Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘esquema’

Quem assistiu todos os jogos do Palmeiras na temporada sabe que as coisas não vão às mil maravilhas, Palestrinos. E, ao meu modo de ver, o sistema de jogo tem muito a ver com este desempenho.

Desde que chegou a Academia, Oswaldo optou pelo 4-2-3-1. O sistema é utilizado por várias equipe brasileiras e estrangeiras, não tem muito de inovador, mas com os jogadores certos pode funcionar bem. Nostra equipe mesmo já fez alguns bons jogos atuando assim este ano. O ponto é que temos falhas a resolver – e este esquema não tem ajudado.

A primeira delas é a claríssima fraqueza de nostra defesa, que implica em ter proteção extra. Isso implica em laterais que subam pouco ou em volantes que estejam dispostos a se matar. O que, de cara, já mata dois conceitos primário de Oswaldinho: Zé Roberto na lateral e Robinho (ou CX) de segundo volante. Sem uma dupla de zaga confiável, fica impossível jogar assim.

A segunda é a nostra principal fonte de preocupação dos últimos anos: a criação de jogadas. Embora tenhamos mais opções do que nunca (Robinho, Cleiton e até ele, Valdivia), a distribuição de jogo ainda é um problema para nós. Muito pelo problema dos volantes e muito pelo próximo ponto – o constante isolamento dos pontas.

Seja Dudu, Rafael Marques, Kelvin ou Maikon Leite a receber a bola, o Palmeiras se especializou em isolar seus pontas em 2015. A bola até chega neles, mas a jogada morre. Ou eles tentam ir pra cima ou – o que é mais comum – eles fazem um cruzamento só para se livrar da bola. É preciso que os laterais e o pivô se aproximem e facilitem as tabelas.

Por fim, é preciso rever este esquema com um atacante único. Que até funciona bem com a altura e força de Leandro Pereira, mas com nostros outros dois avantes (Cristaldo e Gabriel Jesus), muito menores e mais fracos, não. Ou centralizamos Rafael Marques ou jogamos com dois na frente.

A verdade é que, por mais que seja apenas maio, soluções não faltam. Ao contrário do ano passado, este ano temos muitas outras opções. É claro que as lesões constantes têm atrapalhado (principalmente a de Arouca), mas é possível driblá-las usando inteligência e – o mais importante neste post – as variações táticas.

Dá pra montar este Palmeiras no clássica 4-2-2-2 (com dois volantes, dois meias e dois atacantes de ofício), dá pra fazer o 4-1-2-1-2 (hexágono clássico, com apenas um meia armador e três homens que se movimentem), até mesmo um 3-5-2 (aqui sim usando Zé Roberto na ala esquerda) ou um 4-3-3 (Jesus, Dudu e Leandro Pereira na frente). Meu pensamento é simples: se os técnicos da Ponte e da Chapecoense conseguem montar times competitivos, por que o do Palmeiras não conseguiria?

Abre os olhos, Oswaldo.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

1º de Maio é Dia do Trabalho, Palestrinos. Mas para o nostro elenco, o feriado vai passar longe: esta sexta-feira será um dia pra lá de importante.

Afinal, a decisão do Paulistão está aí. A semana voou, a recuperação física aconteceu, vimos nostros reservas empatarem miseravelmente  pela Copa do Brasil e, com o elenco completo novamente, chegou a hora da verdade.

Meus palpites é que Arouca não joga e que Valdivia volta ao time titular. OsWaldo vai manter apenas Gabriel na contenção, vai colocar Robinho de segundo volante e construir aquele time maroto que vimos tocar bem a bola na primeira partida da final. Leandro Pereira será mantido e Rafael Marques continuará aberto pela direita, formando um 4-1-4-1 promissor.

O time perde a tal da “pegada”, mas se defende da melhor forma do mundo: atacando. Com o meio repleto de jogadores de qualidade, o objetivo é manter a posse de bola a nostro favor e, com a vantagem do empate, explorar o desespero do Santos. Se vai dar certo dentro de campo é outra coisa, mas a estratégia desenhada por Oswaldo me agrade bastante.

É claro que, para isto acontecer, precisamos de um time ligado 90 minutos. Laterais que entendam a função defensiva, um Dudu que infernize os adversários indo pra cima, um Valdivia que encontre os atacantes na diagonal, uma bola parada que saia caprichada dos pés de Cleiton Xavier – e assim por diante.

Seja como for, o dia de amanhã será decisivo para o que vai acontecer domingo. É dia, portanto, de trabalhar por algo muito maior que um treino; é dia de trabalhar por um título. E eu acredito!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

taticas

Quando o Verdão entrou em campo no último sábado, no nosso salão de festas pernambucano, surpreendeu a formação com 3 zagueiros – esquecida desde a época de Luxemburgo.

Contra o Flu, no meio de semana, a equipe havia repetido a escalação do baile sobre a gambazada, jogando num 4-5-1, onde Obina fica solto na frente e recebe a companhia de Cleiton Xavier e Diego Souza.

Já 4 partidas atrás, ainda com Jorginho, o time jogava num 4-4-2 clássico, onde Ortigoza ou Willians faziam a dupla de ataque, com apenas Edmílson e Pierre na marcação.

Segundo Muricy, a mudança foi feita porque nostros laterais atacam muito e deixam os zagueiros no mano a mano. E é capaz que contra o Grêmio, na quinta, no Palestra, o time volte aos 3 volantes – trocando novamente 3 zagueiros.

Mas e você, o que você prefere, palestrino? Mais proteção, mais ofensividade, menos riscos?

Eu gosto do 4-4-2, com Ortigol e Obinão no ataque.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »