Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘scolari’

Ao se afastar do futebol na última segunda-feira, Muricy Ramalho fez muito mais do que deixar o SPFC. Embora em uma situação anormal e de forma tocante, ele fez ruir uma parte mais da podre estrutura do futebol brasileiro.

Afinal, não estamos apenas falando de um senhor de quase 60 anos que precisa se cuidar urgentemente. Estamos falando de um treinador pra lá de vitorioso que perdeu a saúde, mas também o frescor para trabalhar com o esporte. Ao deixar nostro rival de muro nesta semana, Muricy escancarou ainda mais o atraso velado de nostro futebol também dentro de campo.

Embora tenha um tricampeonato nacional relativamente recente no currículo, o ex-treinador vinha acumulando fracassos recentes. Salvou sua equipe do rebaixamento em 2013 e até buscou o vice-campeonato em 2014, mas convenhamos que pelo investimento do clube, foi pouco. O mesmo pouco que Felipão, 66 anos de idade, nos ofereceu no rebaixamento de 2012, na Copa do Mundo do ano passado e tem oferecido aos gremistas atualmente. O mesmíssimo “nada” que Abel Braga, 62, mostrou no Inter – que o mostrou o caminho da rua.

A verdade é que nostros treinadores ficaram pra trás. Junte a estes nomes clássicos outros como Parreira, Zagallo, Celso Roth, Nelsinho Bapstista, e tantos outros, que fica claro que precisamos renovar nostros métodos. As críticas feitas ao dia a dia de treinamentos de Muricy, é a mesma que ouvimos sobre Felipão em sua última passagem pelo Palmeiras. Ou sobre Abelão em Porto Alegre, Parreira após a Copa de 2006 e assim por diante.

Até porque, sejamos justos, não é só uma questão de idade: é sobre mentalidade – Marcelo Oliveira (60), Tite (53) e Cuca (51) são prova disso. Tite, aliás, é um exemplo vivo dessa transformação. Não que tenha virado o treinador perfeito que pintam por aí, mas ao menos é um cara que resolveu estudar futebol. Viajou, conversou com outros “professores”, fez cursos, tentou trazer novas ideias ao cotidiano do SCCP. Os resultados que não vinham com Mano Menezes, um ano mais novo, parecem ter começado a aparecer.

Que fique claro que não estou dizendo que a solução líquida e certa esteja em gringos (que o digam Gareca e Diego Aguirre) ou na chamada “nova geração” (Dado Cavalcanti, GIlmar Del Pozzo, Narciso, dentre outros). Contudo, noves fora nostra terrível e histórica linhagem de dirigentes tupiniquins, é preciso mudar urgentemente a forma de pensar futebol também dentro das quatro linhas. De simples exercícios aeróbicos ao treino com bola, passando pela infinidade de números que compõem um 4-4-2, um 3-5-2, um 4-3-3.

É preciso aposentar esses senhores que já nos encheram de alegrias e, hoje, nos enchem apenas de dor de cabeça. Façamos homenagens, mas cobremos que parem. Pelo bem da saúde de treinadores, torcedores, clubes e, óbvio, da nostra amada Sociedade Esportiva Palmeiras.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Screen Shot 2014-07-17 at 12.02.01 PM

Acabou a Copa, Palestrinos.

E é impossível não falar dela. Porque por mais que o assunto do dia seja a volta do Brasileirão, a estreia de um novo técnico em nostro banco me faz lembrar de quem já muito fez pelo Palmeiras. Não tem como não lembrar de Felipão.

Aquele mesmo que chegou em 1997, nos levou aos títulos da Copa do Brasil em 98 e 2002, venceu a Mercosul e àquela inesquecível Copa Libertadores. O mesmo que mandou pegar o Edílson na porrada em caso de gracinha. O mesmo que colocou Euller em campo para virar um 2 a 1 contra em 4 a 2 a favor. Aquele que confiou em São Marcos, Arce, Óseas, Paulo Nunes, Alex, Asprilla, Betinho e tantos outros. O nosso Felipão, enfim.

O mesmo treinador que também errou demais. Que nos levou ao rebaixamento em 2012. Que perdeu a mão na hora de retrancar ou deixar atacar. O treinador que saiu daqui em baixo, ganhou a Seleção de presente e acabou levando 7 a 1 da Alemanha. E que, ainda assim, continua sendo só nosso Felipão.

Afinal de contas, faz 10 dias que o país inteiro o execra. O tratam como algo que ele não é. Scolari nunca foi genial, mas tampouco é um lixo. Nos levou a tantas glórias – bem como levou o país todo ao penta – e merece respeito. Mesmo (e principalmente) na hora difícil.

Desejo que hoje, ao estrear diante do Santos, Gareca tenha muito de Felipão. Que tenha a energia, o empenho e as conquistas de anteontem; que evite os erros e a postura intransigente de hoje.

Vida longa ao Gareca.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Luiz Felipe Scolari, Palestrinos…

Um treinador, um professor, um mestre. Confesso que, quando ele chegou ao clube, lá pelos idos de 1997, eu não imaginava que poderia durar tanto. Vínhamos de anos sob a batuta de Luxemburgo e seu futebol bonito da Era Parmalat, não seria fácil um técnico linha dura se enquadrar ao nostro padrão de qualidade.

Mas, tão logo chegou, e o senhor ranzinza de bigode logo mostrou que era vitorioso. Em seu primeiro ano pelo Verdão, pegou o time destroçado após a venda dos craques que participaram daquela campanha incrível do Paulitão dos 103 gols e o remontou a tempo de ficar com o vice-campeonato nacional. Em 1998, já com jogadores e um esquema tático que trouxe do seu amado Grêmio, montou uma equipe copeira o suficiente para vencer a inédita Copa do Brasil. E assim foi: em 99 a Libertadores, em 2000 a Copa dos Campeões e, este ano, o bicampeonato da Copa.

Um currículo invejável, sem dúvidas. Mas o que torna Felipão tão especial não são as taças, é seu comportamento. Sempre com cara de poucos amigos, nostro comandante consegue enxergar o jogo, criticar os árbitros e brigar com a imprensa sem dar mais de dois respiros. É arisco, duro, inteligente. E quando imaginávamos que sairia de mãos abanando ao final deste ano, ele ressurgiu.

Tive o prazer de conhecê-lo pessoalmente faz pouco tempo e, posso afirmar, minha admiração por ele apenas cresceu. É um profissional aplicadíssimo e um homem de princípios. Não vomita regras nem esnoba ninguém; apenas trilha o caminho que julga correto.

Por isso, quando o apito soar na noite desta quarta, o Palmeiras enfrentar o Botafogo pelo Brasileirão e Felipão completar 400 jogos pelo Palestra, lembremos que ali na lateral do campo não está um gênio ou um burro: esta Felipão. Obrigado, mestre!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Existe vida pós-título, Palestrinos.

E é exatamente com esta vida que temos que nos preocupar. A lista de objetivos não é longa, mas é extremamente importante: se recuperar no Brasileirão, acertar o grupo que irá jogar a Libertadores-2013 e renovar contrato com Felipão.

A recuperação no Campeonato Brasileiro não anda fácil. Para o jogo de amanhã, diante dos coxinhas, lá no salão de festas Paraná, são nada menos que 11 desfalques. Em meio a contusões e suspensões, não teremos um time inteiro e ainda por cima um técnico – já que Felipão também assistirá de fora.

É aí que, infelizmente, me obrigo a falar deste câncer chamado Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Um órgão cego, comandado por uma anta, que simplesmente lê súmula e bate martelo sem nem saber o que é o futebol. Segundo os relatórios liberados ontem, por exemplo, Scolari foi suspenso por aplaudir o árbitro e Valdivia por ter ameaçado jogar a bola no rosto de um adversário e por ter desferido uma pseudo-cotovelada.

Entendam: não é se sentir perseguido; eu só quero que todos entendam o mal que esse maldito tribunal faz ao já tão administrativamente prejudicado futebol brasileiro.

E lá vamos nós para Curitiba tentar nos reerguer novamente contra tudo e contra todos. Na bagagem levaremos ele, o bom e velho Obina, opção de Felipão para compor o elenco. Longe de mim falar mal de Betinho, mas, cá entre nós, o Eto’o soteropolitano tem mais rodagem e corpo para fortalecer nostro ataque.

O outro reforço anunciado é Netinho, meia-esquerdo de 21 anos, contratado por um período de experiência – tal qual seu quase homônimo Betinho. Abaixo você assiste um vídeo do rapaz que, pelo jeito, não é nenhum craque de bola (embora lembre o jeito de jogar do Pedrinho), mas pode ajudar um time que vive de Daniel Carvalho, Felipe e Patrik a sombra de Valdivia. Além disso, antes apostar em um cara “custo zero” do que sair por aí contratando Renatos Cajás e afins.

Vamos, Palmeiras, entrar de vez no século XXI!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Observem bem esta foto, Palestrinos.

Este senhor com o punho cerrado, soltanto o grito que estava entalado, com os olhos de quem está possuído por uma força maior… Isso é Felipão!

Um cara que trabalha demais. E que, assim como nós, andava desiludido com este time. Eu mesmo pedi que ele jogasse o boné este ano. O velho Scolari andava apático, calmo, burocrático; estava sendo tudo o que ele não é – e nós sabemos bem disso.

Mas quis o destino que, no dia seguinte da nostra vitória épica no sul, eu encontrasse Felipão por compromisso profissional. Não que eu tenha conseguido esconder a empolgação e a alegria de criança ao vê-lo caminhando em minha direção, mas ali eu reparei que algo havia mudado.

Ele chegou aliviado, mas mordido. Disse que estava merecendo as críticas, que havia cansado de escutar balela e que o jogo do Olímpico seria um divisor de águas. Contou que pediu ao Marcos para fazer a preleção pré-jogo e disse que escalou aquele time com Henrique de volante sem nem sequer treinar a formação. Tem coisa mais Felipão que isso?!

Luiz Felipe disputou 29 finais e ganhou 18. Pelo Palestra, conquistou simplesmente algumas das maiores glórias que temos (uma Libertadores e duas Copas do Brasil) e cansou de nos dar alegrias. Nas palavras de Valdivia, “ele é a cara do Palmeiras”.

Por isso, Felipão, lhe peço desculpas. Se algum dia te mandei embora, foi da boca pra fora.

Fica pra ser campeão!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Mais um jogo, mais uma derrota, Palestrinos.

Dessa vez em casa, contra o fraquíssimo Atlético Mineiro. E o que já foi excessão em outras épocas, hoje já nem nos assusta mais. O time marca mal, cria pouco, perde oportunidades e partidas seguidas. Mas, aparentemente, para Felipão está tudo bem: só falta sorte.

Pois bem, Scolari, o problema é mesmo sorte. O Brasileirão mal começou e já atingimos a sensacional de 4 jogos sem nenhuma vitória. De 12 pontos disputados, ganhamos um. Para piorar, nostros adversários até agora foram alguns dos mais fracos do torneio – ou perder pontos em casa para Portuguesa e Galo estão em algum script?

Sábado, após mais um vexame, nostro treinador repetiu o discurso que vem adotando há meses: o time foi bem, criou muitas oportunidades, mas falhou em momentos cruciais. Em outras palavras, deu azar. Tirone, o presidente bundão, entrou no coro e reforçou que a equipe está indo bem, mais uma vez tampando o sol com a peneira.

É o mesmo caso do clássico conto da roupa invisível do rei: ele está lá, nu, mas a corte toda finge que ele veste o mais lindo fardo do reino. Felipão está completamente perdido, mas todos preferem ignorar a situação e dizer que tudo está bem, que tudo vai dar certo… Enganem quem quiser, mas não a mim.

Pois eu digo que as coisas vão mal, bem mal no reino de Palestra Itália. E nós só passaremos pelo Grêmio se a nostra camisa pesar e a história falar mais alto. Torçamos, amigos, que é o que nos resta!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Agora foi a gota d’água, Palestrinos.

Eu já desconfiava que Felipão não estava muito disposto a dirigir o Verdão, mas, como nunca ousei duvidar da sua integridade, sempre mantive as esperanças. Mesmo com a falta de padrão de jogo do time, mesmo com as mexidas erradas, mesmo com os resultados nulos dentro de campo. Acho que foi o carinho e as boas lembranças da primeira passagem que me fizeram acreditar. Agora, no entanto, acabou.

Estamos em maio, o Brasileirão acabou de começar e estamos bem encaminhados nas quartas-de-final da Copa do Brasil. Ou seja, a situação nem é tão alarmante assim. No entanto, ontem, nostro treinador passou dos limites. Sem se preocupar nem um pouco com o que os jogadores acharão ou com o desejo da torcida, anunciou que não fica em 2013.

Simples assim: anunciou a sua saída meio ano antes do final do contrato.

Você pode até tentar defendê-lo, mas não dá: a declaração é de uma falta de cuidado impressionante. Felipão tem total noção da atual situação no Palestra. Sabe da seca de títulos, sabe da impaciência da torcida, sabe da inoperância da diretoria, sabe do medo dos jogadores. E também sabe muito bem que uma declaração desta só conturba ainda mais o ambiente.

Por isso, amigos, já deu para Felipão. Eu reconheço os títulos e alegrias que ele ganhou pelo Palmeiras, confesso ser fã de seu trabalho – e até do seu jeitão explosivo -, mas agora ele passou dos limites. Se não quer pensar no futuro, seja homem o bastante para pegar seu boné, se demitir e dar espaço a quem queira trabalhar de verdade.

Já deu. Vaza, Felipão!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Older Posts »