Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘rivaldo’

A história é real, Palestrinos. Ainda noutro dia, sentado atrás de mim na arquibancada, um garoto de uns 6 anos perguntou ao pai onde estava Valdivia.

Fosse um pouquinho mais velho, é provável que o menino houvesse escutado um esculacho de quem estava a sua volta volta. Sua idade, no entanto, o protegeu e, paciente, ele ouviu o pai explicar que o chileno havia saído e que não jogaria mais pelo Palmeiras. Mesmo com o time ganhando e em boa fase, o pequeno não gostou e deixou claro soltando um demorado “ah”.

Para quem já estava de saco cheio de Valdivia, feito eu, pode parecer uma situação bizarra. Mas a verdade é que não é. Até porque, antes de mais nada, aquele é palmeirense que nunca teve ídolos de verdade.

Começando a entender de futebol e do seu time agora, ele não chegou a ver nem mesmo Marcos. Provavelmente já ouviu por diversas vezes seu pai falar do Santo, bem como de Evair, Rivaldo e Edmundo (da mesma forma que eu sempre peço que meu pai fale de Ademir, Dudu, Luís Pereira e Leivinha, dentre muitos outros). Mas o fato é que ninguém nunca conquistou aquele coraçãozinho verde – por isso Valdivia parecia adequado a ele.

As últimas décadas foram pródigas em nos apresentar candidatos a ídolos que deram em água. Valdivia (o “Mago”), Kléber (o “Gladiador”) e Barcos (o “Pirata”) foram alguns deles. Jogadores comuns que, embora tenham tido algum brilhareco vestindo nostra camisa, fatalmente quebraram a expectativa de muitos por aí. E se teve até marmanjo chorando com a partida de um trio destes, por quê aquele garoto não poderia fazer o mesmo?

São os ossos porcos do ofício. De um futebol que hoje é regido por dirigentes incompetentes, empresários sanguessugas e jovens jogadores que nem mesmo atuaram no time de cima e já falam que o Campeonato Inglês os espera. Mesmo agora, com um elenco muito mais recheado, vejo poucas caras capazes de brilhar em nostra sala de troféus – que dirá em um pôster na parede de um quarto alviverde. É duro, mas é real.

A situação não se aplica apenas ao nostro Palmeiras, mas, sinceramente, tem pesado mais para nós. Torço para que Fernando Prass siga em grande nível, para que Zé Roberto se firme como um capitão, Dudu coloque a cabeça (e a bola) no lugar e até para que o recém-chegado Barrios balance as redes dos adversários por muitos anos ainda. E mais ainda do que tudo isso, torço para que aquele garotinho não demore para ter um ídolo. Pelo bem dele e de todos nós.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Finalmente Rivaldo se aposentou, Palestrinos.

E se a simples notícia da sua aposentadoria já mereceria um post aqui no Siamo, a necessidade de uma homenagem aumenta ao lembrarmos a importância que o meia teve em nostra reconstrução nos anos 90.

Rivaldo chegou a Academia em 1994, ano seguinte ao título Paulista que encerrou a nostra fila de 17 anos. E foi determinante para o bicampeonato do Paulista e do Brasileiro, que determinaram de vez a nostra mudança de mentalidade. Se os anos 80 haviam nos deixado com aquela imagem de que nunca venceríamos, foi a partir de 94 que acreditamos que poderíamos vencer sempre.

Alto, desengonçado e habilidosíssimo com a perna esquerda, Rivaldo nos ganhou rapidamente. Algo nada usual para alguém que chegou diretamente do Corinthians, diga-se de passagem, mas totalmente justificável por sua aversão crônica as câmeras e microfones. Quem fala pouco não se compromete – e Rivaldo sempre levou isso ao pé esquerdo da letra.

Dentre seus grande momentos com a camisa do Palestra estão os dois gols na final do Brasileiro de 1994 e as inúmeras jogadas mortais tramadas ao lado de Djalminha, Muller e Luizão em 96. Seu sucesso foi tanto que, dois anos após chegar, ele se foi para a Espanha brilhar ainda mais. O resto da história nós conhecemos: La Coruña, Barcelona, Milan, Seleção Brasileira… sempre com títulos, sempre com gols, sempre quieto e decisivo.

Nem suas passagens desastradas e tardias por São Caetano, Mogi e SPFW apagaram o brilho de uma carreira perfeita. É comum ouvir que, tivesse ele um pouco mais de “marketing”, teria sido muito mais rico e famoso – o que pode até ser verdade. Mas quem fala com os pés não precisa falar para as câmeras. E os pés de Rivaldo, bem como sua cabeça, gritaram em alto e bom som por 20 anos.

Obrigado, Rivaldo! Aproveita pra descansar bem quietinho na sua Recife amada.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

A foto não é nova, mas a notícia acabou ficando, Palestrinos.

No último domingo, o Fantástico resgatou um vídeo onde Neymar admite ter sido palmeirense. O que é, sim, um fato inusitado e até divertido. Mas, na verdade, por trás da declaração inesperada do garoto aos 12 anos, reside algo muito mais alarmante do que feliz: a nostra perda de identidade.

Do glorioso nascimento do Palestra Itália, passando pela vitoriosa mudança para Sociedade Esportiva Palmeiras, continuando pelas duas fases da Academia, pelo biênio 93/94, pelos 103 gols no Paulistão de 1996 e pela inesquecível Libertadores/99, nostro DNA é o de vitórias, títulos e craques.

Quando o (ainda mais) menino, que ainda nem era (tão) conhecido, olha para a câmera e diz ser palmeirense, ali reside a certeza de quem tem 12 anos. Não era uma opinião sugestionada, dirigida ou forçada: era apenas um garoto confessando seu time de coração e dizendo, com todas as letras, que torcida pelo time campeão de Evair e Rivaldo.

Então pare e analise novamente o que Neymar ainda mais Júnior orgulhosamente disse. Ele disse que torcia por um time vitorioso e repleto de ídolos. E isso, amigos, é a base de qualquer clube que pretende construir um legado. Nostro amor e paixão pelo Palmeiras jamais mudará, mas é fato que Wesleys, Marcelos Oliveiras e Klébers não falam aos corações infantis.

Precisamos voltar a ser Palmeiras… A carência de grandes jogadores é tão grande que, depois de São Marcos, a molecada se apegou até a vagabundos como Valdivia e Kléber Judas! Isso é alarmante. É preciso voltar para a Série A, mas também é preciso se reestruturar para o que vem por aí.

Afinal, é mais do que sabido que lá se vai mais de uma década de que essa nostra alma tem sido judiada. Mas o futebol é cíclico, tem altos e baixos e nós nunca iremos perder o que nasceu conosco. É preciso voltar, mas também é preciso se preparar. Porque tanto as crianças quanto os nostros eternos corações apaixonados pulsam pelo Palmeiras, mas clamam por Rivaldos e Evaires.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

São Marcos, Evair, Edmundo, Rivaldo, Galeano, Alex Cabeção, César Sampaio, Clebão, Felipão… São tantos os ídolos que eu vi jogar com a nostra imponente camisa que daria para fazer umas 3 seleções brasileiras.

Os tempos, no entanto, mudam. É inevitável (e não cabe aqui ser saudosista). A verdade é que o Verdão viveu tempos de escassez de ídolos. Ficamos dez anos aguentando Missos, Gioinos, Boiadeiros, Itamares e tranqueiras do gênero. E os tempos de vacas magras nos faz incorrer em erros crassos, também conhecidos como “falsos ídolos”.

Recentemente tivemos dois grandes exemplos: o Judas e o Chinelo Chileno. Ambos surgiram na mesma equipe campeã paulista de 2008, saíram logo após a conquista e retornaram pouco tempo depois com status de salvadores. Beijaram o escudo, fizeram promessas, custaram caro aos cofres do clube. Suas camisas venderam como água, a massa gritou seus nomes, havia esperança no ar. Mas bastou algum tempo para vermos quem são de verdade.

Percebam que não falo sobre resultados, falo sobre caráter. Marcos não é um ídolo só por causa de suas conquistas; ele é o Santo porque sempre defendeu nostras cores com amor. Evair idem. Edmundo, por outro lado, sempre se disse vascaíno, mas nunca fingiu lesão para ficar no DM descansando. Rivaldo atuou pelo Corinthians antes de chegar ao Palestra e, mesmo assim, nos encantou com bom futebol e profissionalismo.

Craque é aquele que conquista títulos, mas, acima de tudo, se envolve com o clube. É por isso que Valdivia merece o mesmo destino do Judas: a rua. E isso não é falta de agradecimento; é respeito ao nostro amor maior, a Sociedade Esportiva Palmeiras.

Portanto, Palestrinos, não vamos nos iludir. Morte aos falsos ídolos!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

O ano já começou, Palestrinos…

E a dez dias de estrear no Campeonato Paulista, o camarão ainda não chegou. Até aqui, são cinco os nostros reforços para 2012: as chegadas do lateral-esquerdo Juninho, do zagueiro Román e do meia Daniel Carvalho, além da saída de Rivaldo e da não-chegada de Carlos Alberto devido a uma pubalgia.

É pouco, amigos? É pouco.
Mas é o mundo real, o nostro mundo real.

Por isso eu peço pelo amor de San Genaro que parem com essa história de camarão. Felipão falou, Felipão pediu, mas ele próprio sabe que não vai ter. A bem da verdade, o camarão do Palmeiras é ele: Luiz Felipe Scolari. Ou um treinador que recebe 700 mil mensais não é prato sofisticado?

O grande desafio de Felipone para 2012 é pegar o arroz-feijão que tem nas mãos e dar um toque a mais. É fritar aquele ovo esperto, jogar em cima do bife e tentar brigar desse jeito. Os reforços que chegaram são poucos, mas já agregam alguma qualidade ao grupo do ano passado.

Lembrem-se do que São Marcos disse na coletiva de hoje: não há time talentoso no papel que ganhe de um time unido e guerreiro dentro de campo. É hora de Felipão trabalhar e dar moral ao grupo que temos para este ano, sem ficar se queixando ou falando que não conta com Messi.

E, sendo sincero, um belo bife à cavalo sustenta bem mais do que um punhado de camarões!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Mais um empate, Palestrinos…

E mais um jogo fraco, ruim, sem emoções, com muitas falhas, apostando na boa e velha bola parada para não sair de campo derrotado. Enfim, a minha desilução e má vontade com o Palmeiras são tão grandes que nem cabe a mim ficar falando da pelada de ontem em Florianópolis. Mas cabe, isso sim, traçar um paralelo entre a nostra empolgação e a nostra desilusão com este time.

No primeiro turno, após as cinco primeiras rodadas, nostra campanha era de 3 vitórias e 2 empates – sendo que as duas igualdades haviam sido conquistadas fora de casa diante de Inter e Cruzeiro. Já no segundo turno, acumulamos 3 empates e 2 derrotas nas cinco primeiras rodadas – sendo boa parte desses insucessos em casa.

Daí eu te pergunto: qual é o Palmeiras de verdade?
E eu mesmo lhe respondo: nem um, nem outro; o Palmeiras de verdade é exatamente esses dois.

Com elenco capenga, que nos confere opções nulas de banco, a bipolaridade acaba sendo a nostra maior característica já há alguns anos. Por isso o tão surpreendente início de Brasileiro aconteceu e por isso a tão temida queda chegou. Quando tivemos os 11 titulares em campo, sem lesões nem suspensões, aproveitamos o time formado na campanha do paulistão e fomos bem; mas depois, com desfalques, queda de rendimento e precisando dos reservas, a coisa desandou.

Não tem mistério, não tem probleminha interno, não tem imprensa, não tem perseguição de juiz, não tem Felipão, não tem mimimi… o Palmeiras oscila porque faltam peças de qualidade no elenco. As fantásticas expulsões de Rivaldo e Gerley são o mais puro exemplo disso. E é assim que vamos até o final do campeonato.

Vamos pra Libertadores? Não.
Vamos cair? Também não.
Mas vamos ganhar uma, perder outra e empatar várias até dezembro.

Este Palmeiras não é oito nem oitenta. É, infelizmente, um pouco dos dois, é média quarenta.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Existem resultados que são marcantes, Palestrinos.

E o de ontem, diante do confuso time do Flu, no horrendo gramado de Volta Redonda, deixa tudo extremamente bem marcado: não seremos campeões. Antes que me acusam de negativismo ou qualquer coisa parecida, já me adianto que confio na equipe e que a derrota de ontem não foi o final do mundo. Mas outro jogo fraco, fora de casa, atesta que não dá pra ganhar campeonato dessa maneira… é matemático.

O JOGO
Com um gramado horroroso e duas equipes nervosas, o primeiro tempo basicamente teve pancadaria. Foram carrinhos, cotoveladas e chutões para os dois lados, transformando o jogo um verdadeiro suplício. No entanto – e aqui entra o que eu chamo de resultado que atesta um time sem ambição -, nós tivemos chances de marcar e não aproveitamos.

Foram ao menos três bolas paradas, um arremate mal dado pro Valdívia, um lance de Trapalhões entre Luan e Kleber e, na melhor das chances, Maikon Leite desviou um chute para fora do gol. O time da casa também usou a bola alta e Marcos teve de fazer ao menos uma boa defesa e três saídas providenciais de gol.

O segundo tempo começou, o ritmo continuou fraco, mas ao menos os cariocas mostraram que queriam ganhar o jogo. Foram pra cima, armaram correria nas costas de nostros laterais (principalmente na de Rivaldo, é óbvio) e acabaram chegando ao(s) gol(s) por insistência. Tanto no anulado quanto no válido, cruzamentos certeiros terminaram nas redes.

E aí o Palmeiras, mais uma vez, perdeu a chance de encostar na ponta.

TROFÉU SÃO MARCOS
Já que o próprio Marcos não pode ganhar, fico mais uma vez com o regular Márcio Araújo.

TROFÉU RIVALDO
Já que o próprio Rivaldo não pode ganhar, fico com Maurício Ramos, que falhou no gol.

FELIPÃO EXAGEROU, MAS TEM RAZÃO
Ao término da partida, nostra já conhecido Mancha Que Envergonha os Alviverdes protestou veementemente contra Marcos Assunção e Luan. Felipão, que tem nos dois base de sua confiança, comprou a briga e esbravejou aos microfones que a torcida tem que tirar satisfação com ele e não com os atletas.

Então vamos aos dois lados da questão: 1) Protestar é livre e todos têm direito. No entanto, não dá pra atribuir uma derrota comoa de ontem a somente dois jogadores, principalmente dois dos que mais se esforçaram! Essa parte da torcida segue sendo burra. 2) Felipão não precisava fazer nada disso. Bastava falar da derrota, dizer que vamos vencer em Floripa na quarta e pronto. Pra que polemizar mais agora?

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Older Posts »