Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘quartas’

Estamos classificados, Palestrinos! Em um jogo desnecessariamente longo e sofrido, o Palmeiras bateu o Inter por 3 a 2 no Allianz Parque e agora vai pegar o Fluminense na semifinais da Copa do Brasil.

E olha que a missão parecia fácil. Apesar de não termos criado praticamente nada na primeira etapa, nostro adversário também entrou errando demais e, graças a mais dois gols de bola parada, fomos para o intervalo ganhando de dois a zero. Seria a hora de colocar a bola no chão e explorar contra ataques, certo? Errado. Quando o time não tem um padrão de jogo, isso fica menos óbvio.

Nostra equipe recuou acintosamente, chamou o Inter pra própria intermediária e escolheu sofrer até o fim. Até tomar o gol de empate – que nos eliminaria da competição -, o time conseguiu errar TODOS os passes no meio, disperdiçou inúmeros contragolpes e colocou o jogo em risco. Robinho saiu lesionado, Gabriel Jesus parece ter perdido a confiança, Barrios foi nulo, Rafael Marques parecia pregado… dos 11 em campo, salvaram-se o Vitor Hugor, Zé Roberto e Dudu, que chamou a responsa quando o bicho pegou.

E aqui fica a pergunta: precisa mesmo sofrer para ter que jogar bola? Não dá pra pensar em rodar a bola e tentar ter um jogo calmo do início ao fim?! Gosto muito de Marcelo Oliveira, mas parece que essa sequência de jogos quarta-domingo fez o time treinar menos, pregar mais e perder o padrão que estava construindo. Simples: e preciso treinar.

Domingo, diante da Chape no sul, vale olhar para o elenco com carinho. Robinho, Zé, Rafael, Barrios e Dudu nitidamente precisam de descanso. Vamos usar Kelvin, Thiago Santos, Egidio, até dar uma chance a Felype Gabriel – por que não? Com a parada para os jogos da Seleção, teremos 15 dias até o jogo diante do Flu. É hora de tentar dar um padrão de jogo para uma equipe que faz muitos gols, toma vários outros e precisa aprender a jogar com a bola nos pés.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Quarto jogo seguido sem derrota, Palestrinos. Retrospecto bom demais para um time que tem oscilado tanto na temporada.

Ontem, no entanto, poderia ser melhor. Não somente pela penalidade perdida, mas por termos jogado melhor a maior parte do jogo e termos perdido chances também com a bola rolando. Até o gol sofrido nasceu em uma falha de marcação, dando espaço demais para que Alex chutasse.

Mas, verdade seja dita, já fazia muito tempo que não jogávamos tão bem no amaldiçoado Beira Rio. Nem me lembro da última vez que saímos de lá com o jogado dominado! O time teve calma e personalidade, pressionou o saída de bola e rendeu bem depois das trocas promovidas por Marcelo Oliveira.

Fosse uma rodada ordinária do Brasileirão e teríamos muito o que lamentar. Porém, em sendo Copa do Brasil, o resultado não foi assim tão desastroso. E tudo isso é fruto do tal equilíbrio que estamos tentando achar em 2015.

Com quase 30 jogadores novos no elenco, é natural que o time tenha altos e baixos. Foi comum até aqui, por exemplo, termos tido sequências de vitórias e derrotas. Temos que aproveitar que estamos em uma maré boa e confirmá-la com um triunfo no próximo domingo e carimbando a classificação três dias depois.

Se o time chegar lá, dá pra prever coisas boas.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Passamos para a semi, Palestrinos!

Sem sustos e sem precisar sofrer no terror dos pênaltis, batemos o Bragantino por 2 a 0 e passamos de fase. O time se comportou bem, cumpriu a missão de abrir o placar ainda no primeiro tempo e venceu sem contestação. O que nos separa do caneco, a esta altura, é apenas a tal “paciência de campeão”.

Explico: em diversas vitórias do Palmeiras no campeonato, mesmo com o resultado garantido, deixamos de lado a posse de bola e nos expusemos de maneira arriscadamente desnecessária.

Oras, em um meio-campo com Wesley, Bruno César e Valdivia, trocar passes de qualidade é quase que natural. Não é preciso acelerar o jogo sem necessidade, recuar bola para zagueiro dar chutão, tentar cruzar bola pelo meio e coisas do tipo. Depois de muitos anos sem essa qualidade, precisamos tirar proveito dela!

Ontem, mesmo com o resultado assegurado, sofremos contra ataques extremamente perigosos. E se a qualidade do time de Bragança não fez esse tipo de lance virar perigo, o mesmo não dá pra dizer de um Santos, por exemplo. Nem mesmo do Ituano, que até aqui matou jogos e mais jogos contra golpeando rápido.

Seja como for, se a nostra defesa seguir com seriedade, os laterais mantiverem a boa forma, nosso meio mexer a bola, Leandro resolver jogar e Kardec mantiver o faro de artilheiro, não devemos nada ao time da Vila. Principalmente se tivermos calma. A tal paciência de campeão.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Todo ano é a mesma coisa, Palestrinos.

Quem ganha o Campeonato Paulista comemora e tripudia sobre os outros, enquanto quem perde diz que o torneio não vale nada. É sempre assim.

Este ano, no entanto, o Paulistão esta longe de ser Paulistinha. Afinal, nenhum clube grande de São Paulo está na Libertadores, a Copa do Brasil está só engatinhando e o Brasileirão só irá começar daqui a um mês. Logo, se este não é o maior nem o melhor estadual da história, é ao menos o mais importante dos últimos 16 anos.

Dentro de campo, Curintia e SPFW já provaram o veneno da derrota. E não adianta diminuir o tamanho do tombo porque, sim, é uma vergonha ser eliminado por times inexpressivos do interior. Agora, é bom que se diga, não dá pra confundir falta de expressão com ruindade; algumas equipe do interior são muito bem armadas. E esse é o caso do Bragantino.

A equipe do eterno Marcelo Veiga está longe de ser um primor em qualidade, mas marca forte e sempre surpreende nas jogadas aéreas. Por isso é bom o Palmeiras entrar ligado desde o primeiro minuto para não ser surpreendido no Porcoembu. Nos dois jogos que dormimos de começo, contra Botafogo e Santos, perdemos.

Vamos entrar ligados hoje, Verdão! Nossa superioridade técnica é gigantesca, mas temos que correr pra evitar dizer amanhã que esse tal de Paulistão é um Paulistinha.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Caímos novamente, Palestrinos.

E muito embora a maioria diga até que a queda de sábado tenha sido até certo ponto positiva, uma desclassificação é e será sempre um fracasso. Até entendo os que dizem que dessa forma teremos mais tempo para os compromissos  da Libertadores e para a preparação para a Série B, mas me nego a achar que a derrota nos pênaltis tenha sido benéfica.

A julgar pelo que vimos na Vila Belmiro, de fato não há nada de que se envergonhar: o time jogou, lutou, tentou e conseguiu buscar um empate já quase improvável no final do jogo. No entanto, é triste ver que mais uma vez tivemos a posse de bola por grande parte do certame e não conseguimos criar nada de tão perigoso.

Basta assistir ao VT da partida do último final de semana para perceber o óbvio. Embora fiquemos com a bola quase sempre em nostro poder, quase nunca criamos chances de fato perigosas.

E aqui não cabe exatamente análise estatística. Se pensarmos em todos os clássicos do ano até aqui – e até na maioria da s partidas disputadas -, o Palmeiras tem tido domínio da bola. O problema tem sido aquela chamado último passe, a bola que vai ao pé do atacante tão limpa que até o asno do Maikon Leite empurraria para dentro. Pensem no jogo de sábado, lembrem do clássico diante do SPFW e até mesmo do melhor Dérbi que fizemos nos últimos anos… A bola é nostra, mas falta qualidade.

Qualidade que poderia estar, é claro, nos pés de Valdívia, mas que nós sabemos que já virou utopia. Assim sendo, ficamos dependentes de um lampejo de consciência de Wesley, Souza, Tiago Real e aí a coisa complica.

Afinal, se é verdade que temos tido a posse de bola do tão badalado e campeão Barcelona, também é verdade que nostro aproveitamento na frente tem sido digno do pior ataque do Campeonato Paulista, a rebaixada União Barbarense.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Classificação garantida, Palestrinos.

Nem mesmo o jogo acabou e já escrevo este post. Por força do horário ridículo, da cancha ridiculamente distante e da jornada de trabalho ridiculamente extenuante, infelizmente acompanho a partida com um olho na TV e outro na tela do computador.

A partida foi mais do mesmo: pouco futebol, nenhuma inspiração, muita correria. Vencemos pela fraqueza do adversário e por alguns raros lampejos de bom futebol da nostra equipe. Pode até ser que o time meta mais cinco – repito, o jogo está andamento – mas nada mudará.

O time tem limitações, todos sabemos. Mas o que tem me chamado a atenção, no entanto, é que o Palmeiras está assim por causa do seu modo de pensar. Tanto a diretoria quanto o treinador pensam pequeno. Se um dos dois pensasse grande, ao menos, teríamos resultados melhores. Explico.

O Athletic de Bilbao é uma equipe pequena da Espanha. Só aceita jogadores bascos, o que torna tudo ainda mais difícil. Um dia, no entanto, chegou ao clube um treinador chamado Marcelo Bielsa. E, devagar, ele convenceu a todos de que aquele time não era grande, mas era grandioso. O resultado está aí, vice-campeão da Europa League.

A Universidad do Chile, ou somente La U, é uma equipe forte no Chile. E nada mais. No entanto, a diretoria apostou em um treinador estudioso e, juntos, fizeram uma equipe com padrão. Eles não tem mais elenco que o Palmeiras; no entanto, aposto, venceriam 9 de 10 jogos contra este Palmeiras.

Diretorias vitoriosas criaram outras equipe vencedoras, outros treinadores também. Estes são apenas dois exemplos atuais. Mas exemplos que mostram que estamos errados demais. Nostra diretoria pensa pequeno, é pequena, é medrosa; e Felipão também pensa pra trás, se exime de culpa, defende-se em tudo.

Com esta combinação, amigos, não vamos a lugar nenhum. Precisamos de um louco, ansiamos por um Bielsa.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

 

Já estamos na semi, Palestrinos!

Não jogamos um grande futebol, nostros principais jogadores não foram bem, mas passamos. E é isso que importa, com o Felipão é assim. Ficamos dez anos sem isso e nos desacostumamos ao sofrimento que tínhamos sempre. No entanto, é melhor sofrer e ganhar, do que não sofrer e perder.

Já estamos na semi-finais. Vai, Palestra!

O JOGO
Foram dois tempos completamente diferentes. E, ao menos no primeiro, o Palmeiras entrou pra atropelar, pressionar, ganhar a qualquer custo. Foi assim que as chances foram acontecendo até Marcos Assunção mandar um escanteio venenoso e a bola terminar nas redes do Galinho. Nostro Kid Bengala está tão azeitado que até cruzando ele mete gol!

A partir daí, e já sem Valdívia em campo, o Palmeiras quis controlar o jogo. E mesmo com o freio de mão puxado, controlávamos a partida sem maiores problemas (principalmente porque o time deles era muito ruim). Poderíamos ter feito o segundo gol ainda nos primeiros 45 minutos, mas, como não rolou, acabamos sofrendo na segunda etapa.

O grande problema, ao meu ver, é que Lincoln não serve para jogar de segundo atacante. Ele passa bem a bola, tem noção de espaço, mas não é veloz; em palavras claras é o camisa 10, não se adapta como o Valdívia consegue se adaptar. Mas, apesar dos pesares, deu tudo certo. E na base do sufoco e da raça de Danilo, Edinho e Luan saimos com a vitória.

O MELHOR
Nunca achei que iria escrever isso, mas, lá vai: Luan foi o melhor do jogo disparado. Correu, marcou, tentou, fez gol e foi importantíssimo.

O CASO VALDÍVIA
Rápido e rasteiro: eu acho que o Palmeiras deveria convocar a imprensa e dizer que ele só volta em 2011. Verdade ou não, ao menos isso iria criar um clima de paz para finalmente sabermos o que está acontecendo. Não é normal o cara ficar nesse vai e volta!

Os médicos precisam ver isso direito e da ruma posição para o Felipão, senão começa a queimar o jogador e atrapalhar a equipe.

PACAMEBÚ: LOTADO E MAL ORGANIZADO
Antes de qualquer coisa, já deixo bem claro que apoio incondicionalmente os jogos no Pacaembú. Ele fica em uma região central, dá pra chegar com qualquer meio de transportee ele comporta bom público (como os 36 mil de ontem). No entanto, é preciso se organizar melhor para a semi-final.

Claro que o fato da nostra massa não conhecer tão bem o espaço pesa, mas a diretoria precisa trabalhar melhor a organização. Desde a CET até a PM, a orientação precisa melhor. Ontem foi complicado chegar e sair de lá.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Older Posts »