Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Palmeiras’ Category

41669692832_a7d9cfe6a9_b

Por mais que números, estatísticas e probabilidades tentem explicar ou diagnosticar esse jogo que tanto amamos, uma coisa é incontestável: o futebol não se explica.

Ou você é capaz de explicar como um limitado Euller entra em campo aos 40 minutos do segundo tempo e seis minutos depois, com uma cabeçada e uma trombada, classifica o Palmeiras em um jogo perdido? É possível explicar uma falta do meio-campo entrar no ângulo aos 43, dando a vantagem de três gols que você precisava? E um chute do meio da rua, fora de casa, minutos antes da desclassificação? Me diz como conta para uma criança que o primeiro tempo virou 3 a 0 pra gente, mas depois levamos quatro

Na vitória ou na derrota, o futebol não se explica.
Por isso é que se há de jogar.

Há de se correr a exaustão, acreditando que o todo o suor derramado voltará em forma de gols. Há de gritar e apoiar até o jogo acabar, sem olhar para o relógio ou para o placar. Há de se defender como se o mundo dependesse de ti e de se atacar como se outro mundo só nosso fosse surgir quando a bola tocar a rede.

Há de se acreditar no goleiro da medalha olímpica e de tantas defesas no ano. Há de se apoiar a dupla de laterais que nunca chegou a ser titular, mas virou. Há de se levantar na arquibancada como se jogássemos para cima a dupla de zaga improvável que nos conquistou. Há de se orgulhar de um meio-campo técnico que, se não jogou na Bombonera, pode jogar – e muito! – hoje. Há de se endiabrar com dois dos melhores pontas do futebol brasileiro, trincando com um 9 que parece bobo, mas não é. Há de se olhar para o banco e confiar em quem já nos deu tanta alegria.

Mas, acima de tudo, há de se lembrar que tudo o que passamos nos últimos 104 anos de história não vão mudar com o resultado do jogo de hoje.

Aliás, há de se lembrar que resultados não explicam jogos. Ou você acha que não estaríamos elogiando a tranquilidade de um jogo sem gols na semana passada, não fosse um apagão de cinco minutos? Ou acredita de verdade que o Grêmio de Renato não seria coberto de louros pela vitória sem grandes emoções diante do River, não fossem casos e acasos?

Há de se acreditar. Há de se apoiar.
E, acima de tudo, há de se jogar futebol.

Vamos, Palmeiras!

Read Full Post »

5ba44879ced07.jpeg

Caro Palestrino,

Eu sei que hoje está difícil de acreditar, mas vai dar.

Apesar da ressaca, da revolta, da retranca, da realidade, dos malos recuerdos, falsos regalos e da reviravolta… vai dar.

Mesmo com a desvantagem, o demérito, as derrapagens, o decréscimo, a debilidade e o descrédito… vai dar.

Muito embora vá ser complicado, combalido, confrontado, combatido, descompensado e desconversado, compelido… vai dar.

Porque é futebol. Tem bola parada, bola rolando, bola desviada, na trave e entrando, jogada ensaiada, certa e errada, acaso e por acaso, vitória e virada.

Vai dar porque tem Dudu, William, Moisés, Weverton, Mayke, Cachorro Louco, Goméz, Luan, Dracena, Deyverson, Diogo, Lucas Lima, Borja e Felipão. Tem corredor verde na Turiassú, Palestra lotado, time empurrado, adversário calado e porque Libertadores – você bem sabe – é obsessão.

Vai dar porque estaremos todos lá. De corpo e mente presente. Porque já passamos por dias melhores e piores, tivemos heróis e algozes, lentos e velozes, mas nunca descrentes.

Eu sei que hoje está difícil de acreditar, Palestrino. Mas vai dar.

Read Full Post »

Se Marcos virou Santo por ser importante em momentos decisivos, por quê Prass não poderia ser canonizado na noite de hoje?

Se Neném já substituiu Arce e deu conta do recado, por quê João Pedro não poderia brilhar em uma vaga que nem tem um dono tão certeiro?

Se o jovem Roque Júnior mostrou personalidade logo que chegou a Academia, por quê o recém-chegado Vitor Hugo não poderia bater no peito?

Se um reserva do naipe de Agnaldo Liz nos guiou para o primeiro caneco da Copa, por quê Jackson também não pode?

Se o frágil Juninho nos conduziu no pressionado Alto da Glória, por quê o rodado Zé Roberto não pode nos conduzir até a mesma glória?

Se, apesar dos apesares, Galeano já nos deu tantas alegrias, por quê o promissor Matheus Sales não poderia copiá-lo na raça e na sorte?

Se o indiferente Darci já matou o Santos no mesmo torneio, anos atrás, por quê haveria de ser diferente com Arouca?

Se Alex Cabeção voltou do sono profundo por tantas e tantas vezes, por quê cazzo Robinho não poderia se inspirar em seu exemplo?

Se Mazinho “Messi Black” deitou e rolou rumo ao lugar mais alto do pódio, por quê Dudu passaria incólume?

Se a camisa 33 nos deu o bicampeonato através de Betinho, por quê não poderia fazer o mesmo vestida pelo predestinado Gabriel Jesus?

Se o trombador Óseas foi capaz de decidir a final de 98 para nós, por quê o matador Lucas Barrios não seria capaz de fazer o mesmo?

Se o estádio municipal de Barueri já foi palco de uma de nostras mais surpreendentes campanhas, por quê o Allianz Parque não será o local de mais um caneco?

Enfim, se é com Fernando Prass; João Pedro, Vitor Hugo, Jackson e Zé Roberto; Matheus Sales, Arouca e Robinho; Dudu, Gabriel Jesus e Barrios que entraremos em campo esta noite, por quê não acreditar?

Por que não ganhar?
Por quê não calar a todos?
Por quê não ser tricampeão?

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Palmeiras x Fluminense nem começou e já se tornou o jogo mais tenso do ano, Palestrinos. Ou melhor: deste e do próximo ano.

Depois da derrota no Rio e da sequência ruim no Brasileirão, a sensação é a de que uma eliminação na quarta-feira pode colocar tudo a perder não só em 2015, mas também para a temporada que vem. Ao menos foi o que a nostra amada torcida organizada deixou bastante claro no último sábado…

Não que eu ache que o Palmeiras esteja jogando bem. Longe disso! Mas colocar o futuro de uma equipe que voltou a investir depois de tantos anos em uma única temporada chega a ser surreal. Agora, não bastassem as limitações técnicas, vamos contar com um time pressionado dentro de campo.

Até porque, na minha opinião, ganhar o jogo desta quarta-feira não é uma obrigação. Correr, tentar e se entregar pela camisa e cores do Palestra, sim; mas obrigação de sucesso ninguém tem. Nem mesmo um time de futebol bem remunerado.

No entanto, a Mancha impôs esse sucesso como opção única e nós sabemos como as coisas reverberam nos nostros bastidores. Seja lá qual for o resultado no Allianz Parque, nós sairemos perdendo. Em caso de eliminação, corre-se o risco de zerarmos todos os avanços feitos até aqui; e mesmo em caso de vitória, vão dizer que o combustível que incentivou a equipe foi a “pressão das arquibancadas”.

Espero de coração que Marcelo Oliveira e todo o elenco se mantenham focados no que vai acontecer dentro de campo. Caso contrário, os próximos derradeiros 90 minutos poderão ser fatais não só neste ano, mas para toda a sequência de 2016.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

A noite de sábado foi mesmo especial, Palestrinos. Pois não bastasse a virada incrível diante do Grêmio em um Pacaembu lotado como há muito não se via, aproveitamos para nos “vingar” de alguns ex-companheiros.

Começando pelo argentino Barcos, que teve atuação apagada, mas decisiva para o jogo. Afinal, foi ele quem converteu o pênalti pessimamente marcado pelo árbitro no início do segundo tempo e que, minutos depois, foi expulso por uma falta que também não fez – devolvendo o Palmeiras para o jogo. Ao sair de campo, ainda virou para a torcida do Grêmio e fez o sinal do Pirata; de fato, ele acabou sabotando o próprio time.

O destaque, no entanto, ficou com Felipão. Que vem fazendo um trabalho digno no time gaúcho, mas que já deu mostras de sobre de que seu tempo passou. Após a partida, até começou na dele ao contornar o problema de arbitragem. Mas quando questionaram a encheção de saco proveniente da nostra massa, Scolari perdeu a linha.

Com empáfia digna de quem está sempre na ofensiva (embora seus times estejam na defensiva), disse que não liga para a torcida e que foi ele quem deu o último título para nós. De quebra, ainda disse que vamos ter que correr demais para ganhar outro a curto prazo.

Pois bem, Felipão, o problema é que fácil demais falar uma mentira usando verdades. De fato, você venceu a Copa do Brasil de maneira louvável em 2012. Bem como venceu o mesmo torneio em 98, a Libertadores e a Mercosul. Só esqueceu de dizer que também teve incontáveis fracassos, né? Nos rebaixou para a Série B, foi eliminado de uma Copa Sulamericana para o Goiás em casa, perdeu clássicos e mais clássicos…

Nós somos muito gratos por tudo o que você fez por nós, Felipão. Mas, admita, seu tempo passou. Não só pelo rebaixamento em 2012, mas também pela surra que tomamos na Copa do Mundo e pelo eu temperamento cada dia pior. Vamos lembrar de você com carinho sempre, mas entenda de uma vez por todos: foi você quem teve o prazer de trabalhar na Sociedade Esportiva Palmeiras, nunca o contrário.

————————————————————————————————–

Dentro de campo, mais uma vez mostramos um bom volume de jogo. Fomos superiores em ambos os tempos e, não fossem alguns vacilos de Lúcio e Juninho, o Grêmio só teria chegado mesmo no lance bizarro do pênalti. Destaque para João Pedro, Victor Luís, Valdívia e Prass, sempre ele, cada dia mais seguro.

Domingo tem Santos no Pacaembu. Estaremos lá!

————————————————————————————————–
Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »