Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘alex’

Quarto jogo seguido sem derrota, Palestrinos. Retrospecto bom demais para um time que tem oscilado tanto na temporada.

Ontem, no entanto, poderia ser melhor. Não somente pela penalidade perdida, mas por termos jogado melhor a maior parte do jogo e termos perdido chances também com a bola rolando. Até o gol sofrido nasceu em uma falha de marcação, dando espaço demais para que Alex chutasse.

Mas, verdade seja dita, já fazia muito tempo que não jogávamos tão bem no amaldiçoado Beira Rio. Nem me lembro da última vez que saímos de lá com o jogado dominado! O time teve calma e personalidade, pressionou o saída de bola e rendeu bem depois das trocas promovidas por Marcelo Oliveira.

Fosse uma rodada ordinária do Brasileirão e teríamos muito o que lamentar. Porém, em sendo Copa do Brasil, o resultado não foi assim tão desastroso. E tudo isso é fruto do tal equilíbrio que estamos tentando achar em 2015.

Com quase 30 jogadores novos no elenco, é natural que o time tenha altos e baixos. Foi comum até aqui, por exemplo, termos tido sequências de vitórias e derrotas. Temos que aproveitar que estamos em uma maré boa e confirmá-la com um triunfo no próximo domingo e carimbando a classificação três dias depois.

Se o time chegar lá, dá pra prever coisas boas.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Lá se foi Alex, Palestrinos.

Justamente no dia em que sofremos até o último minuto por um time que não merecia um só segundo de atenção, nostro último grande camisa 10 pendurou as chuteiras.

Quis o destino e sua própria vontade que parasse no Coritiba, o clube de onde veio para defender nostras cores em 1997. Ainda me lembro de assistir no Globo Esporte à chegada daquele menino tímido e magro, ostentando um cabelo esquisito em uma cabeça invejável. Alex, em bem da verdade, parecia um mini craque. Seu futebol, pelo contrário, era maiúsculo.

Canhoto e habilidoso, não tardou em chamar a atenção das arquibancadas com seus passes precisos, lançamentos bem feitos e cobranças de falta que começaram a fazer o até então intocado Arce revezar com alguém. É bem verdade que demoramos um pouco para nos acostumar com seu ritmo. Acompanhar um atleta que faz a bola correr por si é tão raro que não foram poucas as vezes em que os chamamos de “Alexotan” (e pagamos por isso até hoje, aguentando craques do naipe de Bruno César e Felipe Menezes).

A primeira cena que me recordo de Alex com a camisa do Palestra foi chutando uma bola na trave durante a decisão do Brasileirão de 1997, diante do Vasco. Depois disso vêm incontáveis jogos inesquecíveis do Cabeção. Suas atuações perfeitas na Libertadores de 1999 (especialmente o jogo de São Januário pelas oitavas e o de volta contra o River na semi); a batida de falta que culminou no épico cabeceio de Galeano, em 2000; e, claro, a fábrica de chapéus inaugurada no Morumbi pelo Torneio Rio-SP de 2002.

Pensando bem, Alex marcou um novo período vitorioso na nostra história. Depois do elenco fantástico das temporadas 93/94 e da seleção do Paulistão de 1996, foi justamente em 98 que nasceu outro ciclo de títulos no Palestra Itália. Vieram Copa do Brasil, Mercosul, Libertadores, Copa dos Campeões… vieram títulos e grandes duelos que duraram quatro bons anos e morreram justamente quando o meia foi embora para a Itália.

Desde então, aliás, não houve palmeirense que não torcesse por Alex. No Parma foi difícil porque o time era fraco. Mas nas passagens por Cruzeiro (que não nos enfrentou em 2003), Fenerbahçe, Seleção (aliás, que vacilo do Felipão!) e novamente pelo Coxa, ele sabia que estávamos com ele. Ainda que fosse contra a gente.

Portanto, passada a tormenta dos últimos dias, só nos resta agradecer a Alexsandro de Souza por tudo o que fez pela Sociedade Esportiva Palmeiras. Valeu, garoto! Só não vou escrever que você aposentou o boné porque não existe um aparato deste que caiba nesta cabeça genial.

Alex-FINAL-848px

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Você certamente se lembra da imagem acima, Palestrino.

Tenha visto ao vivo ou pela TV, é certo que você ao menos ouviu falar deste gol de Ronaldo contra o Corinthians. Era 1974, a fila deles já durava duas décadas e o empate que daria o título paulista para eles estava perto de acabar com aquele incômodo – e delicioso – jejum. Só que, aos 24 minutos do segundo tempo, o homônimo do goleiro e do atacante que jogaram por lá acabou com o sonho.

Já faz 40 anos, mas, admita: isso ainda está bem vivo para nós.

Quem ilustrou este tento foi Marco Sousa, um apaixonado por futebol que ilustra gols há muitos e muitos anos. Sua vida, aliás, é dedicada ao futebol e à alegria máxima que ele produz. Qualquer apaixonado pelo esporte sabe disso.

Por isso, peço que vocês conheçam o trabalho do Marcão e, se possível, contribuam para seu projeto. O trabalho é sobre todos os tentos marcados pela Seleção Brasileira nas Copas em que vencemos (além da histórica em 1982) e você pode ajudar com qualquer quantia.

Eu já ajudei e peço que você faça o mesmo. Basta clicar acessar https://www.startando.com.br/golsilustrados e fazer a sua parte. Senão perigamos de ver perdidos gols como os de Ronaldo e Alex Cabeção – ou mesmo aquela defesa de São Marcos, que fizeram a alegria de tantas gerações.

1690619_592945384119449_853722065_n 1926650_592945287452792_1429384295_n

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Pouco a falar sobre este lance, Palestrinos.

Lembr0-me apenas de que eu morava no interior de São Paulo e de que não pude ir ao Morumbi porque o jogo foi no meio da semana. Meu irmão, no entanto, morava na capital e me ligou segundos após o gol, repetindo insistentemente: “Meu Deus, meu Deus, meu Deus!!!”.

Era o Torneio Rio-São Paulo do fatídico ano de 2002, metemos 4×2 na bambizada e a dupla Alex/Cristian teve uma noite de gala. Parabéns ao Cabeção pelo tento genial e pelo aniversário de dez anos de uma verdadeira obra de arte.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

homenagem

Para variar, os autores deste blog estiveram no Parque Antarctica neste domingo. E podemos dizer que foi uma tarde repleta de emoções em todos os sentidos.

Dentro de campo, além da bela vitória, o pré-jogo foi sensacional. Em uma louvável iniciativa da diretoria, Velloso, Sérgio, Júnior Baiano, Cléber, Alex e Evair foram homenageados pela conquista da Libertadores de 1999.

A torcida foi ao delírio! Atenção especial à Evair – que teve seu nome devidamente cantado trocentas vezes – e à Alex, que ouviu o coro de “Volta! Volta!” cheio de emoção.

Infelizmente, no entanto, a festa do domingo teve momentos feios.

Pouco antes do fim do 1º tempo, a torcida do Cruzeiro desceu as arquibancadas e foi ao fosso provocar a nossa torcida. E uma pequena parte dos palestrinos presentes caiu na provocação estupidamente, causando briga generalizada com a polícia.

É lamentável que alguns imbecis insistam em ir ao estádio brigar, mesmo em meio a tantas crianças e famílias!

Independentemente do time que fossem torcedores, espero que todos os que brigaram tenham sido detidos e pensem melhor da próxima vez que quiserem estragar nossa festa.

Verdão rumo ao bi da Libertadores – 1999/2009.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

choque-rei-sp

Lembranças são o que não me falta ao lembrar de Palmeiras x São Paulo. Admito que o sentimento é bem diferente de jogar contra o Corinthians (nesses dias fico ansioso, mal durmo, eles são “os rivais”), mas pelo momento do time da Vila Sônia a rivalidade anda em alta.

Por isso vou colocar aqui algumas coisas que lembro do Choque Rei.

O INESQUECÍVEL
Palmeiras 2×0 São Paulo, Brasileirão 1993. Eu estava no Morumbi. Eu vi o gol do Edmundo. E vi o SPFC massacrar-nos na segunda etapa. Eles iam empatar. Preocupado e tenso, fui ao banheiro. De repente ouço gritos de gol. Era nosso! E um golaço do Sampaio, amigos… e eu não vi.

Vejam aqui.

O GOLAÇO
Eu adorava o Torneio Rio-São Paulo. Era demais bater nos times daqui e ainda humilhar os cariocas. Pena que acabou. Mas antes de acabar, em 2004, nosso gênio cabeçudo Alex fez um gol incrível. Não tem como não lembrar. Eu fiquei a noite toda revendo o lance.

Vejam e vibrem aqui.

GOSTINHO ESPECIAL
Esse é bem recente, mas é muito especial. Primeiro porque nos levou a final do Paulistão do ano passado e nós ganhamos. Segundo porque era contra o time encardido do Muricy. Terceiro porque foi do Mago Valdivia… e que gol! E que hora pra ele sair…

Vejam aqui o chororô do Ceni.

Enfim, é claro que já ganhamos umas e perdemos outras, mas o jogo de hoje é especial. Nem vale tanto para a classificação, mas é clássico. Eu aposto em uma formaçã ofensiva, no 4-4-2, bola centralizada no K9.

É hoje Verdão. Pra cima delas!

ROJAS.

Read Full Post »