Feeds:
Posts
Comentários

Archive for outubro \28\UTC 2014

Outra batalha se avizinha, Palestrinos. E embora seja menos aterrorizante que as últimas quatro que lutamos, esta ganhou um caráter de importância ainda maior.

Domingo, diante do Bahia em Salvador, teremos que ser gigantes mais uma vez. Não só porque nostro adversário é o penúltimo colocado e está precisando desesperadamente dos 3 pontos, mas também porque viajamos sem Henrique – autor de 14 dos nostros 31 gols no campeonato.

É óbvio que se vai especular muito ainda esta semana, mas a tendência é que, sem Henrique e Juninho, Dorival opte pelo simples. Se assim o fizer, entraremos com Renato na vaga do lateral (devolvendo Vitor Luís a sua posição original) e com Cristaldo no lugar do Ceifador, formando um 4-2-3-1 – tática que também deve ser usada pelo tricolor baiano.

Se mantiver o estilo de jogo, o Bahia deve apostar nas bolas paradas que sempre procuram as cabeças de Titi e Fahel, além da velocidade do meio para frente, usando jogadores como Marcos Aurélio, Maxi Biancucchi e Henrique . Desta feita, teremos dois times jogando com as mesmas características.

O segredo é o Palmeiras não se afobar. Afinal, quem precisa ir pra cima desde o apito inicial é o adversário. A inteligência estará em fazer o que fizemos muito bem contra o Cruzeiro e muito mal diante do Corinthians: atrair o adversário para contra atacar, não sofrer pressão.

Se der tudo certo, voltamos de lá prontos para inaugurar o Palestra em grande estilo.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Meter gol no Corinthians é e sempre será motivo de êxtase, Palestrinos.
No último sábado, no entanto, essa alegria durou bem menos que o usual.

O motivo não foi a anulação do gol, nem tampouco um hipotético empate de imediato. O que tirou o sorriso do rosto de todos aqueles que estavam na curva da arquibancada verde do Pacaembu foi algo muito maior: o mal súbito de um senhor.

Aconteceu tudo muito rápido e nem eu, que estava dois degraus para baixo, sei explicar o que houve. Notei um tumulto, pessoas gritando, um rapaz correndo para chamar os bombeiros e tudo o que se seguiu a isso foi horrível. No dia seguinte, lendo o jornal, descobri que ele havia falecido.

João era seu nome, estava acompanhado pelo genro e acabou sofrendo um ataque cardíaco minutos depois do gol de Henrique – que havia sido feito bem ali, na mostra frente. Os sentimentos foram tão fortes e contraditórios que ninguém sabia ao certo como reagir. O matador, quem diria, havia cumprido a sua sina sem nem saber.

E o motivo deste post é homenagear o “Seu João”. Afinal, de uma maneira ou de outra, ele representa cada um de nós que vai para a arquibancada gritar, cantar, sofrer e sorrir a cada jogo. O mesmo coração que bateu acelerado lá é o mesmo que bate acelerado aqui.

Por isso mesmo, vá em paz, meu amigo.

E vá com a certeza de que vencemos por 1 a 0.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Não vou reclamar, Palestrinos.

Afinal, ao olhar para a tabela do Campeonato Brasileiro há um mês, imaginei que sairíamos da sequencia Grêmio/Santos/Cruzeiro/Corinthians muito mais avariados do que de fato saímos. Mas não deixa de ficar um gostinho amargo na garganta.

Diante do Grêmio, fomos na gigantes em raça e coração para virar um jogo que nos era tirado por um pênalti inventado. Diante do Santos, jogamos melhor até sermos atropelados pela molecada de São Vicente. E, por fim, contra Cruzeiro e Corinthians tivemos o mesmo final trágico do empate.

Em 12 pontos dos mais difíceis, conseguimos 5. Não é muito, mas também está longe de ser pouco. O problema é que, de repente, deixamos de ser o time que nunca vencia e passamos a ser o time que quase vence. E isso, sim, me assusta.

Porque de empate em empate, não vamos a lugar nenhum. Nunca foi segredo para ninguém que, com raras exceções, o empate é um resultado terrível em um campeonato de pontos corridos. E nós temos que vencer!

Ganhar do Bahia no próximo domingo, mesmo fora de casa, agora virou obrigação. Bem como reestrear bem no nostro Palestra diante do Atlético/MG. Com esses 6 pontos, praticamente escorraçamos as chances de desgraça e, de quebra, voltamos a ser o time do sempre.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

A noite de sábado foi mesmo especial, Palestrinos. Pois não bastasse a virada incrível diante do Grêmio em um Pacaembu lotado como há muito não se via, aproveitamos para nos “vingar” de alguns ex-companheiros.

Começando pelo argentino Barcos, que teve atuação apagada, mas decisiva para o jogo. Afinal, foi ele quem converteu o pênalti pessimamente marcado pelo árbitro no início do segundo tempo e que, minutos depois, foi expulso por uma falta que também não fez – devolvendo o Palmeiras para o jogo. Ao sair de campo, ainda virou para a torcida do Grêmio e fez o sinal do Pirata; de fato, ele acabou sabotando o próprio time.

O destaque, no entanto, ficou com Felipão. Que vem fazendo um trabalho digno no time gaúcho, mas que já deu mostras de sobre de que seu tempo passou. Após a partida, até começou na dele ao contornar o problema de arbitragem. Mas quando questionaram a encheção de saco proveniente da nostra massa, Scolari perdeu a linha.

Com empáfia digna de quem está sempre na ofensiva (embora seus times estejam na defensiva), disse que não liga para a torcida e que foi ele quem deu o último título para nós. De quebra, ainda disse que vamos ter que correr demais para ganhar outro a curto prazo.

Pois bem, Felipão, o problema é que fácil demais falar uma mentira usando verdades. De fato, você venceu a Copa do Brasil de maneira louvável em 2012. Bem como venceu o mesmo torneio em 98, a Libertadores e a Mercosul. Só esqueceu de dizer que também teve incontáveis fracassos, né? Nos rebaixou para a Série B, foi eliminado de uma Copa Sulamericana para o Goiás em casa, perdeu clássicos e mais clássicos…

Nós somos muito gratos por tudo o que você fez por nós, Felipão. Mas, admita, seu tempo passou. Não só pelo rebaixamento em 2012, mas também pela surra que tomamos na Copa do Mundo e pelo eu temperamento cada dia pior. Vamos lembrar de você com carinho sempre, mas entenda de uma vez por todos: foi você quem teve o prazer de trabalhar na Sociedade Esportiva Palmeiras, nunca o contrário.

————————————————————————————————–

Dentro de campo, mais uma vez mostramos um bom volume de jogo. Fomos superiores em ambos os tempos e, não fossem alguns vacilos de Lúcio e Juninho, o Grêmio só teria chegado mesmo no lance bizarro do pênalti. Destaque para João Pedro, Victor Luís, Valdívia e Prass, sempre ele, cada dia mais seguro.

Domingo tem Santos no Pacaembu. Estaremos lá!

————————————————————————————————–
Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Vitória essencial no Maracanã, Palestrinos! Embora jogando diante de um adversário totalmente esfacelado, não vencíamos fora de casa faz muito tempo e ganhar duas seguidas deve dar uma verdadeira injeção de ânimo neste time.

Time que ontem, aliás, demonstrou uma lucidez quase que inédita nesta temporada 2014. Entrou em campo determinado a dominar o jogo, tocou bem a bola, correu poucos riscos e apostou em suas (poucas) virtudes: o Valdívia e a velocidade.

Foi exatamente em cima dessas duas características que criamos tudo o que produzimos dentro de campo. Sem a bola, o time todo corria e protegia a frágil defesa; com a bola nos pés, entregávamos ao chileno e apostávamos na velocidade.

Tanto que o nostro gol nasceu assim: contra ataque, bola no camisa 10, cruzamento para Henrique, giro e chute perfeccionista no canto. Poderiam, aliás, ter saído outros do mesmíssimo jeito, não fosse o preciosismo de Leandro e a falta de inteligência de Allione.

E embora tenhamos dominado a partida, é óbvio que sofremos em algumas ocasiões. Foi aí que brilhou a estrela daquele que tanto nos fez falta neste segundo semestre: Fernando Prass. O goleirão fez ao menos duas grandes defesas e ajudou com que saíssemos de campo com os três pontos – e a moral elevada.

Neste ponto, aliás, acho que tem de se dar créditos ao treinador. Dorival Jr. recuperou alguns jogadores que estavam em baixa e fez o grupo jogar junto de novo. A comemoração da maioria dos atletas após o apito final ontem deixou isso bastante claro. Bem como é clara a diferença entre um time medíocre e um time medíocre, mas motivado.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Chegou mais uma semana decisiva para nós, Palestrinos. Mais dois jogos complicados se aproximam e está na hora de tentar engatar uma sequência favorável antes de enfrentar as pedreiras que se avizinham.

Nesta quarta-feira, diante do Botafogo, temos o último jogo da sequência de confrontos diretos do Z4 e, sendo realistas, podemos vencer. Apesar da nostra campanha fora de casa ser pífia –  de não termos aproveitado tão bem estes embates diante de times teoricamente mais fracos -, não existe um momento tão bom para enfrentá-los como o de agora. Eles estão devendo salário, acabaram de demitir 4 atletas importante se vêm para campo depois de uma derrota para outro time da degola, o Vitória.

Já a partir de sábado, começa outra sequência: a de jogos diante de clubes que estão na parte de cima da tabela. São quatro partidas, sendo três delas em casa (Santos/Grêmio/SCCP) e uma fora (Cruzeiro). Complicadíssimo, mas não impossível se Dorival entender o simples: que temos que jogar sempre por uma bola.

Não adianta abrir o time e achar que vamos envolver o adversário porque já tivemos diversas provas de que isso vai dar errado. É preciso proteger a nostra frágil defesa e exigir movimentação do meio-campo para ajudar. O Palmeiras de hoje não tem qualidade e, por isso mesmo, precisa de precaver.

Eu, pessoalmente, colocaria apenas Valdívia, Cristaldo e Henrique no comando de ataque. Seja qual foi a dupla de zaga, colocaria Marcelo Oliveira, Renato e Allione/Wesley/Washington/Matheus Sales a frente da zaga para deixá-la menos vulnerável. Isso sem falar que, com 3 volantes, pode-se dar mais liberdade a Victor Luís (que deve ser titular da lateral, não do meio, no lugar do atrapalhado Juninho). Lá na frente, deixemos que o trio de ataque se vire para criar chances.

É preciso entender que a única forma de ganharmos posições nessa grande votação chamado Campeonato Brasileiro é sendo conservador. 1 a 0 vale o mesmo número de pontos do que os 4 a 2 diante da Chapecoense – e nós precisamos vencer a qualquer custo. Fecha o time, Dorival!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Só pode ser milagre, Palestrinos! Afinal, pela primeira vez em todo o campeonato vencemos por goleada. E o tamanho do milagre só fica maior para quem assistiu à partida e sabe que o resultado por mais de dois gols de diferença não fez jus ao jogo.

Os mais de 15 mil presentes ao Pacaembu assistiram a um primeiro feio e brigado, onde as duas únicas jogadas de emoção foram ruins para nós: um gol pedido por Henrique após belíssima jogada de Valdívia e um gol feito pela Chapecoense após falha grotesca da nostra defesa.

O cenário, no intervalo, era de pura desolação.

Sorte nostra que o esporte em questão é o futebol e que as coisas podem mudar radicalmente em poucos minutos. Foi em um espaço ínfimo de 15 deles que Wesley empatou em belo arremate, Henrique virou de barriga e ainda ampliamos em uma cobrança de pênalti. Pra somar, ainda tivemos mais um penal convertido por Henricão e um gol bizarramente sofrido em contra ataque quando não havia a menor necessidade de ficar com o time aberto.

O resumo da ópera foi 4 a 2 Verdão. Um placar tão mentiroso quanto os 3 a 1 sofridos em Florianópolis no último domingo, mas que explica a beleza deste esporte que tanto amamos e ainda alivia a nostra situação na tabela. Agora é aproveitar o descanso no final de semana e trabalhar duro nos próximos dias para vencer o Botafogo fora de casa na quarta – o que, convenhamos, é bastante possível depois de termos visto o que o Santos fez com eles pela Copa do Brasil.

É bom Dorival tentar melhorar a proteção a defesa e, finalmente, colocar Cristaldo na frente ao lado de Henrique. Com a dupla de ataque e Valdívia armando, podemos jogar com 3 volantes (M. Oliveira, Renato e mais um) atrás e dar mais segurança ao lento Lúcio e aos garotos Nathan ou Gabriel Dias.

Vamos, Palmeiras! Brigando até o fim sairemos desta.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »