Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘João Pedro’

Se Marcos virou Santo por ser importante em momentos decisivos, por quê Prass não poderia ser canonizado na noite de hoje?

Se Neném já substituiu Arce e deu conta do recado, por quê João Pedro não poderia brilhar em uma vaga que nem tem um dono tão certeiro?

Se o jovem Roque Júnior mostrou personalidade logo que chegou a Academia, por quê o recém-chegado Vitor Hugo não poderia bater no peito?

Se um reserva do naipe de Agnaldo Liz nos guiou para o primeiro caneco da Copa, por quê Jackson também não pode?

Se o frágil Juninho nos conduziu no pressionado Alto da Glória, por quê o rodado Zé Roberto não pode nos conduzir até a mesma glória?

Se, apesar dos apesares, Galeano já nos deu tantas alegrias, por quê o promissor Matheus Sales não poderia copiá-lo na raça e na sorte?

Se o indiferente Darci já matou o Santos no mesmo torneio, anos atrás, por quê haveria de ser diferente com Arouca?

Se Alex Cabeção voltou do sono profundo por tantas e tantas vezes, por quê cazzo Robinho não poderia se inspirar em seu exemplo?

Se Mazinho “Messi Black” deitou e rolou rumo ao lugar mais alto do pódio, por quê Dudu passaria incólume?

Se a camisa 33 nos deu o bicampeonato através de Betinho, por quê não poderia fazer o mesmo vestida pelo predestinado Gabriel Jesus?

Se o trombador Óseas foi capaz de decidir a final de 98 para nós, por quê o matador Lucas Barrios não seria capaz de fazer o mesmo?

Se o estádio municipal de Barueri já foi palco de uma de nostras mais surpreendentes campanhas, por quê o Allianz Parque não será o local de mais um caneco?

Enfim, se é com Fernando Prass; João Pedro, Vitor Hugo, Jackson e Zé Roberto; Matheus Sales, Arouca e Robinho; Dudu, Gabriel Jesus e Barrios que entraremos em campo esta noite, por quê não acreditar?

Por que não ganhar?
Por quê não calar a todos?
Por quê não ser tricampeão?

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Vitória importantíssima, Palestrinos! Fora de casa, diante de um concorrente direto, sem tomar gol após os 45 e depois de três jogos sem vencer: foi um combo de alívio.

Analisando friamente a partida, inclusive, tudo poderia ter dado errado. Começamos tomando pressão, bola na trave e não ficávamos com as bolas nos pés mais de 15 segundos. Pra piorar, todo lance de ataque era construído para lançar Mouche pelo alto – algo que, convenhamos, não iria dar certo nunca.

Depois do gol, no entanto, conseguimos equilibrar o jogo e ter um pouco mais de volume. O Bahia não chegou a nos sufocar como qualquer palmeirense calejado já esperava, mas sofremos até o apito final. O que, dada das condições, não deixa de expor os problemas e méritos deste elenco.

Os problemas, aliás, conhecemos muito bem. Meio-campo que erra passes demais, defesa que costuma vacilar em lances cruciais, ataque que sofre de Henriquedependência… nem é preciso ir além. O que me surpreende a esta altura do campeonato são as qualidades.

Que Prass e Valdivia são essenciais para o bom funcionamento da equipe, todos sabemos, por exemplo. Mas ter o camisa 10 tão comprometido e motivado como foi nos últimos jogos, além do goleiro com um papel de liderança marcante dentro e fora de campo é incrível.

Além deles, dá pra destacar as boas entradas de Nathan e João Pedro, a chegada providencial de Dorival Jr. e a recuperação de atletas como Renato, Mouche e Mazinho. Some-se a estas boas novidades uma limpa no elenco (são quase 40 atletas no grupo principal) e alguns reforços pontuais que podemos pensar em algo melhor para 2015.

O novo Palestra merece isso.
Nós merecemos isso.
E a Sociedade Esportiva Palmeiras precisa disso.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »