Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Mazinho’

Vitória importantíssima, Palestrinos! Fora de casa, diante de um concorrente direto, sem tomar gol após os 45 e depois de três jogos sem vencer: foi um combo de alívio.

Analisando friamente a partida, inclusive, tudo poderia ter dado errado. Começamos tomando pressão, bola na trave e não ficávamos com as bolas nos pés mais de 15 segundos. Pra piorar, todo lance de ataque era construído para lançar Mouche pelo alto – algo que, convenhamos, não iria dar certo nunca.

Depois do gol, no entanto, conseguimos equilibrar o jogo e ter um pouco mais de volume. O Bahia não chegou a nos sufocar como qualquer palmeirense calejado já esperava, mas sofremos até o apito final. O que, dada das condições, não deixa de expor os problemas e méritos deste elenco.

Os problemas, aliás, conhecemos muito bem. Meio-campo que erra passes demais, defesa que costuma vacilar em lances cruciais, ataque que sofre de Henriquedependência… nem é preciso ir além. O que me surpreende a esta altura do campeonato são as qualidades.

Que Prass e Valdivia são essenciais para o bom funcionamento da equipe, todos sabemos, por exemplo. Mas ter o camisa 10 tão comprometido e motivado como foi nos últimos jogos, além do goleiro com um papel de liderança marcante dentro e fora de campo é incrível.

Além deles, dá pra destacar as boas entradas de Nathan e João Pedro, a chegada providencial de Dorival Jr. e a recuperação de atletas como Renato, Mouche e Mazinho. Some-se a estas boas novidades uma limpa no elenco (são quase 40 atletas no grupo principal) e alguns reforços pontuais que podemos pensar em algo melhor para 2015.

O novo Palestra merece isso.
Nós merecemos isso.
E a Sociedade Esportiva Palmeiras precisa disso.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Começamos o ano com vitória, Palestrinos!

Não foi fácil, nem tampouco foi uma bela partida, mas o importante foi a confiança de sair de campo com os três pontos. Ao final dela inclusive, Kleina foi quem tomou a frente dos microfones e, abalizado pelos atletas, pediu paciência neste início de 2014.

“Paciência?”, perguntará você, já impaciente com um pedido desses em pleno aniversário de 100 anos. Sim, paciência. E dessa vez eu acho que nostro comandante tem toda a razão. Afinal, o time está treinando tem apenas dez dias, ainda não conta com todos os jogadores e, por isso mesmo, ainda sofre com o entrosamento.

Na verdade, basta olhar os estaduais pelo Brasil para perceber que, de fato, o ano começa modorrento. No Paulistão, os grandes que venceram o fizeram sofrendo (e o SPFW, que pegou o sempre chato Bragantino, nem isso conseguiu); já no Carioca, só o Framengo conseguiu vencer – e foi por 1 a 0, gol de escanteio.

Olhando para a primeira rodada e ciente de que Lúcio, Eguren, Valdivia, Mendieta e Leandro ainda estão fora de ação, eu acho que o Palmeiras fez o suficiente. Tomou um gol em que houve falta em Fernando Prass e virou contando com a fragilidade do adversário, mais as estrelas de Mazinho e Kardec – Diogo também fez bom jogo. Além disso, 3-5-2 não deve permanecer, bem como Juninho e Serginho não devem ser os laterais.

Por isso, amigos, vamos dar a tal paciência para Kleina e o Verdão. Vale a chance.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Segunda rodada do mini Cariocão, Palestrinos.

E, até aqui, temos um desempenho dentro do esperado. Graças aos gênios que fazem tabelas na CBF, pegamos times do Rio em três jogos seguidos: vencemos o Botafogo fora, perdemos do Fluminense também na Chatuba de Mesquita e temos o Flamengo pela frente na próxima quarta.

Repito que, pensando antes das partidas, minha expectativa até era essa mesmo. Mas, dentro de campo, já poderíamos ter somado 6 pontos. Quinta passada, contra o  Botafogo, nostra superioridade foi tão grande que nem mesmo um erro absurdo do bandeira nos tirou a vitória; já neste domingo, no terrível gramado do Engenhão, a superioridade técnica dos fluzinhos não se provou dentro de campo e a derrota acabou sendo injusta. Pecamos pelas chances perdidas, pecamos pela falta de banco, pecamos pela falha de marcação quase no final do jogo.

Em um balanço geral da última semana, os destaques positivos ficam por conta de Bruno, Fernandinho e Barcos, que jogaram bem demais as últimas partidas. Pelo lado negativo, parece que Artur relaxou sem a sombra de Cicinho e a falta de opções no banco tem nos complicado – Patrik, João Vitor e Betinho não cumprem o mesmo que seus titulares.

Que conste, novamente, o impedimento ridículo que tivemos marcado diante do Botafogo e a punição ainda mais medonha aplicada a Felipão (embora já tenha virado rotina o STJD foder o bigode e, consequentemente, a gente). Espero que, nesta quarta, o sempre favorecido Flamengo jogue só dentro de campo conosco e, assim sendo, perca.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Finalmente veio a vitória, Palestrinos!

Depois de bater na trave diante dos bambis e dos coxinhas, metemos logo 3 no horroroso time do Naútico. Que, aliás, deve figurar novamente na Série B no ano que vem, ao lado do irmão recifense e eterno inimigo Ixpórt. O fato é que, de tão tranquilo, o jogo acabou mascarando a superioridade deste time ressurgido do nada.

Porque, verdade seja dita, hoje temos um time cascudo. Jogadores que correm, suam e se esforçam para honrar a nostra camisa, muito embora estejam bem abaixo do que a nostra história merece. É gratificante ver Henriques, Artures, Juninhos e Mazinhos por todos os lados do campo, brigando por cada bola disputada.

E tudo começou naquele dia 13 de junho, no Estádio Olímpico. Que este dia fique gravado em nostrar memórias por muito tempo! O orgulho esté de volta e o Campeão do Século XX renasceu.

TROFÉU SÃO MARCOS
Melhor que Betinho’o, mas abaixo de Barco’os, nostro Eto’Obina estreou muito bem e participou de todos os gols. Naturalmente, o melhor em campo.

TROFÉU RIVALDO
Embora o time todo tenha jogado bem – reparem que até Márcio Araújo marcou! -, volto a destacar a falta de vontade e excesso de peso de Daniel Carvalho.

7.000 EM BARUERI
É isso e assim será. Enquanto a nostra diretoria mantiver os mandos de jogo em Barueri, jamais passaremos dos 10 mil torcedores – salvo um ou outro clássico ou de repente um jogo decisivo da Sul Americana. Reforço: não dá pra culpar ninguém por querer poupar R$100 entre ingresso, pedágio e estacionamento.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Empatamos, mas saimos de campo merecendo a vitória, Palestrinos.

Porque quando se alinha um time cheio de desfalques em um clássico e ainda se perde o último dos zagueiros machucado e o melhor dos volantes expulso no início da segunda etapa, não dá para dizer que um simples empate foi justo.

Após a falha inicial de marcação – e do gol do SPFW -, o Palmeiras lutou, tentou, buscou e fez por merecer melhor sorte. Finalizamos o dobro de vezes e demos o triplo se sangue para sair de campo com os 3 pontos. Não é exagero nenhum; quem assistiu o jogo sabe!

E boa parte dessa raça demonstrada dentro de campo veio de Felipão. Nostro comandante substituiu um zagueiro por um atacante, consertou o meio após a expulsão de Henrique e, pelo visto, incentivou a equipe como nos velhos tempos. Garanto que nenhum torcedor deixou a Arena Barueri com a cabeça baixa. E isso, amigos, isso já é uma grande vitoria!

________________________________________________

TROFÉU SÃO MARCOS
Pelo oportunismo e por iniciar 90% das nossas jogadas de ataque, Mazinho merece o prêmio. Destaque também para Juninho e Leandro Amaro, que deve ter feito uns 12 desarmes no jogo e ainda deu o passe para o gol.

TROFÉU FABINHO CAPIXABA
João Vitor não marcou, não armou e não ajudou em nada. E quando alguém é mais inoperante que Márcio Araújo merece o prêmio inglório.

________________________________________________

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Que vitória, Palestrinos, que vitória!

Não foi um jogo brilhante, mas pode ter sido um divisor de águas na vida do nostro Palmeiras atual. E antes que achem que estou empolgado demais, que estou viajando demais, por favor entendam: este foi o jogo que pode mudar o nostro triste rumo dos últimos anos. Um jogo tão marcante que pode ter sido até mais importante que uma possível final da Copa do Brasil.

Afinal de contas, nenhum time chega no Estádio Olímpico lotado e vence por 2 a 0 sem alma. E alma, amigos, alma é o que vinha faltando aos que vestem esta esta camisa verde que amamos. Mas na quarta-feira, contra todas as previsões e contra muitas adversidades, nós renascemos.

E são foram aqueles dois gols em 5 minutos que podem fazer a Sociedade Esportiva Palmeiras renascer de vez. Como um time dentro de campão, como campeã ao final do torneio, como grande ao voltar para a Libertadores e, acima de tudo, renascer como o gigante que é.

De quebra, calamos um estádio inteiro, um treinador mercenário e um jogador traidor. Calamos quem tinha de ser calado e potencializamos a voz dos milhares de guerreiros que estavam nas frias arquibancadas tricolores. Éramos 2 mil ali, mas milhões espalhados pelo mundo! E são estes que merecem respeito e vitórias.

Ainda tem 90 minutos pela frente. Nada está definido. Mas é bom saber que o Campeão do Século XX continua vivo e fazendo história.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Bela vitória, Palestrinos!

Sem muitos sustos, o nostro Verdão bateu o fraquíssimo Paraná Clube por 4 a 0 e chegou às quartas-de-final da Copa do Brasil. E a melhor parte é que as boas notícias da noite não pararam por aí: agora vamos pegar o igualmente frágil Atlético/PR e o caminho para as semis está mais do que livre.

Mas, quebrando um pouco o oba-oba do parágrafo anterior, ainda falta muito para sermos um time de verdade. A bola tem chegado pouco para Barcos (e Daniel Carvalho está no banco…), nostros atletas seguem intranquilos (expulsão estúpida de Henrique), Felipão segue mexendo mal (tirar o Pirata para colocar Román foi brincadeira de mau gosto) e por aí vai.

Fora isso, Mazinho foi muito bem no jogo e tem mostrado ser bastante útil, mas não é o “Messi Black” nem em piada do Rafinha Bastos. E, óbvio, não foi porque batemos em um time da série B do Campeonato Paranaense que a Arena Barueri  virou o Éden: continua sendo longe, de difícil acesso, e bastante cara (ingresso, flanelinha, pedágio).

Enfim, o caminho até a semi-final está aberto. Se não cometermos os erros idiotas dos anos anteriores, devemos chegar até lá para enfrentar Bahia ou o Grêmio do mercenário Lixosburgo. Dá pra ganhar, mas ainda há muito o que melhorar.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »