Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘botafogo’

Boa vitória em Ribeirão Preto ontem a noite, Palestrinos! Não foi uma primazia de partida, mas, em se tratando da primeira partida oficial do ano, os 2 a 0 acabaram de bom tamanho.

Enquanto assistia ao jogo diante do fechado Botafogo, no entanto, pensei que ainda estamos jogando da mesma maneira que em 2015. Não que isso seja ruim, até porque tivemos bons momentos, mas continuamos reféns de um esquema que privilegia um centroavante clássico. Tendo em vista que este cara não é Alecsandro e que até pode ser Barrios, mas até agora não é, cheguei a conclusão que precisamos ser o time da velocidade.

E, na verdade, tem mais: como Marcelo Oliveira tem considerado centralizar Dudu e abrir Robinho pela ponta, não faz sentido nenhum trabalhar com o camisa 27 aberto. O Palmeiras deveria assumir que é o time da rapidez e apostar nisso. Falando em outras palavras, a minha proposta é troca o 4-2-3-1 pelo 4-3-1-2.

Já que a oferta de volantes está grande, poderíamos proteger a defesa com caras que marcam e saem jogando, fazendo com que a bola encontre sempre um atleta de velocidade na frente. Dudu centralizado, Jesus pela esquerda e Erik pela direita seriam perfeitos para isso! Além do mais, poderíamos ter Zé Roberto e Lucas com mais frequência no ataque, sem se preocupar tanto com a recomposição.

6

Eu sei que muita gente vai torcer o nariz, lembrar a final de Copa do Brasil feita por Robinho e até elevar o lançamento feito no jogo de ontem. E também reconheço que Barrios pode surpreender após uma boa pré-temporada. No entanto, pra mim, essa é hoje a melhor alternativa. Teríamos um meia no banco para cadenciar o jogo em caso de vitória, além de contar com um camisa 9 digno de receber chuveirinhos desesperados.

Enfim, é uma proposta.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Vitória essencial no Maracanã, Palestrinos! Embora jogando diante de um adversário totalmente esfacelado, não vencíamos fora de casa faz muito tempo e ganhar duas seguidas deve dar uma verdadeira injeção de ânimo neste time.

Time que ontem, aliás, demonstrou uma lucidez quase que inédita nesta temporada 2014. Entrou em campo determinado a dominar o jogo, tocou bem a bola, correu poucos riscos e apostou em suas (poucas) virtudes: o Valdívia e a velocidade.

Foi exatamente em cima dessas duas características que criamos tudo o que produzimos dentro de campo. Sem a bola, o time todo corria e protegia a frágil defesa; com a bola nos pés, entregávamos ao chileno e apostávamos na velocidade.

Tanto que o nostro gol nasceu assim: contra ataque, bola no camisa 10, cruzamento para Henrique, giro e chute perfeccionista no canto. Poderiam, aliás, ter saído outros do mesmíssimo jeito, não fosse o preciosismo de Leandro e a falta de inteligência de Allione.

E embora tenhamos dominado a partida, é óbvio que sofremos em algumas ocasiões. Foi aí que brilhou a estrela daquele que tanto nos fez falta neste segundo semestre: Fernando Prass. O goleirão fez ao menos duas grandes defesas e ajudou com que saíssemos de campo com os três pontos – e a moral elevada.

Neste ponto, aliás, acho que tem de se dar créditos ao treinador. Dorival Jr. recuperou alguns jogadores que estavam em baixa e fez o grupo jogar junto de novo. A comemoração da maioria dos atletas após o apito final ontem deixou isso bastante claro. Bem como é clara a diferença entre um time medíocre e um time medíocre, mas motivado.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Chegou a hora da verdade, Palestrinos: os seis próximos jogos do Brasileirão vão definir nostro futuro no torneio.

Sem exagero, choro nem vela, as três semanas que vêm pela frente irão mesmo sentenciar o que esperar de 2015. Para comprovar o que acabo de escrever, eis a sequencia: Flamengo (C), Goiás (F), Vitória (C), Figueirense (F), Chapecoense (C) e Botafogo (F). Em outras palavras, seis jogos contra times que estão da metade para baixo da tabela.

E aqui entra a velha história do médico que vai dar uma notícia importante ao paciente. Tem a parte boa e a parte ruim.

Dado a sarrafada que tomamos no último sábado, comecemos pela parte boa: todos estes duelos são verdadeiras finais. Três pontos a mais que ganhamos são três pontos a menos para adversários diretos na luta contra o descenso. E aqui nessa luta o fator casa acaba sendo abrandado; os times costumam jogar em casa pressionados e por isso mesmo devemos colocar o peso da camisa na ponta da chuteira e ir pra cima deles.

Quanto a parte pessimista das previsões, temos que considerar o momento. Nostras últimas apresentações mais uma vez confirmaram as velhas falhas (setor defensivo frágil, meio sem criação e ataque perdendo chances) e o time está com dificuldades claras em se organizar. Basta lembrar que as duas partidas que vencemos – Coritiba e Criciúma – foram vencidas pelo placar mínimo.

Cenário posto, apenas reforço o pedido feito tantas vezes anteriormente: se você quer ajudar o Palmeiras a sair desta situação, vá ao Pacaembu. O elenco é medíocre, não veremos grandes apresentações, mas a única forma destes atletas serem bem sucedidos dentro de campo é com o nostro apoio.

Sem a torcida que canta vibra, o nostro alviverde jamais será inteiro.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Sim, Palestrinos, conseguimos perder para o Botafogo.

Toda aquela empolgação pós três vitórias seguidas no Brasileirão ruiu depois de perdemos duas seguidas para Chapecoense e Botafogo. Ambos, por sinal, são cadidatíssimos ao rebaixamento este ano. E isso é um belo panorama de como precisamos melhorar durante a parada para a Copa.

Ricardo Gareca e seus auxiliares hermanos provavelmente já perceberam que se não se cuidarem, la vaquita se va al brejo. Por isso resolvi criar um guia prático do nostro elenco para que eles entendam mais rapidamente o que estão vendo dentro do campo.

GOLEIROS
Prass é o titular, Fábio é o reserva imediato e, para não depender de um goleiro de 17 anos para a reserva, sugiro reincorporar Deola ao elenco. Bruno tem que ser emprestado e é bom observar como anda Raphael Alemão no interior.

LATERAIS
A esquerda está bem servida: tem 3 opções, sendo que William Matheus é mesmo o titular, enquanto Juninho e Victor Luís ficam atrás. Já na direita a situação é complicada: Wendel é volante de origem, mas quebra o galho na lateral e Bruno Oliveira é jovem e está lesionado há séculos; portanto é preciso contratar.

ZAGUEIROS
Sendo direto: Lúcio é titular absoluto, Marcelo Oliveira é volante (acreditem), Wellington teve uma boa fase, mas caiu demais, Tiago Alves não tem nível para o Palmeiras, enquanto Victorino e Thiago Martins estão lesionados desde sempre. É preciso contratar!

VOLANTES
Renato e Wesley vêm jogando com maior frequência. Marcelo Oliveira rende mais nessa posição do que na defesa e Eguren, embora esteja na seleção uruguaia, nunca demonstrou merecer a titularidade da equipe. Bruninho é uma incógnita e, pelo amor de San Genaro, se livrem do Josimar. Sério. Ainda hoje.

MEIAS
Valdivia é o único que, de fato, pode usar a 10. Mendieta nunca rendeu o esperado, Felipe Menezes é uma piada Bruno César pode ser ótima solução se entrar em forma, Marquinhos Gabriel é habilidoso (mas sempre jogou de ponta) e Bernardo parece boa opção para o segundo tempo.

ATACANTES
Leiam com atenção: exceto por Henrique, não temos atacantes. Mesmo. Leandro vem sendo um fracasso em 2014, Diogo melhorou demais (embora ainda se destaque mais pela vontade do que pelos gols), enquanto Mazinho e Patrick Vieira jogam na mesma faixa do campo e oscilam demais. Atenção: Miguel e Rodolfo não são opções.

Enfim, hermanos, as dicas são essa. Não sou dono da verdade, mas posso garantir que assisto a muito mais jogos do que 90% da nostra diretoria. Confiem no que está aqui e peçam que Paulo Nobre abra a carteira de leve nos próximos dias.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Chegou a derrota, Palestrinos.

Depois de 9 rodadas, perdemos a invencibilidade no campeonato e o no ano. Na verdade, sabíamos que isso aconteceria uma hora ou outra – e perder pro Botafogo, em Ribeirão, cheio de desfalques não chega a ser o apocalipse. O problema é ter descoberto da pior maneira que, hoje, não podemos contar com o banco de reservas.

Pode-se discutir o que Kleina quis fazer com a escalação (na minha opinião, bastante equivocada, com jogadores fora de suas posições), mas não dá pra discutir a disparidade de qualidade entre titulares e reservas. Tiago Alves é um zagueiro fraco demais, Willian Matheus foi ridículo, Eguren segue pesado e sem ritmo de jogo, Bruno César foi um fracasso, Miguel nada fez… e por aí vai. Mesmo quem vinha entrando bem no segundo tempo – Mendieta e Marquinhos Gabriel, por exemplo – foi mal.

Ainda falta um lateral direito e ainda precisamos ver se podemos de fato contar com o elenco que temos. O ataque nitidamente está sem reservas, já que Vinícius e Rodolfo nunca foram usados, e mesmo o jovem Miguel sentiu o peso. Quanto ao meio, sobram opções, mas precisamos conferir se elas realmente podem ajudar.

Volto a repetir: não é o fim dos tempos. Perdemos para um time bem organizado e, mesmo até o momento do segundo gol deles, o jogo estava relativamente equilibrado. Os testes têm que ser feitos, e é melhor que sejam feitos agora, antes da fase final e dos jogos eliminatórios. No entanto, hoje podemos contar só com os 11 que temos – e a temporada vai exigir mais.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Segunda rodada do mini Cariocão, Palestrinos.

E, até aqui, temos um desempenho dentro do esperado. Graças aos gênios que fazem tabelas na CBF, pegamos times do Rio em três jogos seguidos: vencemos o Botafogo fora, perdemos do Fluminense também na Chatuba de Mesquita e temos o Flamengo pela frente na próxima quarta.

Repito que, pensando antes das partidas, minha expectativa até era essa mesmo. Mas, dentro de campo, já poderíamos ter somado 6 pontos. Quinta passada, contra o  Botafogo, nostra superioridade foi tão grande que nem mesmo um erro absurdo do bandeira nos tirou a vitória; já neste domingo, no terrível gramado do Engenhão, a superioridade técnica dos fluzinhos não se provou dentro de campo e a derrota acabou sendo injusta. Pecamos pelas chances perdidas, pecamos pela falta de banco, pecamos pela falha de marcação quase no final do jogo.

Em um balanço geral da última semana, os destaques positivos ficam por conta de Bruno, Fernandinho e Barcos, que jogaram bem demais as últimas partidas. Pelo lado negativo, parece que Artur relaxou sem a sombra de Cicinho e a falta de opções no banco tem nos complicado – Patrik, João Vitor e Betinho não cumprem o mesmo que seus titulares.

Que conste, novamente, o impedimento ridículo que tivemos marcado diante do Botafogo e a punição ainda mais medonha aplicada a Felipão (embora já tenha virado rotina o STJD foder o bigode e, consequentemente, a gente). Espero que, nesta quarta, o sempre favorecido Flamengo jogue só dentro de campo conosco e, assim sendo, perca.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Hernán Barcos, Palestrinos, eis o nome do cara!

É notável a diferença que ele faz dentro de campo: tem um domínio, uma precisão e uma frieza fora do comum. E foi nas asas do Pirata – e nas boas defesas de Bruno – que o Verdão conquistou uma boa vitória ontem, diante do Botafogo, na lingínqua Arena Barueri.

Em bem da verdade, tivemos um primeiro tempo bastante complicado. Felipão mandou a campo um time no 4-3-3 (que, na verdade, foi um teste interessante para podermos sobreviver sem um meia de ofício) e acabamos perdendo o meio-campo para os cariocas – que complicou bastante as coisas. Mas, após o intervalo, quando Fernandinho e Obina entraram para deixar o time mais encorpado, a coisa andou bem.

Tivemos tabelas pela esquerda entre Juninho e Fernandinho, João Vitor começou a participar mais da partida e a nostra dupla de centroavantes funcionou em boa sintonia. Tanto é que Barcos fez o primeiro em bom passe de Artur e ainda mandou a segunda bola para as redes em um belíssimo gol já no final da partida, encobrindo o goleiro Jefferson – e com Obina abrindo espaço.

Já deu para perceber que esse esquema não funciona, mas, no 4-4-2 em que Fernandinho vira meia, as coisas podem ser bem melhores. Principalmente quando titulares, como Hernán Barcos, voltam e fazer total diferença.

_____________________________________________________

TROFÉU SÃO MARCOS
Bruno pegou três ótimas bolas, mas o craque da partida foi mesmo Hernán Barcos.

TROFÉU RIVALDO
Maikon Leite correu, tropeçou, errou, caiu… estava completamente perdido em campo.

_____________________________________________________

O GOL DO PRIMEIRO TEMPO
O vídeo abaixo, além das duas pinturas do Pirata, mostra também o momento mais emocionante do primeiro tempo: a bolada na orelha do bandeira. É uma daquelas coisas incríveis, que só podem acontecer dentro de um estádio de futebol. Repare na vibração da torcida e nas risadas do narrador… Foi impagável!

Parabéns ao torcedor bom de mira.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Older Posts »