Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘arquibancada’

Meter gol no Corinthians é e sempre será motivo de êxtase, Palestrinos.
No último sábado, no entanto, essa alegria durou bem menos que o usual.

O motivo não foi a anulação do gol, nem tampouco um hipotético empate de imediato. O que tirou o sorriso do rosto de todos aqueles que estavam na curva da arquibancada verde do Pacaembu foi algo muito maior: o mal súbito de um senhor.

Aconteceu tudo muito rápido e nem eu, que estava dois degraus para baixo, sei explicar o que houve. Notei um tumulto, pessoas gritando, um rapaz correndo para chamar os bombeiros e tudo o que se seguiu a isso foi horrível. No dia seguinte, lendo o jornal, descobri que ele havia falecido.

João era seu nome, estava acompanhado pelo genro e acabou sofrendo um ataque cardíaco minutos depois do gol de Henrique – que havia sido feito bem ali, na mostra frente. Os sentimentos foram tão fortes e contraditórios que ninguém sabia ao certo como reagir. O matador, quem diria, havia cumprido a sua sina sem nem saber.

E o motivo deste post é homenagear o “Seu João”. Afinal, de uma maneira ou de outra, ele representa cada um de nós que vai para a arquibancada gritar, cantar, sofrer e sorrir a cada jogo. O mesmo coração que bateu acelerado lá é o mesmo que bate acelerado aqui.

Por isso mesmo, vá em paz, meu amigo.

E vá com a certeza de que vencemos por 1 a 0.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Perdemos de novo, Palestrinos.
E mais uma vez foi de forma traumática.

Porque perder um clássico no último lance, minutos depois de ter tido a chance do jogo nas mãos e ainda tendo seu ex-atacante anotado o tento decisivo dói; mas perder de virada depois de 15 minutos de supremacia, fora de casa, com gol contra de goleiro e podendo ter tomado de 5 após a reviravolta, também dói. Aliás, que conste aqui uma verdade: PARA TORCEDORES DE VERDADE, TODA DERROTA DÓI.

Não importa qual o campeonato, qual a rodada, qual o horário e se era time misto ou completo. Perder é horrível sempre. Até mesmo quando se classifica com uma derrota, ela ainda é uma derrota. E o jogo de ontem doeu por dois motivos: 1) qualquer um sabe que uma vitória no Recife poderia nos trazer de volta a confiança e 2) porque palmeirense/palestrino/palmeirista é otimista sempre.

No ano do centenário, nós temos vivido um fenômeno terrível chamado “torcedor modinha”. Termo que ficou famoso graças aos são paulinos que só lotavam o Morumbi em fase final de Libertadores, mas eram incapazes de ir a um jogo comum do Paulista ou do Brasileiro, esse movimento ganhou força em nostra torcida em 2014. Acredito que, por ser este um ano especial, cada vez mais tenho observado a aparição de idiotas como esses – principalmente nas redes sociais.

Eles têm solução para tudo: palpitam no esquema tático, falam mal da diretoria, sugerem contratações impossíveis de serem feitas, criticam jogadores pelo que assistiram em duas ou três partidas… e ainda se sentem no direito de transformar tudo isso em um ato de autocomiseração. O problema é que, ao fazer isso, automaticamente envergonham a todos nós.

Sou capaz de apostar minha camisa Rhummel de 93 pré-fila que estes sanguessugas não estarão no Pacaembu no próximo sábado, às 21h. Se muito estarão em um bar com pay-per-view e, claro, com o celular na mão, prontos para solucionar essa maldita fase pela qual estamos passando. “Wendel não dá mais. Nobre, traz o Lahm! #VemLahm”, tuitarão, entre risadas, hashtags e margaritas.

Enquanto isso, não mais que 7 mil (sendo otimista) estarão nos gelados degraus do estádio municipal, perdendo a voz entre gritos de apoio e urros de raiva por mais um passe errado do mesmo lateral-direito. Mas também apoiando toda vez que o lateral correr em direção a linha de fundo adversária! Sim, nós vimos cada um dos 202 jogos do Wendel, mas ainda acreditamos que ele fará um gol ou um belo cruzamento. Não tentem entender, a gente é assim.

E se você não é, caro amigo, faça um favor pra nós: fique em casa. Vá ao bar ou para a balada, saia para jantar, mas, esteja onde estiver, esqueça do jogo. Cabe aqui um adendo: tem quem não vai ao campo porque não pode. Mora longe ou tem família, compromisso, casamento, enfim. Mas que assistem torcendo de verdade. Porque ou você assiste e passa boas energias para o time que vai a campo, ou é melhor não assistir. Mesmo.

De novo: p caso aqui não é ser xiita. É que se você é mesmo torcedor, desistir não é uma opção. NUNCA.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

carteira-de-couro

Eu não sei o pai de vocês, mas o meu é bem metódico. Faz tudo certinho, tem tudo programado, sabe exatamente o que fazer. Mas um dia, quem diria, foi ele quem causou uma confusão.

Era um jogo contra o Ituano pelo Campeonato Paulista (não me lembro o ano), num sábado a tarde, e fomos até o Parque conferir o duelo. Saímos com 2h de antecedência, como sempre, e às 15h já estávamos na arquibancada.

O jogo foi duro e o gol não saía. O Palmeiras tinha o timaço da Parmalat ainda, mas a coisa estava mesmo feia. Até que, já perto do fim, metemos o gol da vitória. Êxtase no Palestra! Pulos, abraços, festa.

Mas na festa, a carteira do meu pai – que ele teima em deixar sempre no bolso da camisa – caiu e ninguém viu. Resultado: descobrimos que eles estava sem nada já fora do estádio.

A alegria da vitória murchou na hora. Corremos de volta pro estádio, conversamos com a administração, contudo nada havia sido encontrado. Dinheiro, documentos, tudo perdido.

Na segunda-feira, no entanto, San Genaro apareceu.

Tocou o telefone no escritório do meu pai e um rapaz disse que estava em posse da carteira. Que achou nos degrais do Palestra e que achou também melhor levá-la consigo.

Santa alma palestrina!

Meu pai foi então até a casa do rapaz – que morava looooonge – e reconquistou a carteira. Ao oferecer uma “recompensa” pela mesma, no entanto, escutou uma frase simples assim:

– Não precisa não, doutor. A gente é tudo palmeirense, né?

Meu pai sorriu, o abraçou, insistiu e acabou por dar a tal recompensa de qualquer maneira. E como ele conseguiu isso? Simples:

– Por favor, aceite, meu amigo. Nem que seja pra comprar uma camisa nova do Verdão.

Negócio fechado.

ROJAS.

Read Full Post »