Feeds:
Posts
Comentários

Archive for julho \30\UTC 2015

As arquibancadas do Allianz Parque denunciam, Palestrinos: estamos em boa fase.

Depois de anos e anos sem a menor perspectiva de vencer o Brasileirão – nos arrastando nos já arrastados pontos corridos -, é óbvio que a média de 33 mil torcedores por partida está sendo motivada pela boa campanha.

Um movimento que começou com a reinauguração do nostro estádio no ano passado, mas que ganhou corpo de vez após a chegada de Marcelo Oliveira e a grande sequência de resultados que tivemos nas últimas semanas. Uma comunhão que está dando liga e, de fato, pode nos conduzir até a taça.

Para a minha surpresa, no entanto, descobri que tenho vocação para sofrer.

Desde o cinco anos, sempre tive grande presença em jogos do Palestra. Nunca fui a menos de vinte por temporada. Em 2015, confesso, minhas idas tem se tornado mais raras. Claro que o valor dos ingressos e os compromissos profissionais têm ajudado neste processo, mas cheguei a conclusão que, com o Palmeiras em boa fase, posso ficar mais tranquilo de faltar aos jogos.

Não que eu seja masoquista ou coisa parecida. O fato é que, com as vitórias vindo naturalmente, sinto que o papel de apoio está sendo preenchido pelo restante da massa. Estive presente em grandes vitórias este ano, mas, a mim, parece que sempre que o time se encontrou em momentos complicados (e foram muitos na última década e meia), eu me senti muito mais compelido a comparecer do que me sinto agora.

É óbvio que vencer o Atlético/PR neste domingo tem tanto valor quanto tinha vencer o Coritiba após tomarmos de seis no jogo de ida pela Copa do Brasil de 2011. Mas, naquele dia, eu senti que tinha o dever de comparecer ao Pacaembu para gritar. Bem como quando tomamos sete do Vitória naquele começo difícil de 2003 ou mesmo ao sofrer com o primeiro triunfo de Gareca, diante do Criciúma, no ano passado.

Acho que, no fundo, essa é a sina de todo torcedor apaixonado: estar ao lado da sua paixão na alegria e na tristeza. Na cadeira verde ou no cimente quente. Com teto coberto ou tomando chuva. Só tenho tido cada dia mais certeza de que eu, definitivamente, tenho o dom de sofrer. E sofrer feliz.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

O esquema tático e a escalação são rigorosamente os mesmos. As opções no elenco também são praticamente iguais. Então o que tanto mudou para que o Palmeiras inconstante de Oswaldo se tornasse o Palmeiras vencedor de Marcelo Oliveira?

É claro que a resposta não pode ser dada de forma tão simplista, mas, grosso modo, vem muito do que mostram os números: o time de MO é muito mais assertivo que o de OO. Explico.

Enquanto a equipe trocava, em média, 401 passes com Oswaldo, hoje o número caiu para 280. Se eram 15 finalizações por jogo, agora são 12. Os 26 cruzamentos efetuados a cada noventa minutos são, agora, 16. Resumidamente, por mais que possa parecer que a equipe estivesse em melhor forma antes, existe uma diferença clara entre quantidade e qualidade.

Com Marcelo Oliveira, o Palmeiras troca menos passes, mas chega muito mais rápido ao gol (em média 4 passes a menos até finalizar). Chuta menos em números absolutos, mas subiu o número de gols marcados de 1 para 2.25 por partida. Efetua bem menos cruzamentos, mas aumentou a efetividade deles em 10%. E por aí vai.

Ao meu ver, o grande diferencial do momento é que nostra equipe é mais aguda. Marca em cima, sai em velocidade, busca abrir o jogo pelas laterais e efetua jogadas mais simples (como tabelas rápidas no meio-campo). Claro que isso tudo não quer dizer que Oswaldo seja um lixo, mas claramente a chegada de Marcelo fez a equipe ter mais apetite.

Os próprios atletas, individualmente, cresceram demais – e Egídio é, provavelmente, o maior exemplo disso. Porém pode-se citar outros nomes como Arouca, Dudu e Leandro Pereira facilmente. A impressão clara de quem acompanha os jogos é a de que, finalmente, não existe mais aquele medo/receio/ranço de ganhar. Nostro novo treinador está fazendo a equipe, de fato, evoluir.

Domingo temos um jogo em casa diante do Atlético/PR e, vencendo, MO chegará a um aproveitamento de 80% dos pontos disputados. Para efeito de comparação, OO deixou a equipe com 33% dos pontos somente no Brasileirão. Ou seja: caso a equipe mantenha a pegada, podemos providenciar uma carta de agradecimento à diretoria do Cruzeiro. Afinal de contas, não é sempre que se ganha um treinador destes de graça.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

A história é real, Palestrinos. Ainda noutro dia, sentado atrás de mim na arquibancada, um garoto de uns 6 anos perguntou ao pai onde estava Valdivia.

Fosse um pouquinho mais velho, é provável que o menino houvesse escutado um esculacho de quem estava a sua volta volta. Sua idade, no entanto, o protegeu e, paciente, ele ouviu o pai explicar que o chileno havia saído e que não jogaria mais pelo Palmeiras. Mesmo com o time ganhando e em boa fase, o pequeno não gostou e deixou claro soltando um demorado “ah”.

Para quem já estava de saco cheio de Valdivia, feito eu, pode parecer uma situação bizarra. Mas a verdade é que não é. Até porque, antes de mais nada, aquele é palmeirense que nunca teve ídolos de verdade.

Começando a entender de futebol e do seu time agora, ele não chegou a ver nem mesmo Marcos. Provavelmente já ouviu por diversas vezes seu pai falar do Santo, bem como de Evair, Rivaldo e Edmundo (da mesma forma que eu sempre peço que meu pai fale de Ademir, Dudu, Luís Pereira e Leivinha, dentre muitos outros). Mas o fato é que ninguém nunca conquistou aquele coraçãozinho verde – por isso Valdivia parecia adequado a ele.

As últimas décadas foram pródigas em nos apresentar candidatos a ídolos que deram em água. Valdivia (o “Mago”), Kléber (o “Gladiador”) e Barcos (o “Pirata”) foram alguns deles. Jogadores comuns que, embora tenham tido algum brilhareco vestindo nostra camisa, fatalmente quebraram a expectativa de muitos por aí. E se teve até marmanjo chorando com a partida de um trio destes, por quê aquele garoto não poderia fazer o mesmo?

São os ossos porcos do ofício. De um futebol que hoje é regido por dirigentes incompetentes, empresários sanguessugas e jovens jogadores que nem mesmo atuaram no time de cima e já falam que o Campeonato Inglês os espera. Mesmo agora, com um elenco muito mais recheado, vejo poucas caras capazes de brilhar em nostra sala de troféus – que dirá em um pôster na parede de um quarto alviverde. É duro, mas é real.

A situação não se aplica apenas ao nostro Palmeiras, mas, sinceramente, tem pesado mais para nós. Torço para que Fernando Prass siga em grande nível, para que Zé Roberto se firme como um capitão, Dudu coloque a cabeça (e a bola) no lugar e até para que o recém-chegado Barrios balance as redes dos adversários por muitos anos ainda. E mais ainda do que tudo isso, torço para que aquele garotinho não demore para ter um ídolo. Pelo bem dele e de todos nós.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Fizemos a trinca, Palestrinos! E muito embora os últimos nove pontos tenham sido cruciais para a nostra subida na tabela, ainda há muito trabalho a ser feito.

E que fique claro que isso não é papo de pessimista: quem acompanhou os dois últimos jogos na íntegra sabe muito bem do que estou falando. Se por um lado batemos equipes que jogam fechadas por natureza – e sempre foram uma pedra em nostro sapato -, por outro ficamos devendo demais na criação e no volume de jogo.

Ontem, em Cuiabá, tivemos um exemplo claro disso. Mesmo com dois a zero no placar ainda no primeiro tempo, sofremos demais para assegurar o resultado. Marcelo Oliveira mexeu bem em todas as três alterações, mas a segunda etapa foi sofrível. O que vimos foi um festival de chutões pra frente e lançamentos para ninguém. Não fossem as duas chances claras de gol desperdiçadas por uma Ponte pra lá de desfalcada, poderíamos ter saído de campo em maus lençóis.

De positivo, só mesmo o rapaz da foto acima. Embora tenha chegado repleto de desconfiança, a verdade é que Rafael Marques é, hoje, o ponto de equilibro do Palmeiras. Não só pelas duas assistências de ontem, mas principalmente por ser o único atleta a ter calma com a bola nos pés. O único a levantar a cabeça, olhar jogo e entender que o bumba-meu-boi está longe de ser um estilo de jogo compatível com nostra equipe.

Aliás, já que Robinho está totalmente perdido e Cleiton Xavier ainda está vergonhosamente fora de forma, uma forma de jogar é escalar Rafael na meia. Pode-se entrar com Zé Roberto ou mesmo Kelvin na vaga deixada e tentar fazer o time fluir através de um jogo de velocidade. Outro que vem mal é Leandro Pereira que, assim que Barrios chegar, deve amargar o banco por um bom tempo.

Olhando o ponto pra lá de positivo, no entanto, parece que enfim nos reacostumamos a vencer. O jogo de quarta, diante do Avaí, é perfeito para fazermos a quadra, embalarmos de vez e chegarmos forte na Ilha do Retiro para um jogo que provavelmente será confronto direto pelo G4. Basta colocar a bola no chão e ter um pouco mais de calma da próxima vez.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Vitórias, Palestrinos! Duas, pra ser mais exato.

Algo que olhando assim, a primeira impressão, nem parece ser digno de nota. Mas considerando que foram tipos de jogos totalmente diferentes – e que o Palmeiras tem oscilado demais durante o ano – é, sim, um fato para ser celebrado.

Diante do São Paulo, tivemos a confirmação de que a maldição dos clássicos acabou. Após algumas temporadas de derrotas e empates com os nostros principais rivais, 2015 está se firmando como o ano da redenção. O início de jogo não passou muita segurança, mas, a partir do momento em que abrimos o marcador, virou um baile. Contra ataques extremamente bem construídos, finalizações certeiras e seriedade na defesa que valeram os 4 a 0 e muita tranquilidade.

Já diante da Chapecoense, enfrentamos um estilo de adversário que tem sido nostro pior pesadelo: aquele que coloca onze na defesa e espera. Assim como esperado, o jogo foi complicado até que o gol saísse. Não jogamos bem como havíamos feito no domingo, mas foi bom ver um time que, além de volume de jogo, buscou o gol a todo o momento (algo que, com Oswaldo, era quase inexistente).

Destaque para os jogos seguros de nostros zagueiros (Victor Hugo tem sido de uma seriedade impressionante) e volantes (Arouca voltou ser Arouca), além de jornadas memoráveis de Egídio e Cristaldo. O lateral-esquerdo, que não tinha feito nada até semana passada, começou a jogar demais; já o argentino gordinho tem saído muito bem do banco e virou o novo amuleto da equipe.

Foram, enfim, duas partidas totalmente diferentes, mas igualmente vencidas. E é isso mesmo que precisamos: voltar a nos acostumar a vencer. Triunfos trazem confiança e confiança nos leva até o alto da tabela. Ainda é cedo para pensar em título, mas, a julgar pela atitude da equipe e pelo discurso de Marcelo Oliveira, podemos sonhar.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »