Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘palestra itália’

naom_55ba082e7f0be

Dia 31.01 vai ser dada a largada para mais uma temporada, Palestrinos.

Com um elenco ainda mais competitivo do que em 2015, além de uma Copa Libertadores pela frente, a cena do Allianz Parque lotado deve fica ainda mais roteineira para todos nós. E aí não vai ter jeito: ou você e sócio-torcedor ou vai ter que se contentar com alguns jogos da primeira fase do Campeonato Paulista.

O ponto aqui não é ser ou não ser parte do Avanti; o plano de associado é justo, honesto e deve ser utilizado pelo clube. A grande questão envolvendo os jogos do Palmeiras para 2016 são os preços do ingresso.

Desde que a reforma do Palestra Itália foi oficializada e a primeira partida na nova chegou, este tópico tem sido muito polêmico. Até novembro de 2014, assistir um jogo do nostro Verde na arquibancada do Pacaembu custava R$30; a partir do mês seguinte, no entanto, assistir partidas no Allianz Parque, salvo raríssimas exceções, não tem saído por menos de R$80 (o tíquete médio mais caro do país). Levando-se em conta que a equipe faz de 30 a 40 jogos em casa por ano, acompanhar a temporada cheia do Palmeiras custa alguns milhares de reais.

Entendo que manter um estádio do nível do nostro tenha seu custo. Reconheço que o dinheiro obtido com a renda dos jogos fora de campo pode ser revertida em um time melhor dentro dele. Posso até mesmo levar em consideração que isso ajuda com que um maior número de torcedores diferentes frequente as partidas. Mas não dá pra fugir da realidade de que é muito caro.

Este assunto é recorrente, desperta emoções por parte da torcida e acontece em todo o mundo. Para fazer um paralelo interessante, o ingresso mais caro do mundo pertence ao Arsenal. Assistir 90 minutos no Emirates Stadium – considerado o mais suntuoso do planeta – não sai por menos de R$159 (27 libras) por jogo e mesmo o pacote de temporada sai por inacreditáveis R$11.800 (2.013 libras). Vá lá que o padrão é outro, que estamos falando em libras e em um sistema econômico melhor que o brasileiro, mas… é pesado.

É bem verdade que o Emirates está quase sempre cheio, que os cofres do clube idem, mas nada disso tem reverberado em títulos. Além do mais, o problema aqui é conceitual: nada impede que você tenha ingressos caros em seu estádio, no entanto é preciso pensar no valor da entrada mais barata.

622_f65beb89-b6fb-30ee-a00b-953da22486a6

“Com 64 libras por um ingresso, mas sem torcedores no estádio, o futebol não vale um centavo.”

Existem boas práticas ao redor do mundo e os melhores provavelmente vêm da Alemanha. Assistir partidas do Bayern e do Dortmund, para ficar nos dois concorrentes ao título, conta com uma grande variável de valores. Nos ingressos mais baratos, a temporada de ingressos do time de Guardiola, por exemplo, sai por pouco mais de R$600 (o que daria uns R$20 por partida). Em outras palavras: é possível manter um estádio impecável sem ter que extorquir seus torcedores.

Seja como for, está mais do que na hora da nostra diretoria pensar menos na ganância e mais na massa. Até mesmo porque o afã com o novo estádio um dia vai passar, mas o amor daqueles que acompanham a equipe sempre não.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

É claro que se acostuma com as vitórias, Palestrinos. Mas não é porque perdemos uma partida em casa que o mundo acabou.

O fato é que foi um domingo onde nada funcionou para o Palmeiras. Pouca inspiração, zero criatividade e muitos erros de passe deram a tônica da derrota diante do arrumado time do Atlético/PR. A impressão era a de que os jogadores não gostaram de acordar mais cedo e simplesmente resolveram dormir por 90 minutos.

Não que tenhamos sido pressionados pelo adversário, mas a derrota acabou chegando por pura incompetência do nostro time. O meio-campo foi engolido pela velocidade e poder de marcação do Furacão e nostros atacantes simplesmente não participaram da partida. Já quase no fim, um erro de Lucas acabou coroando a derrota – a segunda em dez partida sob o comando de Marcelo Oliveira.

E é justamente por este retrospecto recente que não devemos nos desesperar.

Óbvio que, em boa fase e com o estádio lotado, nenhum de nós esperava por um revés. Mas ele chegou e o fato é que essas coisas acontecem em um campeonato por pontos corridos. O negócio é trabalhar bem durante a semana, procurar uma alternativa para variar o trabalho pelas laterais e chegar domingo, no Mineirão, decididos a vencer (o time deles está em má fase e jogará pressionado, por quê não?).

Os aplausos de parte da torcida ao final do jogo revelaram certa tranquilidade por parte da massa. Mas, como a corneta costuma soar mais alto e o amendoim voar um pouco mais longe na internet, já surgiram alguns cavaleiros do apocalipse pra falar besteira. A hora, no entanto, está longe de ser de desespero. Vai, Palmeiras!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

As arquibancadas do Allianz Parque denunciam, Palestrinos: estamos em boa fase.

Depois de anos e anos sem a menor perspectiva de vencer o Brasileirão – nos arrastando nos já arrastados pontos corridos -, é óbvio que a média de 33 mil torcedores por partida está sendo motivada pela boa campanha.

Um movimento que começou com a reinauguração do nostro estádio no ano passado, mas que ganhou corpo de vez após a chegada de Marcelo Oliveira e a grande sequência de resultados que tivemos nas últimas semanas. Uma comunhão que está dando liga e, de fato, pode nos conduzir até a taça.

Para a minha surpresa, no entanto, descobri que tenho vocação para sofrer.

Desde o cinco anos, sempre tive grande presença em jogos do Palestra. Nunca fui a menos de vinte por temporada. Em 2015, confesso, minhas idas tem se tornado mais raras. Claro que o valor dos ingressos e os compromissos profissionais têm ajudado neste processo, mas cheguei a conclusão que, com o Palmeiras em boa fase, posso ficar mais tranquilo de faltar aos jogos.

Não que eu seja masoquista ou coisa parecida. O fato é que, com as vitórias vindo naturalmente, sinto que o papel de apoio está sendo preenchido pelo restante da massa. Estive presente em grandes vitórias este ano, mas, a mim, parece que sempre que o time se encontrou em momentos complicados (e foram muitos na última década e meia), eu me senti muito mais compelido a comparecer do que me sinto agora.

É óbvio que vencer o Atlético/PR neste domingo tem tanto valor quanto tinha vencer o Coritiba após tomarmos de seis no jogo de ida pela Copa do Brasil de 2011. Mas, naquele dia, eu senti que tinha o dever de comparecer ao Pacaembu para gritar. Bem como quando tomamos sete do Vitória naquele começo difícil de 2003 ou mesmo ao sofrer com o primeiro triunfo de Gareca, diante do Criciúma, no ano passado.

Acho que, no fundo, essa é a sina de todo torcedor apaixonado: estar ao lado da sua paixão na alegria e na tristeza. Na cadeira verde ou no cimente quente. Com teto coberto ou tomando chuva. Só tenho tido cada dia mais certeza de que eu, definitivamente, tenho o dom de sofrer. E sofrer feliz.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Mais dois pontos jogados fora dentro de casa, Palestrinos. E, na minha humilde opinião, o empate de ontem tem um motivo claro: nós não chutamos a gol!

Depois de empatar com os reservas do Galo e perder para o Goiás, ontem deixamos a vitória escapar novamente no Allianz Parque. Ao contrário das outras duas partidas citadas, no entanto, nessa jogamos bem. Com posse de bola e muito mais objetividade, Palmeiras 1 x 1 Inter foi um jogo aberto e repleto de chances. A vitória só não veio porque nós não finalizamos.

Assista novamente à partida e eu lhe asseguro que, seja qual for o momento ou o placar, você verá o Palmeiras circundar a área colorada sem chutar. Foram centenas de passes e uma dúzia de cruzamentos que não deram em absolutamente nada. Nos últimos minutos, aliás, trocamos tantos passes a poucos metros da baliza que parecia aquele futebol de rua, onde só vale gol dentro da área e por entre os chinelos.

E olha que este problema vem de longe! Não estou falando só desta quinta-feira, mas de toda a temporada. Oswaldo precisa pedir que a equipe arrisque mais. Jogando contra equipes sempre fechadas – especialmente dentro de casa, é preciso tentar de longe (ou mesmo de perto, contanto que se dê a chance de tentar).

É o famoso “quem não arrisca não petisca”. E, definitivamente, está na hora deste Palmeiras petiscar. Senão corremos o risco de brigar naquele modorrento meio de tabela novamente.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

O jogo do último sábado foi mais do que a simples abertura do Campeonato Brasileiro de 2015, Palestrinos: foi o retrato de tudo o que vem acontecendo conosco este ano.

Dentro de campo, vimos um time com muito mais recursos no papel do que na prática; fora dele, um estádio com boa taxa de ocupação, mas com uma torcida rachada e insatisfeita. Dois exemplos da perfeita dicotomia que tem sido a Sociedade Esportiva Palmeiras.

DENTRO DE CAMPO

Quanto ao futebol praticado, em si, não houve grandes novidades. Se o brilho da equipe apareceu apenas pontualmente durante o Paulistão, que dirá durante o torneio nacional. Exemplos vivos disso são nostro reforço mais custoso da temporada (Dudu) e o destaque que nunca foi destaque (Valdivia), tendo em vista que seguem errando muito mais do que esperamos e podemos.

Acredito que, agora, já tenha dado para Oswaldo perceber que seu sistema de jogo nem sempre é o melhor. O 4-5-1 pode funcionar bem quando temos a presença de área de Leandro Pereira, mas, com os demais atacantes, tem nos deixado presos na marcação. Além disso, Robinho de segundo volante é um desperdício de talento, deixando marcação e criação afrouxadas.

Após 4 meses de bola rolando e depois de triunfar diante de dois rivais de maneira empolgante, é óbvio que as demais equipes – principalmente as mais fracas – iriam estudar nostro sistema de jogo. Embora eu entenda que ainda é cedo para exigir que um time com 21 reforços esteja redondo, é preciso rever as convicções técnicas e se reinventar.

FORA DE CAMPO

Nas arquibancadas, mais uma vez ficou clara a tensão entre a Mancha Verde e os “torcedores comuns”. Não que os xingamentos em direção a organizada tenham sido novidade (aconteceram aos montes no Pacaembu meses atrás), mas, desta vez, acredito ter sido totalmente sem propósito. Afinal, não se tratava mais de criticar um atleta ou Paulo Nobre: se tratava de um assunto de interesse de todos.

Os preços que vêm sendo praticados desde a reabertura do nostro estádio estão, sim, absurdos. Entendo totalmente – e apoio! – a ideia de fortalecer o Avanti, mas não se pode continuar cobrando ingressos mínimos de R$120 a quem não tem condições de fazer parte do plano. A questão deixou de ser pagar R$20 por mês para poder pagar R$60 por jogo; estamos falando de praticar preço para todos.

Camarotes podem e devem ser mais caros. Mas não se pode colocar uma simples arquibancada lateral a exorbitantes R$300 e achar que está tudo bem. Não está! Eu, que sempre critiquei muito a MV, tiro o chapéu para o protesto inteligente e totalmente pacífico que foi feito no jogo diante do Atlético/MG. O silêncio deles fala por muitos outros torcedores, não apenas “30 ou 40 mil que vão ao estádio” – plagiando nostro presidente.

Uma pesquisa feita recentemente pela Pluri Consultoria, prova que os ingressos brasileiros são os mais caros do mundo. Levando-se em conta os preços praticados e o salário médios da população, clubes como o Palmeiras praticam preços muito mais abusivos que na Inglaterra, Espanha e Alemanha. Mas não é porque condicionou-se a fazer isso que nós também temos que adotar esta prática.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Verdão e Santos começam a decidir o Campeonato Paulista neste domingo, Palestrinos. E por mais incrível que pareça, é apenas a segunda vez que isso acontece na história do campeonato.

Na primeira delas, em 1959, o alvinegro que já tinha Pelé campeão do mundo era o favorito. Havia vencido o torneio no anterior e estava dando início à máquina de títulos que ganharia a América e o mundo no decorrer dos anos 60. Mas o Palmeiras sempre foi a pedra no sapato daquele time e, com o projeto ainda embrionário da Primeira Academia, venceu.

As imagens abaixo falam por si: apesar de ter saído atrás no marcador, o Palestra capitaneado por Juninho Botelho foi pra cima e virou o jogo no Pacaembu lotado. Pode ter sido surpresa para muitos, mas basta saber um pouco de história para relembrar o quanto a nostra equipe surpreendeu o aclamado Santos FC.

O panorama, hoje, é completamente diferente. Embora tenha tido melhor campanha e passado com tranquilidade pela semifinal, o time da Baixada chega com desfalques. Já o Palmeiras, heróico em Itaquera, chega à decisão empolgado e com a certeza de jogar em um estádio abarrotado de verde e branco.

Só nos resta torcer para que Fernando Prass seja Valdir de Moraes. Que Lucas volte de lesão travestido de Djalma Santos. Que Arouca seja Chinesinho, Dudu encarne Julinho Botelho e Rafael Marques tenha tarde de Nardo. Que à beira do campo, nostro Oswaldo com W dê um nó tático na grafia e vire Osvaldo Brandão. E, claro, que a alegria que tomou o Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho 56 anos atrás, retorne este domingo ao renovado Allianz Parque.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Ao se afastar do futebol na última segunda-feira, Muricy Ramalho fez muito mais do que deixar o SPFC. Embora em uma situação anormal e de forma tocante, ele fez ruir uma parte mais da podre estrutura do futebol brasileiro.

Afinal, não estamos apenas falando de um senhor de quase 60 anos que precisa se cuidar urgentemente. Estamos falando de um treinador pra lá de vitorioso que perdeu a saúde, mas também o frescor para trabalhar com o esporte. Ao deixar nostro rival de muro nesta semana, Muricy escancarou ainda mais o atraso velado de nostro futebol também dentro de campo.

Embora tenha um tricampeonato nacional relativamente recente no currículo, o ex-treinador vinha acumulando fracassos recentes. Salvou sua equipe do rebaixamento em 2013 e até buscou o vice-campeonato em 2014, mas convenhamos que pelo investimento do clube, foi pouco. O mesmo pouco que Felipão, 66 anos de idade, nos ofereceu no rebaixamento de 2012, na Copa do Mundo do ano passado e tem oferecido aos gremistas atualmente. O mesmíssimo “nada” que Abel Braga, 62, mostrou no Inter – que o mostrou o caminho da rua.

A verdade é que nostros treinadores ficaram pra trás. Junte a estes nomes clássicos outros como Parreira, Zagallo, Celso Roth, Nelsinho Bapstista, e tantos outros, que fica claro que precisamos renovar nostros métodos. As críticas feitas ao dia a dia de treinamentos de Muricy, é a mesma que ouvimos sobre Felipão em sua última passagem pelo Palmeiras. Ou sobre Abelão em Porto Alegre, Parreira após a Copa de 2006 e assim por diante.

Até porque, sejamos justos, não é só uma questão de idade: é sobre mentalidade – Marcelo Oliveira (60), Tite (53) e Cuca (51) são prova disso. Tite, aliás, é um exemplo vivo dessa transformação. Não que tenha virado o treinador perfeito que pintam por aí, mas ao menos é um cara que resolveu estudar futebol. Viajou, conversou com outros “professores”, fez cursos, tentou trazer novas ideias ao cotidiano do SCCP. Os resultados que não vinham com Mano Menezes, um ano mais novo, parecem ter começado a aparecer.

Que fique claro que não estou dizendo que a solução líquida e certa esteja em gringos (que o digam Gareca e Diego Aguirre) ou na chamada “nova geração” (Dado Cavalcanti, GIlmar Del Pozzo, Narciso, dentre outros). Contudo, noves fora nostra terrível e histórica linhagem de dirigentes tupiniquins, é preciso mudar urgentemente a forma de pensar futebol também dentro das quatro linhas. De simples exercícios aeróbicos ao treino com bola, passando pela infinidade de números que compõem um 4-4-2, um 3-5-2, um 4-3-3.

É preciso aposentar esses senhores que já nos encheram de alegrias e, hoje, nos enchem apenas de dor de cabeça. Façamos homenagens, mas cobremos que parem. Pelo bem da saúde de treinadores, torcedores, clubes e, óbvio, da nostra amada Sociedade Esportiva Palmeiras.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Older Posts »