Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘lanterna’

Não ser campeão todo ano não é vergonhoso, Palestrinos.
Ter que brigar contra o rebaixamento todo ano, sim.

Contar com três cabeças de bagre no time não é vergonhoso.
Contar com onze, dezoito, trinta, sim.

Sair atrás do placar em alguns jogos não é vergonhoso.
Sair atrás em todos, sim.

Perder um jogo fora de casa não é vergonhoso.
Perder de goleada para um time fraco como o Goiás, sim.

São tantos os motivos pelos quais este elenco está nos fazendo ter o ano mais vergonhoso de nostras vidas que eu não conseguiria enumerá-los aqui neste espaço nem se tivesse mais dois metros de blog.

Até porque este time não é apenas ruim. É ruim e acéfalo, sem a menor condição de jogar futebol profissional e menos ainda de vestir nostro centenário manto alviverde. Essa equipe está em último porque é exatamente o lugar ao qual ela pertence.

A situação hoje é tão desesperadora que não há mais onde se apegarm a não ser ao fato de que sim, ainda somos e sempre seremos a Sociedade Esportiva Palmeiras.

Afinal, ser Palmeiras nunca será vergonhoso.
Mas não conseguir andar com as próprias pernas, sim.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

 

Dio mio, Palestrinos!

Fazendo minhas as palavras do meu irmão, “este time ainda me mata do coração”. E vou além: desse jeito, este time ainda me mata de raiva. Como pode sofrer tanto para vencer o lanterna do campeonato, com a 2ª pior defesa e o 2º pior ataque?! Por San Genaro… seja como for, valeu pela raça e pelo talento dele, Cleiton Xavier.

O JOGO
O Verdão começou “bem”, ao menos pressionando o lanterna do Paulistão. E, apesar dos muitos erros de passe, chegou ao gol em belo contra ataque, quando Lenny foi pra cima (o que deveria fazer sempre) e chutou cruzado. A partir daí, no entanto, bateu aquele “vamos matar o jogo” e o empate veio num contra ataque rápido do Sertãozinho.

E mal começou o segundo tempo, veio a virada: Marcos soltou uma bola razoavelmente fácil e, na seqüência, acabou cometendo pênalti. Ricardo Lopes bateu e converteu. A partir daí, Antônio Carlos olhou para nostro maravilhoso banco e ousou: tirou Wendel e colocou Ivo na esquerda (Eduardo rendeu bem na direita), tirou Sacconi para a entrada de William e depois Daniel na vaga do cansado Lenny.

Foi quando começou uma pressão incessante. Que, na base do chutão, virou uma virada suada. Aos 40′, em lance taticamente bizarro, o zagueiro Léo cruzou e CX10 meteu gol de centro avante: 2 a 2. Logo depois, Robert (que minutos antes quase havia feito um golazzo de bicicleta) protagonizou o lance mais medonho da partida e perdeu um gol imperdivel.

Sorte que, aos 48′, Cleiton mais uma vez vestiu a camisa 9 e matou o jogo.

O MELHOR
Claro, Cleiton Xavier, o garçom salvador.

O PIOR
Deyvid Sacconi foi totalmente inoperante. Parece só funcionar se entra durante o jogo.

A MASSA
Claro que a torcida tem o direito de protestar diante de um equipe que quase perde pro lanterna do Paulistão. Pode se desesperar com os erros de Robert, os passes mal dados por Marcio Araújo, as mudanças de Zago, as corridas sem fim de Lenny e etc. Mas, de verdade, qual oobjetivo de travar uma guerra fria com a equipe?

Querendo ou não, o time é esse. Vão chegar reforços (Dio queira que Vítor seja mesmo verdade!) e o time deve se acertar um pouco mais. Não que eu ache que os 3 mil e poucos que estiveram em Barueri falem em nome de toda a nostra massa, mas realmente não vale a pena criar um ambiente de barbárie no Palestra.

E AGORA?
De novo vou falar a mesma coisa que falei após a vitória contra o São Paulo e a derrota para o Rio Claro: o mundo não acaba ou melhora depois de um resultado. Contudo, com a vitória de ontem, acredito em um time mais ligado no domingo, diante dos Lambaris, na Arena Havaianas.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »