganhando a diferença válida pelo período em que ele se valorizou aqui.

Calma que eu explico.

  • Passo 1: Sondar empresários com moral ligados a clubes europeus que possam já ter interesse no futebol de Leandro (vale de Barcelona a Shaktar, DVD com jogadas bonitas e cabelo bacana ele já tem).
  • Passo 2: Argumentar com o interessado que Leandro tem apenas 20 anos, ainda precisa se firmar como titular no futebol brasileiro e que será valorizado jogando pelo Palmeiras.
  • Passo 3: Precificar o atleta e o período pelo qual ele ainda ficará no clube (um a dois anos), pedindo como adiantamento justamente o dinheiro cobrado pelo Grêmio.
  • E pronto! Leandro fica no clube por mais um tempo, nós ganhamos um dinheiro em cima do que foi pago e ainda nos preparamos para a saída dele com tempo suficiente para substituí-lo.

Sim, eu sei o que você está pensando. Se o clube europeu tem interesse nele, vai vir e pagar menos agora – não mais depois. O lance é que poucos europeus devem conhecer Leandro e, se o Palmeiras for rápido nessa negociação, podemos ter um negócio inteligentemente encaminhado.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Older Posts »