Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Oitavas-de-final’

Argumentos para esquecer o passado, reforçar o presente e confiar no futuro. Tem jeito melhor de comemorar nostros 101 anos, Palestrinos?

Ontem, em pleno aniversário do Verdão, o que se viu nos primeiros 45 minutos do jogo de volta válido pelas quartas-de-final da Copa do Brasil foi digno do mais animado dos parabéns a você. Quem acompanhou sabe que foi impossível não se empolgar com cada lance do primeiro tempo disputado no Mineirão.

Um time sem medo de ser ofensivo, rápido, marcando sobre pressão, tocando a bola e sendo totalmente letal dentro da área. Muito graças ao meio campo técnico formado por Zé Roberto e Robinho, mas ainda mais pela linha de frente formada por Dudu e Gabriel Jesus (com ajuda ainda oscilante de Lucas Barrios). Enquanto os meias se desdobraram entre carrinhos e passes, os dois pontas acabaram com a defesa do Cruzeiro.

No entanto, é bom salientar que houve um segundo tempo – e que os 45 minutos finais foram terríveis. Com muitos erros de passe na frente, sofremos com o que nostro time tem de pior já faz alguns jogos: a marcação. Nem Amaral nem Girotto foram competentes na cabeça de área, e nostro miolo de zaga continua batendo a cabeça de maneira clamorosa (com destaque especial para a deficiência técnica e de atenção de Jackson).

Gabriel e Victor Ramos fazem mais falta do que imaginava nostra vã filosofia…

Mas como todo dia 26 de agosto se trata de festa, o dia de ontem foi dia de celebrar. Esquecer de vez o ano maldito que tivemos no centenário, comemorar a fase de bonança da temporada atual e sonhar alto com as temporadas que ainda estão por vir. Seja pelos títulos a serem conquistados ou pela bola a ser jogada pelo menino Jesus. Enfim, nostro ano novo começou com cara de Natal.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

20 e poucos minutos de partida, jogo empatado em zero a zero. Wesley pega uma bola na risca do meio-campo, tenta tocar por baixo das pernas de um adversário, é desarmado e o Palmeiras toma um contra ataque perigoso.

30 e muitos minutos do primeiro tempo, já perdíamos por 1 a 0. Em uma das raras vezes que o time passa do meio de campo, Charles pega a bola pela esquerda e dá um chute de direita completamente lunático e desesperado pela linha de fundo.

31 minutos do segundo tempo, já estávamos sendo desclassificados com o 2 a 0. Márcio Araújo puxa um contra golpe, fura ao tentar dar um simples passe lateral e o Palmeiras sofre o terceiro e derradeiro gol.

São apenas três lances de uns quarenta que eu poderia citar, Palestrinos. Mas este trio de erros revelam com perfeição o Palmeiras medroso que foi atropelado ontem em Curitiba.

E agora, de cabeça um pouco mais fria, seria leviano da minha parte culpar fulano ou ciclano pela derrota. São todos culpados, técnico e jogadores. Kleina, que vem montando uma boa base, falhou muito ao postar em campo uma equipe que ficou esperando um adversário infinitamente mais veloz massacrar o seu time, que tinha apenas Alan Kardec no campo de ataque. Já os atletas, em campo, foram medrosos: ninguém arriscou um lance individual, ninguém deu um carrinho fervoroso, ninguém quis, de fato, vencer.

A verdade, amigos, é que o Palmeiras de hoje é nota 5. Pode ser 10, como foi em alguns duelos da Libertadores deste ano, se correr e aplicar a cada bola, levando o jogo a sério. No entanto, quando achar que é superior ao que realmente é (cabe aqui o nome de Wesley) ou se deixar intimidar (cabe demais o nome de Juninho), será sempre nota 2.

As palavras de Paulo Nobre nos microfones logo após o jogo refletem isso. Resta saber se o time que vai encarar Ceará e Chapecoense, sábado e terça, vai assimilar isso. Eu, sinceramente, espero que assimilem rápido.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

marcos

“Deus é 10. Marcos é 12!”

Foi isso o que o Rojas me disse depois da nossa vitória heróica de hoje à noite.

Cazzo!!! Existe mesmo um goleiro tão bom quanto ele? Tão bom e tão dedicado ao seu clube do coração? Perdoem-me, mas não existe!

O Marcos é um monstro! Sempre foi…

Há 10 anos, ele surgiu em condições absurdamente similares. Pegamos o Corinthians nas oitavas-de-final (depois de enfrentá-los na fase de grupos) e ganhamos nos pênaltis. Hoje, contra o Sport, a história se repetiu.

Não tenho a pretensão de dizer que o time e as condições são as mesmas, mas porra… palestrino que é palestrino vai concordar comigo. Hoje o Luxemburgo conquistou uma vitória felipônica!!!

Só quem é torcedor, ou melhor, só quem é palmeirense sabe o que é vencer depois de ser tão criticado. E não foi à toa que isso aconteceu. Nossa camisa tem história. E ninguém tira isso da gente!

Temos história. Temos tradição. Temos sangue quente!

Você chora ao ouvir o hino do seu clube? Eu choro.

Logo depois do jogo, eu mandei uma mensagem de texto para o meu pai. Acho que ela merece ser compartilhada: “O amor é verde, pai. Na derrota e na vitória. Tudo isso não tem preço. Obrigado. Te amo!”

Acho que o que eu realmente quero dizer é: obrigado, pai. Obrigado, Palmeiras.

Este amor incondicional não vai comigo para o túmulo.

Aqui é Palestra!

Siamo Palestra!

Elton Reale

Read Full Post »