Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘pênaltis’

Ganhar nos pênaltis é incrível?
É. Mas não precisava chegar até lá.

Jogar no contra ataque é uma boa estratégia?
É. Mas não precisa ficar acuado no campo de defesa.

Ter um mês para treinar até a final é bom?
É. Mas não dá pra treinar sem evoluir.

Enfim, Palestrinos, esses são só alguns dos diferentes olhares para uma mesma classificação sofrida às semifinais da Copa do Brasil. Classificação essa que se por um lado foi extremamente reconfortante e prazerosa, por outro foi desnecessariamente sofrida e desgastante.

Precisamos, de uma vez por todas, entender que com o sistema defensivo que temos NÃO DÁ pra ficar recuado por 10, 20, 30 ou 90 minutos. É simplesmente certo que vamos sofrer gols! E quando digo “sistema defensivo” não falo apenas de zagueiros e volantes, falo do todo. Se nostros atacantes são envolvidos pelo troque de bola da equipe adversária da mesma maneira que foram ontem, a bola vai morrer nas redes do Prass. Para se ter uma ideia, fomos vazados em 24 dos últimos 25 jogos que fizemos na temporada.

Logo, está na hora de rever o estilo de jogo. Nada contra entrar no 4-5-1 e ter jogadores abertos pelas pontas para armar contra ataques; o problema é simplesmente não ter saída de bola para contra atacar. Precisamos de alguém que arme e também alguém que receba a bola em boas condições. Basta comparar os gols do Santos no jogo de ontem e todas as nossas (nulas) chances de atacar o Fluminense durante a segunda etapa no Allianz Parque. Dudu e Gabriel Jesus, por exemplo, precisam ter saúde para receber essa bola e partir pra cima dos zagueiros, não voltar para marcar os laterais adversários na bandeirinha de escanteio.

Mas o problema está longe de ser só este. Nossos laterais têm tomado muitas bolas nas costas, ninguém usa Barrios para fazer o pivô, nosso ataque marca mal a saída de bola e por aí vai. Marcelo Oliveira tem até 25/11 para não apenas treinar, mas também para montar um time capaz de derrotar um adversário específico.

Este parece ser, enfim, a sina do Palmeiras em 2015. Alternar altos e baixos em poucos minutos, misturar lances incríveis e bizarros nas mesmas jogadas, nos dar e tirar esperança de vencer qualquer partida como quem substituí jogadores a beira do gramado. Acreditem ou não, é este time que pode ser campeão de um dos principais torneios do país.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Vitória, Palestrinos!!!

Sofrida, suada e por isso mesmo deliciosamente heróica. A verdade é que, quando Fernando Prass pegou a cobrança de Petros, fez muito mais do que nos classificar para a final do Paulistão: fez renascer aquele Palmeiras que não tem medo de ganhar.

Sem exagero algum, essa é uma vitória que tem o poder de afastar para bem longe a década passada e todas as dragas que passaram por aqui – seja dentro ou fora de campo. Até porque o que vimos dentro de campo neste domingo, foi um time que quis vencer a qualquer custo. Sem medo, sem fraquejar, sem sentir a pressão. Saiu na frente, recuou, tomou a virada, mas teve fome de ir ao ataque para empatar e levar nos pênaltis.

Claro que isso não quer dizer que temos um esquadrão. Estamos anos-luz de ter de volta a Era Parmalat e uma nova Academia. Mas quando os resultados vêm, cria-se um ambiente fácil de se sentir (embora difícil de se explicar) onde tudo fica mais real e palpável.

São vitórias como esta e como a obtida diante do SPFC, poucas semanas atrás, que constroem uma equipe e uma torcida confiantes. São triunfos como estes que criam aquele clima que nos acostumamos na década de 90 de que, sim, sempre é possível. São tardes como a de ontem que fazem 15 milhões de fanáticos recuperarem a força – até porque o orgulho não se foi.

Vibremos com Prass. Comemoremos com Rafael Marques. Lutemos com Gabriel. Infernizemos com Dudu. Criemos com Cleiton Xavier. E, óbvio, busquemos este título diante do Santos a partir do próximo final de semana.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Caímos novamente, Palestrinos.

E muito embora a maioria diga até que a queda de sábado tenha sido até certo ponto positiva, uma desclassificação é e será sempre um fracasso. Até entendo os que dizem que dessa forma teremos mais tempo para os compromissos  da Libertadores e para a preparação para a Série B, mas me nego a achar que a derrota nos pênaltis tenha sido benéfica.

A julgar pelo que vimos na Vila Belmiro, de fato não há nada de que se envergonhar: o time jogou, lutou, tentou e conseguiu buscar um empate já quase improvável no final do jogo. No entanto, é triste ver que mais uma vez tivemos a posse de bola por grande parte do certame e não conseguimos criar nada de tão perigoso.

Basta assistir ao VT da partida do último final de semana para perceber o óbvio. Embora fiquemos com a bola quase sempre em nostro poder, quase nunca criamos chances de fato perigosas.

E aqui não cabe exatamente análise estatística. Se pensarmos em todos os clássicos do ano até aqui – e até na maioria da s partidas disputadas -, o Palmeiras tem tido domínio da bola. O problema tem sido aquela chamado último passe, a bola que vai ao pé do atacante tão limpa que até o asno do Maikon Leite empurraria para dentro. Pensem no jogo de sábado, lembrem do clássico diante do SPFW e até mesmo do melhor Dérbi que fizemos nos últimos anos… A bola é nostra, mas falta qualidade.

Qualidade que poderia estar, é claro, nos pés de Valdívia, mas que nós sabemos que já virou utopia. Assim sendo, ficamos dependentes de um lampejo de consciência de Wesley, Souza, Tiago Real e aí a coisa complica.

Afinal, se é verdade que temos tido a posse de bola do tão badalado e campeão Barcelona, também é verdade que nostro aproveitamento na frente tem sido digno do pior ataque do Campeonato Paulista, a rebaixada União Barbarense.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Ele parou, Palestrinos, São Marcos parou.

E por mais que soubéssemos que o dia chegaria, que ele estava mais e mais próximo, não dá para estar preparado para um momento deste. Ontem se aposentou não só o maior goleiro ou palmeirense que já vi em campo; ontem se aposentou um dos caras mais incríveis da história do futebol.

Para muitos, é fácil resumir Marcos como um “grande goleiro”. Como “campeão do mundo”. Como “um grande pegador de pênaltis”. Mas quem é palmeirense de verdade sabe que não é tão fácil assim. Porque apesar de ser tudo isso, Marcão é e foi mais, muito mais.

Marcos Roberto Silveira Reis é o caipira que brilhou na cidade grande. É o garoto de Oriente que ficou experiente antes da hora graças às suas defesas e à sua careca, ambas precoces. Marcos é o cara que jamais destratou nenhum adversário, que conversava com todos da imprensa, que contava piadas, que bebia cerveja, que agia feito torcedor com, vejam só!, a camisa 12.

Marcos é São Marcos porque é humano. Porque apesar de seus milagres feitos com a bola rolando e com seus mais de 30 pênaltis defendidos, nunca se eximiu de culpa. Foi ele quem assumiu a falha diante do Manchester, foi ele quem furou o chutão para frente diante do Vitória, foi ele quem chamou a bronca quando o time foi goleado.

E mais: ele nunca foi o super herói. Foi ele quem operou braços, ombro, punho, dedos e uma infinidade de outros ossos que só os goleiros e os cortopedistas bem formados sabem que existem. De ferro ele nunca teve nada, visto o coração mole de quem reagia tão veementemente à vitórias e derrotas.

Marcos é perfeito por nunca ter tentado ser.

Taxá-lo como melhor ou pior é de cada um. Ídolo cada um tem o seu. Mas não dá para deixar passar em branco a despedida dos gramados de um cara desses. Um cara que me ensinou que, ganhando ou perdendo, o dia seguinte ainda é dia de dizer: “Sou palmeirense mesmo e daí?”.

Muito obrigado, Marcão. De coração e em oração. Te amo.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Inegavelmente, sábado tivemos uma bela vitória, Palestrinos.

A equipe jogou bem, dominou o nervosismo, se acertou no intervalo (William não pode deixar Deyvid Sacconi no banco) e contou com um talento muitíssimo superior para golear o tenebroso time do Mogi Mirim. Cleiton Xavier começou o ano voando, Diego também demonstrou vontade, Léo estreou com gol (apesar de errar no gol do Mogi) e Pierre foi o Pierre de sempre.

Mas com os 5 a 1, convenhamos, não podemos nos empolgar muito. O jogo de sábado foi uma continuação da pré-temporada, que já havia contado com uma goleada no Taubaté e uma vitória dos reservas diante do Campinas. Estes primeiros jogos são, de fato, a continuação da preparação para o ano.

Mas que foi bonito, foi!

COPINHA
Olha, pode até ser que nós não ganhemos a Copa São Paulo, mas este time está mostrando belos valores. O lateral-esquerdo Gabriel Silva, por exemplo, me parece um Armero melhorado: corre, mas também pensa. No meio, Gilsinho e Ramos dão mostras de que podem render bem. Enquanto, no ataque, o grandalhão Miguel pode ser opção de banco quando tivermos que erguer bola na área.

Ontem, batemos o time da Traffic – Desportivo Brasil – nos pênaltis, e enfrentaremos a Portuguesa nas quartas. Olho na molecada, Muricy! Principalmente no Paulistão, eles podem ajudar bastante.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

marcoooooooooos

A atuação de Marcos ontem foi bem além da partida diante do Ixpórt por um motivo bastante especial. Exatamente há 10 anos, 12 de abril de 1999, ele defenderia um pênalti de Vampeta e ajudaria o Palmeiras de Felipão a passar para as semi-finais do ano em que conquistamos a América.

Foi o primeiro milagre do santo na categoria “pênaltis”. Mas quantos foram os milagres similares a este? Não perca as contas…

1999 – Quartas-de-final
Palmeiras 4 x 2 Corinthians (defendeu 1 cobrança; 1 foi para fora)

1999 – Final
Palmeiras 4 x 3 Deportivo Cali-COL (2 foram para fora)

2000 – Oitavas-de-final
Palmeiras 3 x 2 Peñarol-URU (defendeu 2 cobranças; 1 foi para fora)

2000 – Semifinal
Palmeiras 5 x 4 Corinthians (defendeu 1 cobrança)

2000 – Final
Palmeiras 2 x 4 Boca Juniors-ARG

2001 – Oitavas-de-final
Palmeiras 5 x 3 São Caetano (1 foi para fora)

2001 – Quartas-de-final
Palmeiras 4 x 3 Cruzeiro (defendeu 3 cobranças; 1 foi para fora)

2001 – Semifinal
Palmeiras 2 x 3 Boca Juniors-ARG (1 foi para fora)

2009 – Oitavas-de-final
Palmeiras 3 x 1 Sport (defendeu 3 cobranças)

Percebem o score final? Ele venceu 7 disputas e defendeu 10 penais até hoje. Até hoje, amigos… porque daqui pra frente, segura o santo!

Siamo Marcão!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

marcos

“Deus é 10. Marcos é 12!”

Foi isso o que o Rojas me disse depois da nossa vitória heróica de hoje à noite.

Cazzo!!! Existe mesmo um goleiro tão bom quanto ele? Tão bom e tão dedicado ao seu clube do coração? Perdoem-me, mas não existe!

O Marcos é um monstro! Sempre foi…

Há 10 anos, ele surgiu em condições absurdamente similares. Pegamos o Corinthians nas oitavas-de-final (depois de enfrentá-los na fase de grupos) e ganhamos nos pênaltis. Hoje, contra o Sport, a história se repetiu.

Não tenho a pretensão de dizer que o time e as condições são as mesmas, mas porra… palestrino que é palestrino vai concordar comigo. Hoje o Luxemburgo conquistou uma vitória felipônica!!!

Só quem é torcedor, ou melhor, só quem é palmeirense sabe o que é vencer depois de ser tão criticado. E não foi à toa que isso aconteceu. Nossa camisa tem história. E ninguém tira isso da gente!

Temos história. Temos tradição. Temos sangue quente!

Você chora ao ouvir o hino do seu clube? Eu choro.

Logo depois do jogo, eu mandei uma mensagem de texto para o meu pai. Acho que ela merece ser compartilhada: “O amor é verde, pai. Na derrota e na vitória. Tudo isso não tem preço. Obrigado. Te amo!”

Acho que o que eu realmente quero dizer é: obrigado, pai. Obrigado, Palmeiras.

Este amor incondicional não vai comigo para o túmulo.

Aqui é Palestra!

Siamo Palestra!

Elton Reale

Read Full Post »