Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘arce’

Quem será nostro novo treinador, Palestrinos?

Muito tenho ouvido sobre Luxemburgo e Dorival, mas a verdade é que a lista é mais extensa. Conta com Ney Franco, Doriva e até mesmo Arce, nostro ex-lateral que está no Cerro Porteño (eliminado pelo Cruzeiro da Libertadores).

Na pesquisa que fizemos aqui no Siamo, em uma amostra de 63 respostas, o vencedor foi – para a nostra sincera surpresa – Luxa (19 votos). Na sequência, vieram Jorginho (13), Dorival (11) e Doriva (9). Leão (3), Narciso e Renato Gaúcho (1) vieram bem atrás – assim como Renê Simões, que zerou.

A conclusão é que, cansada e temerosa, a torcida está dividida em um paradoxo: ou um grande figurão ou uma grande novidade.

Afinal, o currículo de Wanderley – tanto no Palestra quanto em outras equipes – é inegavelmente bom. Mas igualmente inegável é que ele nos deixou de maneira traumática em 2002 e que sua má fase já está durando longos anos.

Quanto a Jorginho, joga a favor dele a boa impressão deixada em 2009, quando deixou o Palmeiras líder (com Obina pedindo música do Fantástico contra a gambazada) nas mãos trêmulas de Muricy. Mas o fato é que, desde então, oscilou muito em times de menor expressão.

Dorival tem o Palmeiras no sangue – e a torcida gosta disso. Também tem bons trabalhos com grupos limitados, o que é nostro caso hoje. No entanto, seus últimos trabalhos também deixaram a desejar.

Doriva é novidade – e também algum desespero. Ninguém nem lembrava da existência do ex-volante, mas, ao conquistar o Paulistão com o Ituano, ganhou status. O problema, de fato, é sua inexperiência.

Ou seja, definitivamente não existe um nome de consenso. Mas existem muita opções. Vamos torcer para Nobre acertar dessa vez.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Em 2014 o espanhol virou oficialmente nostro segundo idioma, Palestrinos.

Com as constantes presenças de Valdívia, Eguren e Mendieta entre os titulares (além do sempre lesionado Victorino), os sul americanos estão em peso na Academia. A ideia é boa, já que os atletas dos países vizinhos costumam sair bem mais em conta que nostro produto nacional. Na verdade, sempre foi assim: lembremos de Arce, Asprilla, Rincón e tantos outros que envergaram o manto verde mostrando qualidade.

O problema é que, do elenco de hoje, poucos têm se saido bem. A exceção de Valdívia – que tem qualidade inquestionável, mas este ano em especial vem jogando muita bola -, os gringos tem deixado a desejar.

A começar por Eguren. Ex-jogador de seleção uruguaia reconhecido por sua raça e entrega dentro de campo, o volante pouco fez até agora. Ano passado se lesionou muitas vezes e, agora, mesmo com uma sequência de jogos dada por Gilson Kleina, ele ainda não provou que deve ser titular. Embora tenha boa presença física, Eguren tem se revelado lento demais e ainda mais limitado quando tem a bola nos pés. É normal vê-lo errando passes de três metros e, embora marque alguns golzinhos, isso explica a quantidade de vezes que é substituído. A torcida gosta dele, tem o triplo de paciência que tinha com Márcio Araújo, mas, se é verdade que o camisa 5 foi um grande jogador, hoje já não é mais.

Mendieta é outro que torcemos pra engrenar, mas ainda não engrenou. Com bom toque de bola e razoavelmente habilidoso, o paraguaio é o constante reserva do meio-campo. Seja como meia ou segundo volante, ele já marcou gols importantes na Série B e neste Paulistão, contudo costuma se apequenar quando a responsabilidade de armar é toda dele.  Sempre se sai melhor entrando no segundo tempo ou jogando ao lado de Valdívia. Quando começa os jogos costuma decepcionar, mostrando desatenção e deficiência física.

Já Victorino ainda não sabemos o que esperar. Na verdade todos sabíamos do histórico de lesões dele e, sua presença constante no DM, revela que o Cruzeiro fez um grande negócio empurrando ele para nós. A torcida é que ele, ao menos, consiga entrar em campo um dia.

Ou seja: embora o Mago seja nostro melhor jogador, os outros gringos estão devendo ao Verdão. O que só aumenta a nostra saudade de Arce, Rincón, Asprilla e tantos outros hermanos que renderam bem demais com o manto alviverde.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

São Marcos, Evair, Edmundo, Rivaldo, Galeano, Alex Cabeção, César Sampaio, Clebão, Felipão… São tantos os ídolos que eu vi jogar com a nostra imponente camisa que daria para fazer umas 3 seleções brasileiras.

Os tempos, no entanto, mudam. É inevitável (e não cabe aqui ser saudosista). A verdade é que o Verdão viveu tempos de escassez de ídolos. Ficamos dez anos aguentando Missos, Gioinos, Boiadeiros, Itamares e tranqueiras do gênero. E os tempos de vacas magras nos faz incorrer em erros crassos, também conhecidos como “falsos ídolos”.

Recentemente tivemos dois grandes exemplos: o Judas e o Chinelo Chileno. Ambos surgiram na mesma equipe campeã paulista de 2008, saíram logo após a conquista e retornaram pouco tempo depois com status de salvadores. Beijaram o escudo, fizeram promessas, custaram caro aos cofres do clube. Suas camisas venderam como água, a massa gritou seus nomes, havia esperança no ar. Mas bastou algum tempo para vermos quem são de verdade.

Percebam que não falo sobre resultados, falo sobre caráter. Marcos não é um ídolo só por causa de suas conquistas; ele é o Santo porque sempre defendeu nostras cores com amor. Evair idem. Edmundo, por outro lado, sempre se disse vascaíno, mas nunca fingiu lesão para ficar no DM descansando. Rivaldo atuou pelo Corinthians antes de chegar ao Palestra e, mesmo assim, nos encantou com bom futebol e profissionalismo.

Craque é aquele que conquista títulos, mas, acima de tudo, se envolve com o clube. É por isso que Valdivia merece o mesmo destino do Judas: a rua. E isso não é falta de agradecimento; é respeito ao nostro amor maior, a Sociedade Esportiva Palmeiras.

Portanto, Palestrinos, não vamos nos iludir. Morte aos falsos ídolos!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

arce_entrevista

Palestrinos, tendo em voga a semana sem jogos, aproveito para tirar uma dúvida: sou só eu que tenho saudades do Arce?

E não pergunto isso pela falta de laterais-direitos que temos no momento. Pergunto pela notória ausência de gols de falta do Verdão!

Cadê aqueles cruzamentos do “Chiqui” que não tocavam em ninguém e entravam? Cadê aquelas faltas colocadas no ângulo pelo Alex Cabeção? E as patadas de Roberto Carlos lá do meio da rua?

De uns anos pra cá não temos mais batedores. É claro que o Cleiton bate bem na bola e o Diego acerta de vez em quando, mas o negócio deles é com a bola rolando.

No atual elenco, faltas laterais são do Cleiton; e as frontais, aquelas que poderiam ser meio gol são cada hora de um: CX, Diego Souza, Souza, até o Keirrison batia, cazzo!

Longe de mim falar mal do talento de nossos meias, mas faz – literalmente – falta não ter um batedor oficial. Fosse futebol americano, poderíamos deixar o Arce no banco, só pra entrar, “chutar no Y” e sair.

Vamos pra cima das raposas!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »