Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Matador’

O mundo dá voltas, Palestrinos. E se para alguns de nós ele gira a favor, para outros ele faz questão de girar contra.

Quando acontece dele girar contra, eu prefiro pensar que é para se aprender. É este, na minha opinião, o motivo de mais uma queda nossa: dez anos se passaram, nada mudou e fomos punidos novamente. Da mesma forma, acho que agora o mundo está dando uma bela lição em Hernán Barcos.

Aliás, que fique bem claro logo de saída, este não é um post revanchista (a imagem acima vale mais pela piada do que pelo texto). Eu, inclusive, fui fã fervoroso do argentino enquanto ele esteve por aqui – uma das provas cabais é essa. Mas, se tem um ponto desta negociação nebulosa que eu nunca entendi, era o argumento da “visibilidade para continuar a ser convocado pela seleção argentina”.

Pois bem, Hernán, você se foi. Acreditou no “pojéto” do Grêmio, debandou para o Sul esperando conquistar títulos e… nada aconteceu. Caiu no Gauchão, caiu na Libertadores e está capengando no Brasileiro. Seus gols rarearam, mesmo que você ache – com certa razão – que Elano e Vargas te dariam mais bolas que Valdivia e Vinicius. Na essência do futebol, nada de errado; você decidiu correr o risco.

Agora, se tem uma coisa que você precisava ter entendido antes de mais nada é que, para competir com Lavezzi, Higuaín e Agüero, você sempre precisou de duas coisas: fazer uitos gols e estar na mídia. O primeiro item, infelizmente, não tem como garantir; mas o segundo já era bem previsível.

Sem querer bancar o “EU JÁ SABIA”, mas já bancando, copiei apenas um argumento dos 9 que enumerei para você ficar:

“5) Série B, aqui, é A – Jogos semanais na televisão. Cobertura total da mídia. Times competitivos. Se você acha que jogar a segunda divisão vai te tirar de foco, caro Pirata, pode pensar de novo porque acontecerá exatamente o contrário. Pergunta lá pro Sabella!”

Pois é, Pirata, o mundo girou. O pojéto falhou. O #tamoxunto virou #cadaumnasua. E as suas convocações – ao contrário do que vem acontecendo com alguns meninos da base, Henrique, Leandro, Valdivia, Mendieta e, agora, Erguren – nunca mais voltaram a acontecer.

Sem ressentimentos, tá bom?
Só fica aqui uma aula sobre visibilidade e futebol brasileiro.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Me lembro como se fosse hoje, Palestrinos. O ano era 1993 e do alto dos meus sete anos, em pleno Palestra Itália, virei para o meu pai e constatei: “Esse 9 aí é lento, mas faz gol pra cacete, né?”.

Sim, eu era apenas um garoto. E não, eu não sabia quem era o camisa nove. Em bem da verdade, pouca gente sabia. Evair Aparecido Paulino havia sido revelado pelo Guarani e ainda bem novo partiu para a Itália, rumo a Atalanta. Quando chegaram as liras da também italiana Parmalat, em 1992, ele foi repatriado diretamente para o Verdão.

E, em bem da verdade, o começo não foi fácil. Até hoje tenho guardada uma revista do Palmeiras em que meu irmão mais velho aplicou um nariz de palhaço na foto do então treinador Nelsinho Baptista, que o deixava no banco por “questões técnicas”. Mas, depois, felizmente ficamos com a peça certa e vivemos um período de glórias.

Como esquecer a maneira que El Matador batia pênaltis? E, mais ainda, como esquecer a maneira que Evair bateu aquele pênalti em 12 de junho de 1993, quando saímos da incômoda fila?

Foram 127 gols com a camisa alviverde e muitas alegrias.
Por isso, Evair, hoje todos nós lhe desejamos um feliz aniversário.

Vida eterna ao Matador!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »