Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘elenco’

07jan2015---palmeiras-apresenta-seu-novo-diretor-de-futebol-alexandre-mattos-1420645521301_1920x1080

Que Alexandre Mattos negocia e contrata com eficiência todos nós sabemos, Palestrinos. Em menos de duas temporadas ele já trouxe quase 40 novos nomes para a equipe e ajudou na reconstrução do time que quase caiu em 2014.

A grande questão é que assinar contratos é apenas um dos trabalhos de um diretor de futebol. Agora chegou a hora dele exercer algo que também ter que ser exigido por quem assina seu contracheque: cobrar os atletas.

Afinal de contas, se é verdade que Marcelo Oliveira segue sem dar padrão de jogo ao time, é igualmente vero que grande parte do elenco parece omissa e descompromissada. Logo eles, que dizem ter um ótimo ambiente e elogiam a diretoria por pagar em dia, têm parecido cada dia mais preguiçosos.

De forma alguma estou eximindo nostro treinador de culpa; acredito que ele ainda não achou a formação ideal e o prazo dele para fazer isso está cada dia mais curto. Mas, mesmo sem um padrão tático, não dá para esperar nem que nostro time C tenha dificuldades para enfrentar Linense, São Bento e coisas que os valham. Os jogadores precisam ser cobrados – e alguns deles em especial.

Robinho, sempre lento, é claramente um deles. Lucas, Egídio e Arouca também. Mesmo quem estava atuando bem (casos de Vitor Hugo e Matheus Sales, por exemplo) caíram demais em 2016. Não é só falta de vontade e de raça, em alguns casos falta confiança ou concentração. Tem vezes que um título, ao invés de motivas, traz a soberba. Dá para ver no rosto de jogadores como Fernando Prass e Dudu o desânimo com alguns de seus colegas.

É por isso que Alexandre Mattos tem que entrar em ação. Os atletas têm boa relação com ele e uma conversa em particular pode despertar algo que anda adormecido: o brio. Todos jogador de futebol é vaidoso e é preciso mostrar a eles que, se a Sociedade Esportiva Palmeiras não brilha, eles também ficam opacos perante a mídia. Em outras palavras, Mattos precisa cobrá-los sem que eles espanem.

Como ele fará isso eu não sei – mesmo porque não sou quem é pago para isso. Só espero que ele o faça rápido.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Desde que chegou à Academia, Alexandre Mattos foi recrutado apenas para falar de coisas boas, Palestrinos. Foram pencas de entrevistas sobre contratações, sócio torcedor, os louros colhidos no Cruzeiro, filosofia de trabalho e etc. Agora, no entanto, chegou a hora da verdade.

Com os resultados pífios que o Palmeiras vem colhendo desde a final do Paulistão, o diretor de futebol precisa assumir a frente da situação. Estamos naquele momento delicado em que a cobrança em cima dos jogadores exige mais do que a voz do treinador (que pode perder o elenco se houver exageros), mas ainda menos do que um papo com o presidente (que deve administrar o todo). É neste exato momento que deve brilhar Alexandre Mattos.

Reconhecido como bom interlocutor junto aos atletas, Mattos está encontrando o seu primeiro momento de turbulência no Verdão. Por um lado, precisa justificar a permanência de Oswaldo de Oliveira junto a parte dos conselheiros e da torcida; por outro, no entanto, não pode passar por condescendente perante o grupo. E é justamente por estar acima de OO e de todo o elenco, que ele precisa bater no peito.

Na minha humilde opinião, chegou a hora dele mostrar sua independência e falar sobre resultados. Futebol é totalmente sobre isso e tanto treinador quanto jogadores precisam estar a par das aspirações do Palmeiras. Se acharem que estão desempenhando um bom papel, que falem com Mattos e decidam seu futuro. O nostro deve ser sempre vitória e, se possível, títulos.

Siamo Palestra!

ROJAS. 

Read Full Post »

Se você assistiu aos últimos jogos do Palmeiras vai concordar com o título deste post, Palestrino. Depois do jogo final diante do Santos, do primeiro tempo conta o Sampaio Correia e dos 90 minutos versus o Joinville, dá pra dizer tranquilamente que este time merece este título.

O toque de bola irritante e sem objetividade – principalmente no campo de defesa – é uma afronta à prática do futebol. Nenhum time do mundo que pretenda, de fato, vencer uma partida, pode estar confortável com esta estratégia de jogo.  Estamos terminando as partidas com impressionantes 70% de posse de bola, mas ridículos com três chutes a gol! É o tiki-taka versão Oswaldo de Oliveira.

E ontem, amigos, tivemos a obra prima desta “estratégia”. Lucas tocava para Victor Ramos, que acionava Victor Hugo, que acionava Egídio, que achava Gabriel que… devolvia para Lucas. Isso repetidamente, trezentas vezes, até que um deles errasse o passe – ou, pior, até que o nostro camisa 3 desse uma lançamento totalmente sem propósito para o campo de ataque. Parece que Lúcio foi embora, mas deixou de presente para o zagueiro do beijo no pescoço a mania de dar balões pra frente.

Isso que, teoricamente, opções não faltavam. Acredito que na cabeça do treinador, Robinho (mais uma vez mal escalado de segundo volante), Zé Roberto, Dudu e Rafael Marques deveriam se mexer para criar alternativas. O que vimos, no entanto, foi a repetição de todos os jogos: pontas isolados, meio parado e o menino Gabriel que ia e voltava incessantemente para tentar abrir espaços.

É pouco – ou melhor, nada – para um trabalho que atingiu a marca dos 5 meses. Se o problema do ano passado era a falta de opções, o modelo 2015 tem de sobra. Não que sejam todos craques – longe disso, aliás! -, mas dá pra montar uma equipe que, ao menos, tente agredir os adversários. Já passou da hora de Oswaldo enxergar que o sonhado 4-2-3-1 dele não está funcionando.

A culpa do técnico, aliás, vai bem além disso. Passou meses insistindo com Zé Roberto na lateral para perceber que ele rende melhor no meio; forçou Cristaldo de titular até perceber que Leandro Pereira é o titular; insiste com Rafael Marques e Dudu abertos mesmo vendo que a efetividade é zero; mantém no banco Kelvin em melhor momento que os demais; e assim por diante.

Eu já disse e repito que o nostro ano tem tudo para ser 2016. Mas, para isso acontecer de verdade, precisamos encaminhar bem o trabalho. O que me parece é que, desde a final do Paulistão, regredimos. O time está burro, acéfalo, fácil de ser marcado… tanto que, pela milésima vez, ficamos esperando por algo de Mago Valdisney. Se não conseguimos incomodar Joinville e Sampaio, vamos botar medo em quem?

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Engana-se quem pensa que sábado ganhamos apenas do Audax, Palestrinos. Afinal, em um único dia saímos de campo seguros de termos ganho três pontos, um elenco de qualidade e um capitão atuante.

Dentro de campo, os primeiros 45 minutos foram surpreendentemente bons. A saída de bola que era torta em 2014, parece muito mais leve este ano. Tanto que em três lances seguidos, as jogadas que começaram nos pés de Victor Hugo (bela estreia), passaram por Gabriel ou Renato, chegaram em Allione e foram parar dentro da área do adversário. Duas foram pro fundo da rede graças a boas finalizações de Leandro Pereira e Robinho; já a outra Maikon Leite conseguiu colocar em órbita.

Mas, no geral, a primeira etapa serviu para mostrar um time que sabe tocar a bola e utilizar a velocidade que tem. O que, aliás, deve melhorar e muito com a entrada de Arouca, Dudu, Alan Patrick e – quem sabe – Valdivia. Grupo que nos dá a plena certeza de ter algo que não temos há muitos anos: um banco de qualidade. Com jogadores como Nathan, João Pedro, Renato e Robinho brigando para entrar na equipe, Oswaldo vai poder descansar atletas em alguns jogos menos importantes, além da óbvia briga por posição não deixar ninguém se acomodar.

Por último, o assunto que parece ter tomado da mídia desde o dia de ontem: o discurso de Zé Roberto. Noves fora o vocabulário e levada de pastor evangélico, é impossível não ter se empolgado com as palavras do nostro novo capitão. Afirmar que o Palmeiras é grande e que essa retomada passa pela entrega deste elenco foi um ponto mais do que positivo do camisa 11.

Se ele vai aguentar a correria da lateral aos 40 anos, eu não sei. Mas que faz bem ter toda essa experiência a nostro favor, isso faz.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

1995. Era uma manhã de sábado e o relógio mal havia passado das 8h da manhã . De repente, meu pai entrou no quarto com o caderno de esportes do Estadão nas mãos e começou a gritar: “Puta que o pariu, acorda: contratamos o Van Basten!!!”.

Instantanea e instintivamente, eu e meu irmão levantamos da cama festejando. Dane-se que era cedo, dane-se que não tinha escola, dane-se que o susto: Van Basten era exatamente o que precisávamos praquele time! A comemoração continuou ao longo do dia, da mesa de café até o jantar. E foi na hora da pizza que meu pai, rindo muito, nos relembrou de algo importante: era 1º de abril.

Reparem que o mais impressionante da história, para nós, era o fato de ser “Dia da Mentira”. Nós não duvidamos em nenhum momento que aquilo era verdade. Não pegamos o jornal pra ler, não ligamos a TV pra confirmar e nem internet tínhamos. O fato é que, em épocas de Parmalat, nada era impossível.

Pois vinte anos se passaram até que pudéssemos sentir isso novamente. Claro que não trouxemos nenhum grande craque e que a receita é infinitamente menor. Mas, pela primeira vez nas últimas duas décadas, nós estamos montando um time em que dá pra acreditar de verdade. Sem ter que forçar a amizade, apelar para o amor eterno nem ficar buscando fé onde não há.

Olhar para dentro de campo e se deparar com Fernando Prass, Zé Roberto, Arouca, Valdivia e Dudu do nostro lado é algo que (não) tem preço. Na verdade, vale cada centavo. Vale por cada golaço imaginado antes de dormir, cada triangulação que começamos a construir mentalmente, cada taça que estamos levantando com a força do pensamento.

Enfim, pode até ser que este time não vá a lugar nenhum. Mas 2015, certamente, é o ano em que o Palmeiras está querendo ser o Palmeiras de novo.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

O papo está tão repetitivo que ficou chato, Palestrinos. Afinal, desde que o planejamento para 2015 começou e nós voltamos com força total ao mercado da bola, só se fala em uma coisa: chapéus.

O assunto começou ainda no ano passado, com a saída de Kardec para o SPFC (que de chapéu não teve nada, já que foi nostra diretoria quem o perdeu por conta própria) e seguiu-se nos casos de Dudu e Thiago Mendes (também envolvendo o time do Morumbi), além de Jackson (SFC), Leandro Pereira (SCCP) e agora, pasmem, até com patrocinador de camisa.

Pela paciência de San Gennaro, que coisa mais chata! Vá lá que o futebol vive de rivalidade, mas isso já atingiu um patamar insustentável. É totalmente normal que o foco fica voltado aos bastidores, enquanto os campeonatos não voltam, mas chegamos ao ponto de ter ficado ridículo.

Primeiro porque não contratamos nenhum craque de bola a ponto de poder jogar nada na cara de ninguém. Para se ter uma noção, no caso mais célebre de todos até aqui, trouxemos Dudu – um jogador com grande potencial e por enquanto é só isso mesmo. Entendo a zoação nos rivais, mas é algo pequeno demais pra um time do tamanho do Palmeiras. Segue o jogo, cazzo.

Segundo porque o que vale mesmo é o que vai acontecer dentro de campo. Lembra quando contratamos o Paulo Baier antes do SPFC? Não deu em nada. O que importa pra valer – dentro e fora de campo – são os resultados. Se Dudu decidir jogos importantes (e a torcida é para que isso aconteça, seja pelos pés dele ou de qualquer outro dos reforços), ótimo; mas até isso acontecer, guardemos a animação pra soltar na hora certa.

O elenco de 2015 promete dar grandes alegrias a toda a nostra massa.
Mas chapéu bom de verdade é este aí debaixo.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Ao elenco de 2014 da Sociedade Esportiva Palmeiras:

Aqui quem fala é um torcedor que acompanhou o ano de vocês de perto. Foram ao menos 25 jogos in loco entre Paulistão, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro – além de acompanhar todos os outros via TV, rádio ou internet. Portanto, não é novidade para nenhum de vocês que estou totalmente decepcionado.

E serei sincero em dizer que não esperava nada de muito especial vindo deste grupo. Tenho quase 30 anos, frequento estádios desde os 5 e já vi montagens de grupo o suficiente para saber que não iríamos muito longe este ano (tanto que fiquei impressionado com a campanha medíocre do Campeonato Paulista). Nosso time é limitado, tem muitas deficiências e esse panorama me fez mirar baixo desde janeiro – o que, acreditem, é algo bastante dolorido de se fazer no ano do centenário do seu time do coração.

Mas fiquem tranquilos que eu não sou o tipo de cego que acha que a culpa é só de vocês. A culpa maior, sem dúvida nenhuma é da diretoria. Afinal, é Paulo Nobre e sua trupe quem contrata vocês, o treinador e ainda decide tantas outras coisas vitais para a equipe (mando de campo, preço de ingressos, política financeira, etc.). O ponto é que, ainda assim, o rendimento de vocês é pífio.

Brigar contra o rebaixamento até a última rodada de um torneio onde existem outros 19 clubes, sendo a maioria deles menores e mais limitados técnica e financeiramente, é inadmissível. Não sei se vocês já pararam para pensar, mas… vocês estão no Palmeiras! Pelo amor de San Gennaro. O campeão do século XX, um time com 100 anos de história, mais de 15 milhões de torcedores, com o estádio mais moderno do mundo, na mesma Academia onde passarão Ademir, Marcos, Evair, Dudu, Luís Pereira. Entendem onde estão?

A verdade é que 80% de vocês não deveriam nunca nem ter sentado no banco do Palmeiras. Exceto por uns três de vocês, mais a molecada da base, todos deveriam limpar os armários do CT na segunda que vem e decidir ir embora para sempre por conta própria. Por caráter, humildade, auto crítica – chamem como quiser.

Mas a principal mensagem deste post é uma só: vençam no domingo.
E, por favor, entendam que isso não é um pedido, mas sim a obrigação de vocês.

O estádio estará lotado, mas não estará assim por confiança em vocês. Nós vamos cantar o hino, mas não ele não representa vocês. Nós vamos vencer o jogo e permanecer na Série A, mas não será graças ao esforço de vocês. Tudo isso acontecerá única e exclusivamente pelo amor que toda a massa Alviverde tem pelo Palmeiras.

Portanto, quando entrarem em campo daqui a uma semana, deixem tudo o que podem lá dentro. Vençam, peçam desculpas à torcida e desapareçam. Embora eu saiba que o futuro não nos reserva um grande ano, espero que a temporada 2015 conte com um grupo muito mais comprometido e capacitado do que vocês conseguiram formar.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Older Posts »