Feeds:
Posts
Comentários

Archive for 28 de maio de 2015

22 jogadores. Um treinador conhecido. Um diretor de futebol de renome. A reforma completa do estádio. A verdade é que nessa vida, Palestrinos, tudo se compra: exceto caráter e alma.

Quem assistiu as últimas partidas do Palmeiras já percebeu que o que falta para este time é sangue nos olhos – ou fome, como diriam outros. Temos um bom elenco, uma bela infraestrutura e todos os elementos necessários para se fazer uma boa temporada. Assistir o nostro Verde jogar, no entanto, tem sido um pesaroso exercício de paciência e mau humor.

A única conclusão que chego é que, de fato, nos falta alma. E que fique claro que, por alma, não quero dizer apenas raça. Ela faz parte, é claro, mas essa aura que faz um time campeão pode passar por vários outros critérios que não somente o suor.

O primeiro exemplo que vem na minha cabeça ao misturar transpiração e inspiração, é o Atletico de Madrid de Diego Simeone. Um time muito mais humilde que os gigantes da Europa, mas que, com dedicação, algumas boas peças e aplicação tática, se torna carne de pescoço contra qualquer adversário – fraco ou forte.

Em âmbito nacional, destaco o trabalho feito por Guto Ferreira na Ponte Preta e o excelente trabalho diretivo que vem fazendo a Chapecoense. Equipes imensamente menores e menos providass de recursos do que nós, aliás, mas com um norte muito bem definido dentro e fora de campo. Juntar todas essas peças com habilidade é o que constrói a tal da alma.

Ontem, em pé nas cadeiras que já foram arquibancadas do Palestra Itália, me senti com a mesma sensação de desespero do Campeonato Brasileiro do ano passado. É dificílimo torcer por um time que toca, toca, toca, mas claramente não quer ganhar o jogo. Não chuta a gol, não é agudo, objetivo, interessado. Com a Mancha em silêncio durante todo o primeiro tempo, inclusive, parecia que estávamos ali para assistir um drama daqueles que dá nó na garganta.

Já escrevi isso no post anterior e repito: é hora de Paulo Nobre e Alexandre Mattos se posicionarem. Eles são os chefes do elenco – e de Oswaldo de Oliveira – e precisam se portar como tal. É preciso cobrar vontade e organização para se ter um time com gana.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »