Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Barrios’

Boa vitória em Ribeirão Preto ontem a noite, Palestrinos! Não foi uma primazia de partida, mas, em se tratando da primeira partida oficial do ano, os 2 a 0 acabaram de bom tamanho.

Enquanto assistia ao jogo diante do fechado Botafogo, no entanto, pensei que ainda estamos jogando da mesma maneira que em 2015. Não que isso seja ruim, até porque tivemos bons momentos, mas continuamos reféns de um esquema que privilegia um centroavante clássico. Tendo em vista que este cara não é Alecsandro e que até pode ser Barrios, mas até agora não é, cheguei a conclusão que precisamos ser o time da velocidade.

E, na verdade, tem mais: como Marcelo Oliveira tem considerado centralizar Dudu e abrir Robinho pela ponta, não faz sentido nenhum trabalhar com o camisa 27 aberto. O Palmeiras deveria assumir que é o time da rapidez e apostar nisso. Falando em outras palavras, a minha proposta é troca o 4-2-3-1 pelo 4-3-1-2.

Já que a oferta de volantes está grande, poderíamos proteger a defesa com caras que marcam e saem jogando, fazendo com que a bola encontre sempre um atleta de velocidade na frente. Dudu centralizado, Jesus pela esquerda e Erik pela direita seriam perfeitos para isso! Além do mais, poderíamos ter Zé Roberto e Lucas com mais frequência no ataque, sem se preocupar tanto com a recomposição.

6

Eu sei que muita gente vai torcer o nariz, lembrar a final de Copa do Brasil feita por Robinho e até elevar o lançamento feito no jogo de ontem. E também reconheço que Barrios pode surpreender após uma boa pré-temporada. No entanto, pra mim, essa é hoje a melhor alternativa. Teríamos um meia no banco para cadenciar o jogo em caso de vitória, além de contar com um camisa 9 digno de receber chuveirinhos desesperados.

Enfim, é uma proposta.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

A temporada 2016 ainda não começa hoje, Palestrinos.

Muito embora a disputa do primeiro torneio do ano tenha início esta noite, a Copa Antel é amistosa e ainda não vai revelar pra valer o que deve ser o Palmeiras nesta temporada. Teremos alguns desfalques por limitação física (Barrios, Cleiton Xavier, Gabriel) e outros por tempo de casa (Jean). No entanto, dá pra começar a imaginar as opções de Marcelo Oliveira.

O tradicional 4-2-3-1
Formação predileta do nostro treinador, deve ser a base ao menos para o início do ano. O ponto forte segue sendo uma boa dupla de volantes e a velocidade pelos lados do campo; já o ponto fraco fica com a dependência que teremos de Robinho.
1

O cauteloso 4-3-1-2
Com a boa oferta de volantes, Marcelo pode optar por um esquema mais cauteloso. O ponto forte seria a proteção a frente da zaga e a liberdade para os laterais; já o problema segue sendo a dependência de um meia de ligação.
2

Ousadia e alegria no 4-3-3
Embora seja possível dizer que jogamos assim durante momentos da temporada 2015, o Palmeiras nunca teve 3 atacantes de fato. Neste caso estaria aberta mais uma vaga na frente; já no meio, a disputa seria ainda maior e poderia sobrar para Robinho ficar de fora.
3

Armação ilimitada no 4-1-4-1
Com as novas opções de meio, em alguns momento Marcelo pode escolher o toque de bola em detrimento a velocidade. Ponto forte para a cadência de jogo, mas ponto fraco por ter meio banco de reservas com atacantes.
4

Segurando a onda no 3-5-2
Embora seja a opção menos provável (já que não temos 3 zagueiros confiáveis), pode ser usada em casos extremos. O ponto positivo é a liberdade que damos aos laterais e às jogadas de fundo; já o ponto fraco fica por conta do meio, onde sobrarão muitos atletas.
5_1

São cinco desenhos diferentes com cinco alternativas para nostro treinador trabalhar a equipe. Como se pode ver, o tamanho do grupo faz com que sobrem opções em várias posições (Lucas Taylor, Victor Luís, Mouche) e eu sinceramente não sei como a comissão técnica vai trabalhar em relação a isso.

No entanto, é inegável que o grupo está mais forte que em 2015 – e vai ser impossível Marcelo reclamar da falta de atletas. O principal trabalho, agora, é conseguir formar um time que possa enfrentar campeonatos paralelos sem perder o entrosamento e ter um gargalo em qualidade. Dá pra acreditar.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Se Marcos virou Santo por ser importante em momentos decisivos, por quê Prass não poderia ser canonizado na noite de hoje?

Se Neném já substituiu Arce e deu conta do recado, por quê João Pedro não poderia brilhar em uma vaga que nem tem um dono tão certeiro?

Se o jovem Roque Júnior mostrou personalidade logo que chegou a Academia, por quê o recém-chegado Vitor Hugo não poderia bater no peito?

Se um reserva do naipe de Agnaldo Liz nos guiou para o primeiro caneco da Copa, por quê Jackson também não pode?

Se o frágil Juninho nos conduziu no pressionado Alto da Glória, por quê o rodado Zé Roberto não pode nos conduzir até a mesma glória?

Se, apesar dos apesares, Galeano já nos deu tantas alegrias, por quê o promissor Matheus Sales não poderia copiá-lo na raça e na sorte?

Se o indiferente Darci já matou o Santos no mesmo torneio, anos atrás, por quê haveria de ser diferente com Arouca?

Se Alex Cabeção voltou do sono profundo por tantas e tantas vezes, por quê cazzo Robinho não poderia se inspirar em seu exemplo?

Se Mazinho “Messi Black” deitou e rolou rumo ao lugar mais alto do pódio, por quê Dudu passaria incólume?

Se a camisa 33 nos deu o bicampeonato através de Betinho, por quê não poderia fazer o mesmo vestida pelo predestinado Gabriel Jesus?

Se o trombador Óseas foi capaz de decidir a final de 98 para nós, por quê o matador Lucas Barrios não seria capaz de fazer o mesmo?

Se o estádio municipal de Barueri já foi palco de uma de nostras mais surpreendentes campanhas, por quê o Allianz Parque não será o local de mais um caneco?

Enfim, se é com Fernando Prass; João Pedro, Vitor Hugo, Jackson e Zé Roberto; Matheus Sales, Arouca e Robinho; Dudu, Gabriel Jesus e Barrios que entraremos em campo esta noite, por quê não acreditar?

Por que não ganhar?
Por quê não calar a todos?
Por quê não ser tricampeão?

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Ganhar nos pênaltis é incrível?
É. Mas não precisava chegar até lá.

Jogar no contra ataque é uma boa estratégia?
É. Mas não precisa ficar acuado no campo de defesa.

Ter um mês para treinar até a final é bom?
É. Mas não dá pra treinar sem evoluir.

Enfim, Palestrinos, esses são só alguns dos diferentes olhares para uma mesma classificação sofrida às semifinais da Copa do Brasil. Classificação essa que se por um lado foi extremamente reconfortante e prazerosa, por outro foi desnecessariamente sofrida e desgastante.

Precisamos, de uma vez por todas, entender que com o sistema defensivo que temos NÃO DÁ pra ficar recuado por 10, 20, 30 ou 90 minutos. É simplesmente certo que vamos sofrer gols! E quando digo “sistema defensivo” não falo apenas de zagueiros e volantes, falo do todo. Se nostros atacantes são envolvidos pelo troque de bola da equipe adversária da mesma maneira que foram ontem, a bola vai morrer nas redes do Prass. Para se ter uma ideia, fomos vazados em 24 dos últimos 25 jogos que fizemos na temporada.

Logo, está na hora de rever o estilo de jogo. Nada contra entrar no 4-5-1 e ter jogadores abertos pelas pontas para armar contra ataques; o problema é simplesmente não ter saída de bola para contra atacar. Precisamos de alguém que arme e também alguém que receba a bola em boas condições. Basta comparar os gols do Santos no jogo de ontem e todas as nossas (nulas) chances de atacar o Fluminense durante a segunda etapa no Allianz Parque. Dudu e Gabriel Jesus, por exemplo, precisam ter saúde para receber essa bola e partir pra cima dos zagueiros, não voltar para marcar os laterais adversários na bandeirinha de escanteio.

Mas o problema está longe de ser só este. Nossos laterais têm tomado muitas bolas nas costas, ninguém usa Barrios para fazer o pivô, nosso ataque marca mal a saída de bola e por aí vai. Marcelo Oliveira tem até 25/11 para não apenas treinar, mas também para montar um time capaz de derrotar um adversário específico.

Este parece ser, enfim, a sina do Palmeiras em 2015. Alternar altos e baixos em poucos minutos, misturar lances incríveis e bizarros nas mesmas jogadas, nos dar e tirar esperança de vencer qualquer partida como quem substituí jogadores a beira do gramado. Acreditem ou não, é este time que pode ser campeão de um dos principais torneios do país.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Vitória fora de casa, Palestrinos! Após cinco derrotas longe do Allianz Parque, nostro Verdão bateu o Flu por 4 a 1 e engatou duas vitórias seguidas.

Mas engana-se quem pensa que o jogo foi fácil. Engana-se muito, aliás! Ontem, no Maracanã, o Palmeiras teve 60 minutos de pura inutilidade em campo. Neste meio tempo tomou um gol e a coisa só não ficou pior porque o time adversário ajudou com sua solidária cota de ruindade – incluindo aí um pênalti porcamente perdido por Fred.

Quando acordou, no entanto, assistimos a meia hora de futebol de verdade. Em uma assistência totalmente sem querer do menino Jesus, Lucas Barrios e empatou o jogo e, quase que como em um milagre, o time mudou da água para o vinho. A virada chegou em um gol do próprio camisa 33 (presenteado pelo jogador do Flu), o terceiro veio em outra falha bisonha da defesa adversária e o quarto, terceiro de Barrios, já saiu em ritmo de treino.

O problema dessa oscilação, a meu ver, é que o Palmeiras entrou em campo tentando ser o time que não é. Com dois volantes, dois meias e um centroavante pesado, a estratégia de aproveitar os contra ataques fica totalmente perdida. A verdade é que Marcelo Oliveira deve decidir: ou entra-se em campo para jogar no contra golpe e escala-se um time veloz com jogadores como Allione e Cristaldo, ou deve-se escalar este time de ontem para manter a posse de bola. Qualquer outra configuração que não seja essa deixa o time perdido.

Além do mais, já está na hora de colocar alguns atletas definitivamente no banco. Egídio, Robingo e Alecsandro, por exemplo, já tiveram inúmeras chances e ficaram muito abaixo da crítica. É o mesmo caso de Leandro Almeida e Amaral, que já não entram mais. O Palmeiras tem um elenco que privilegia a saída rápida para o jogo e precisa transformar isso em sua maior fortaleza.

Sábado, diante do Grêmio, teremos uma prova de fogo. Ou aprendemos que nostro jogo acontece através da velocidade ou a coisa pode voltar a ficar feia na volta ao Pacaembu. Engata a terceira, Verdão!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Argumentos para esquecer o passado, reforçar o presente e confiar no futuro. Tem jeito melhor de comemorar nostros 101 anos, Palestrinos?

Ontem, em pleno aniversário do Verdão, o que se viu nos primeiros 45 minutos do jogo de volta válido pelas quartas-de-final da Copa do Brasil foi digno do mais animado dos parabéns a você. Quem acompanhou sabe que foi impossível não se empolgar com cada lance do primeiro tempo disputado no Mineirão.

Um time sem medo de ser ofensivo, rápido, marcando sobre pressão, tocando a bola e sendo totalmente letal dentro da área. Muito graças ao meio campo técnico formado por Zé Roberto e Robinho, mas ainda mais pela linha de frente formada por Dudu e Gabriel Jesus (com ajuda ainda oscilante de Lucas Barrios). Enquanto os meias se desdobraram entre carrinhos e passes, os dois pontas acabaram com a defesa do Cruzeiro.

No entanto, é bom salientar que houve um segundo tempo – e que os 45 minutos finais foram terríveis. Com muitos erros de passe na frente, sofremos com o que nostro time tem de pior já faz alguns jogos: a marcação. Nem Amaral nem Girotto foram competentes na cabeça de área, e nostro miolo de zaga continua batendo a cabeça de maneira clamorosa (com destaque especial para a deficiência técnica e de atenção de Jackson).

Gabriel e Victor Ramos fazem mais falta do que imaginava nostra vã filosofia…

Mas como todo dia 26 de agosto se trata de festa, o dia de ontem foi dia de celebrar. Esquecer de vez o ano maldito que tivemos no centenário, comemorar a fase de bonança da temporada atual e sonhar alto com as temporadas que ainda estão por vir. Seja pelos títulos a serem conquistados ou pela bola a ser jogada pelo menino Jesus. Enfim, nostro ano novo começou com cara de Natal.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »