Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘derby’

Screen Shot 2015-04-14 at 11.31.58 AM

Pode não parecer, mas o jogo do próximo domingo vale muito mais do que uma vaga na final do Paulistão, Palestrinos: vale decidir qual será a cara do Palmeiras em 2015.

De um lado, a escolha de atuar da mesma maneira com o qual o time já tem atuado; de outro, a oportunidade de adicionar qualidade em campo e deixar a equipe mais ofensiva. Em outras palavras, Oswaldo de Oliveira está preso no dilema de ser Marcos Aurélio Galeano – nosso eterno e esforçado volante – ou Eduardo Galeano – o eterno e romântico escritor uruguaio.

Se pesar o fato de jogar na casa de um adversário que não perde por lá há 30 partidas, parece lógica a escolha por manter o 4-2-3-1. Com Gabriel e Arouca na cabeça da área, no entanto, ou sobra gente na frente ou Valdivia segue no banco. Como acredito que Oswaldinho escalará o chileno seja como for, acredito que o time teria Rafael Marques de centroavante com Jorgito no meio.

Agora, caso o nostro treinador considere que a melhor defesa é o ataque, dá para inovar e jogar no 4-1-4-1. Neste caso, Oswaldo teria que sacar Gabriel dos onze iniciais, isolar Arouca como primeiro volante e contar com um meio-campo repleto de meias. Embora alguns digam que Robinho pode ser um segundo volante, a real é que todos – exceto Valdivia – teriam a obrigação de marcar.

Eu, pessoalmente, gostaria de ver a segunda formação em campo. Mas não neste jogo. Contra uma maiúca que reúne tanta gente boa e rápida como a do Curintia, acredito que a primeira ideia seja mais segura. Com Guerrero dengoso e Vágner Love sozinho na frente, teremos formações espelhadas em campo. Vai ser um dérbi de igual pra igual, decidido por detalhes – através da falha e do talento de alguém.

Afinal, como escreveu Eduardo Galeano: “Por sorte ainda aparece nos gramados algum descarado cara-de-pau que sai não se sabe de onde e comete o disparate de desmoralizar toda a equipe rival, e ao juiz, e ao público das arquibancadas, pelo puro prazer do corpo que se lança à aventura proibida da liberdade”. E eu espero que este cara-de-pau seja nostro – ainda que seja Jorge Valdivia.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Meter gol no Corinthians é e sempre será motivo de êxtase, Palestrinos.
No último sábado, no entanto, essa alegria durou bem menos que o usual.

O motivo não foi a anulação do gol, nem tampouco um hipotético empate de imediato. O que tirou o sorriso do rosto de todos aqueles que estavam na curva da arquibancada verde do Pacaembu foi algo muito maior: o mal súbito de um senhor.

Aconteceu tudo muito rápido e nem eu, que estava dois degraus para baixo, sei explicar o que houve. Notei um tumulto, pessoas gritando, um rapaz correndo para chamar os bombeiros e tudo o que se seguiu a isso foi horrível. No dia seguinte, lendo o jornal, descobri que ele havia falecido.

João era seu nome, estava acompanhado pelo genro e acabou sofrendo um ataque cardíaco minutos depois do gol de Henrique – que havia sido feito bem ali, na mostra frente. Os sentimentos foram tão fortes e contraditórios que ninguém sabia ao certo como reagir. O matador, quem diria, havia cumprido a sua sina sem nem saber.

E o motivo deste post é homenagear o “Seu João”. Afinal, de uma maneira ou de outra, ele representa cada um de nós que vai para a arquibancada gritar, cantar, sofrer e sorrir a cada jogo. O mesmo coração que bateu acelerado lá é o mesmo que bate acelerado aqui.

Por isso mesmo, vá em paz, meu amigo.

E vá com a certeza de que vencemos por 1 a 0.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Não vou reclamar, Palestrinos.

Afinal, ao olhar para a tabela do Campeonato Brasileiro há um mês, imaginei que sairíamos da sequencia Grêmio/Santos/Cruzeiro/Corinthians muito mais avariados do que de fato saímos. Mas não deixa de ficar um gostinho amargo na garganta.

Diante do Grêmio, fomos na gigantes em raça e coração para virar um jogo que nos era tirado por um pênalti inventado. Diante do Santos, jogamos melhor até sermos atropelados pela molecada de São Vicente. E, por fim, contra Cruzeiro e Corinthians tivemos o mesmo final trágico do empate.

Em 12 pontos dos mais difíceis, conseguimos 5. Não é muito, mas também está longe de ser pouco. O problema é que, de repente, deixamos de ser o time que nunca vencia e passamos a ser o time que quase vence. E isso, sim, me assusta.

Porque de empate em empate, não vamos a lugar nenhum. Nunca foi segredo para ninguém que, com raras exceções, o empate é um resultado terrível em um campeonato de pontos corridos. E nós temos que vencer!

Ganhar do Bahia no próximo domingo, mesmo fora de casa, agora virou obrigação. Bem como reestrear bem no nostro Palestra diante do Atlético/MG. Com esses 6 pontos, praticamente escorraçamos as chances de desgraça e, de quebra, voltamos a ser o time do sempre.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

O derby está no ar, Palestrinos.

40 anos após o gol de Ronaldo que os deixou ainda mais tempo naquela bendita fila e 20 anos depois daquele incontestável bicampeonato que enterrou ainda mais a nostra maldita espera. São tantas as coincidências e fatos que, talvez movido pela força de vontade demonstradas nas duas últimas partidas, estou confiante.

E não escrevo isso “só” por ser Palmeiras e Corinthians. Escrevo porque é mesmo um jogo histórico, o primeiro na Arena BNDES! História aliás que, se confirmada, joga mais uma vez ao nostro favor: o Palmeiras nunca perdeu para a gentalha quando fizeram o primeiro jogo de algum estádio.

  • Em 1917, no primeiro confronto entre os dois e também do Palestra Itália, metemos 3 a 0, acabando com uma invencibilidade deles que já durava 25 jogos.
  • Já no primeiro duelo disputado no Pacaembu, em 1940, não só vencemos por 2 a 1 como conquistamos a Taça Cidade de São Paulo.
  • E em 1967, no primeiro derby do Morumbi, vencemos por um módico e sonoro 1 a 0.

Ou seja, nada de novo. E eu não espero nada menos que motivação de sobra para o time que vai a campo. Gareca poupou os titulares de desgaste físico, o grupo conhece muito bem o adversário e a nostra caminhada neste campeonato pode dar uma guinada notável em caso de vitória.

É domingo, é na casa deles e será inesquecível.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

O dia está chegando, Palestrinos.

Faltam dois dias para o maior clássico do mundo. Sem exageros nem falsa modéstia. Eu aprendi assim, cresci cultivando isso e, para mim, Palmeiras x Corinthians é o maior jogo do planeta. Pouco importa se é Paulista, Rio-São Paulo, Brasileiro, Copa do Brasil, Libertadores (!!!) ou Ramon de Carranza.

Dia 25 é dia de dormir mal, acordar cedo, ler o jornal, escutar o rádio, assistir a TV, ler o blog e só falar do Dérbi. E quem não sabe o que é isso, meus amigos, não sabe o que é um Parmera e Curintia!

Confio demais em Deola, Cicinho, Henrique, Amaro, Juninho, Araújo, Assunção, João Vitor, Valdívia, Maikon e Barcos. Confio na recuperação do Daniel, nas boas participações do Artur, na estrela daqueles que vêm do banco. E, acima de tudo, confio em Felipão.

Schoppia che la vitoria e nostra!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Virada pra cima dos fregueses, Palestrinos!

Finalmente vencemos uma partida onde jogamos melhor e criamos mais. Pode até parecer estranho, mas, após pressionar Vasco, Bahia e São Paulo sem vencer nenhum deles, a redenção veio pra cima da gambazada. Até parecia que o pesadelo do mal aproveitamento nos assombraria novamente, mas a virada veio em grande estilo e o Verdão voltou a vencer. Parodiando Anderson Silva e o Capitão Nascimento: “Fregueses, sempre serão!”.

O JOGO
Com mais de 35 mil pessoas no Prudentão e um calor senegalense, o Palmeiras começou o jogo pior que o visitante. Emerson estava inspirado, ia pra cima de Gabriel Silva e o Verdão era acuado pela sua própria apatia. Mesmo assim, quando ainda a partida ainda estava no zero, Kléber teve grande chance de marcar de cabeça e perdeu. Quem não perdeu foi o tal de Emerson, que foi cruzar e deu sorte.

Mas, por mais bizarro que pareça, tomar o gol foi a melhor coisa para o Palmeiras no jogo. Felipão sacou Patrick, colocou Fernandão e o Verdão começou a pressionar em busca do empate. Tanto fez que, aos 34 minutos, após escanteio mal rebatido por Julio Cesar, Luan pegou a sobra e colocou com raiva pro fundo do gol.

O empate animou de vez o time que, mesmo com a parada pro intervalo, continuou bem superior. A vontade de Luan e o empenho de Chico, Kléber e Márcio Araújo apagavam até a má atuação do apagado Valdívia. Então, logo aos 7 minutos, Assunção meteu uma bola linda para Fernandão e o estreante não perdoou: Palestra 2 a 1.

Na frente do placar, o Palmeiras se fechou, deixou só o grandalhão Fernando na frente e conteve o jogo sem grandes sustos. Thiago Heleno e Henrique foram extremamente seguros, Marcos estava ligado e, aos final dos 90 minutos, o Verdão saiu de campo vitorioso. Tão merecido quanto necessário!

TROFÉU SÃO MARCOS
Mais uma vez, e pra alegria de Felipão, Luan fez um jogo digno de nota.

TROFÉU RIVALDO
Seria até maldade taxar Patrick como o pior em campo quando Valdívia, muito mais experiente e bem pago, ficou andando em campo. Acorda, Mago!

FESTA BONITA NO INTERIOR
Já dei a minha opinião e repito: realizar o maior clássico do Brasil a 600km de São Paulo é um crime inafiançável. No entanto, a torcida de Presidente Prudente e de toda a grande Mato Grosso do Sul mostrou que faz belas festas quando o Palmeiras joga. A diretoria deveria mandar mais jogos lá, contanto que sejam contra Grêmio, Atlético/GO, Avaí e afins.

Entendam, não é preconceito: é justiça com quem paga para ver o Verdão pegar o Mirassol e o Asa, mas não pode ver ao vivo – nem na TV, já que só viu quem tem PFC – o dérbi.

JUIZ FRACO, IMPRENSA HORRÍVEL
O irmão de “PC Farias” começou o jogo bem, mas se perdeu no segundo tempo. Enquanto os gambás queriam brigar a cada cinco minutos, quem tomava amarelo eram Luan, Chico e os demais Palestrinos em campo. A verdade é que, quando a coisa apertou, ele afinou nas expulsões e fez média.

Já a imprensa paulista continua incrível: fala mais do inexistente “título do 1º turno” do que da nostra vitória. Sensacional, estão de parabéns.

E AGORA?
Agora já tem final de campeonato na quarta-feira, diante do Botafogo, no Rio de Janeiro. É confronto direto e o Palmeiras não pode, de forma alguma, ser dominado só porque a partida é fora de casa. Vamos pra cima deles, e vamos vencer!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

A nostra diretoria não aprende, Palestrinos…

E após mandar acertadamente dois clássicos diante da gambazada em São Paulo, retrocedeu na atitute e na inteligência, anunciando que o embate do próximo dia 28/08 será em Presidente Prudente. Sim, amicos, mais uma vez teremos que acompanhar o maior clássico do mundo pela TV.

Tirone anunciou que jogando lá no Mato Grosso do Sul não teremos gasto nenhum, que a prefeitura local irá arcar com todos os custos exceto o transporte e que o estádio certamente estará lotado – conferindo maior bilheteria. Mas, vem cá, presidente: de que vale isso dentro de campo???

Para nós, os torcedores, vale ganhar. E ganhar do Curintia vale dez vezes mais! O derby é o jogo mais esperado, o mais pegado, o que tira o sono… nos privar de assistir a este duelo nas arquibancadas é um crime sem tamanho!!!

A escolha do Pacaembu pode até ser questionada, afinal o próprio Felipão já disse milhares de vezes que prefere jogar clássicos no Morumbi, onde o campo é maior e melhor, e até porque o estádio estadual é mais afeito ao timinho da Marginal sem número. Mas a questão de jogar na capital ou não nunca deveria ser colocada em cheque…

Quanto a bilheteria, inclusive, o Pacaembu esteve lotado nos últimos confrontos. E mais: caso mandasse o jogo no Morumbi, tenho certeza de que teríamos um público maior do que no interior! Se é preciso pagar aluguel pelo campo, paciência, isso é do futebol, sempre foi assim, senta e conversa com a bicharada.

O que não dá é pra mandar um jogo desses no interior.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »