Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Victor Luís’

O relógio marcava 25 minutos do segundo tempo, Palestrinos. Em uma bela trama ofensiva da equipe pela esquerda, Valdivia recebeu na marca do pênalti, ajeitou o corpo, mas ao invés de bater em gol, resolveu rolar de lado. O zagueiro adversário cortou e o nostro segundo tento não saiu por um capricho.

É óbvio que nessa hora, em qualquer partida, nós xingaríamos o chileno. Mas com o time jogando melhor o jogo todo e com o volume que tinha de jogo, nem nos passava pela cabeça o que iria ter acontecido dez minutos depois. Em uma sequência de lances bizarros, o Palmeiras conseguiu levar três (3!) gols em cinco (5!) minutos e perder uma partida que já estava ganha.

Aí, é claro, lembramos do lance de Valdivia. Relembramos também do chute cruzado mal dado por Cristaldo. Ressuscitamos a reposição de bola mal feita por Deola, a marcação não feita por Victor Luís, todos os erros de passe de Marcelo Oliveira… bastaram dez minutos para lembrarmos que hoje, infelizmente, somos exatamente este Palmeiras.

Um time que não importa o quão bem esteja no jogo, sempre estará suscetível a perdê-lo. Um elenco que claramente não acredita que pode vencer – principalmente fora de casa. Minha impressão nítida é de que, ao sofrer o primeiro gol, os jogadores todos se olharam e pensaram juntos: “É, tava bom demais pra ser verdade. Lá vamos nós perder outra vez”.

E perderam. Feio. Como já perderam tantas outras partidas que poderíamos ter vencido tantas outras vezes. Porque este time é o time que desconhece que pode vencer. Que tem medo não só do adversário, mas que teme também as suas imperfeições.

Mesmo assim, reitero, estaremos lá na quinta-feira.
Porque este time pode desistir de si, mas nós jamais faremos o mesmo.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Empatar em casa nunca é bom, Palestrinos. Mas em um jogo tão cheio de reviravoltas como o de ontem, fica difícil atestar que o resultado final foi ruim.

Pela ótica de um time que saiu de campo destroçado após os 45 minutos iniciais e conseguiu reagir na segunda etapa, o saldo foi positivo. Mas na visão de quem está na zona de rebaixamento e teve a chance se virar um jogo histórico frente a 20 mil torcedores, a realidade é outra.

Até por isso vou dividir minha visão da partida em blocos.

UM PRIMEIRO TEMPO DE PESADELOS
Até entendo que, jogando em casa, Dorival tenha tentado ir pra cima desde o início. Mas dado o alto número de desfalques e a notória fragilidade defensiva do nostro time, não dá pra escalar 4 atacantes. Além do buraco natural deixado no meio-campo, Juninho esteve atrapalhado de segundo volante e os atacantes, embora se movimentando muito, não criaram nada. Foi um festival de passes errados e caneladas.

Não a toa, sofremos dois gols. E poderia até mesmo ter sido mais, caso o Flamengo tivesse um pouco mais de calma ao tocar a bola.

MUDANÇA TARDIA, REAÇÃO RÁPIDA
Com Allione e Valdivia em campo, foi natural que o time trocasse mais passes. Mesmo assim, foi no fator sorte que nós conseguimos fazer um gol tão cedo: o chutão de Lúcio encontrou Diogo e o atacante ganhou na raça pra diminuir o placar.

A partir daí a torcida e animou e o Palmeiras cresceu. Poderia ter empatado já na sequência, mas foi buscar o empate só aos 25 minutos, quando Victor Luís aproveitou passe lindo do nostro camisa 10 desmiolado. Êxtase total na chance municipal, estávamos de volta ao jogo – e era pra valer!

O VALDIVIA DE SEMPRE E O PALMEIRAS PREGADO
Se a entrada do chileno melhorou demais nostra ligação entre meio e ataque, a falta mínima de sanidade deles também fez com que o time perdesse a chance de vencer. Aos 35, em um lance ridículo, Valdivia pisou no adversário sem qualquer motivo e foi expulso.

A impressão que me dá é a de que ter Valdivia no time seja a mesma coisa de se ter um filho viciado dentro de casa. Você gosta dele, sabe que ele pode ser muito bem sucedido se colocar a cabeça no lugar, mas depois de uma semana limpo ele é capaz de vender o carro da família e voltar a usar drogas.

Foi ali, naquele lance, que o jogo acabou para nós.

FINAL (IN)FELIZ
Os dez últimos minutos foram de angústia total. Com um a menos e o time abalado, quase sofremos o terceiro gol do Flamengo em duas oportunidades. Daí, quando o infeliz árbitro gaúcho (que deixou de dar pênalti em Henrique e ainda validou um gol ilegal do adversário) apitou o final da partida, bateu aquele misto de alívio e apreensão.

Poderíamos ter ganhado.
Poderíamos ter perdido.
Mas apenas sobrevivemos.

Domingo tem mais.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Eis a triste realidade, Palestrinos.

Um grupo de jogadores limitados, alguns poucos esforçados e nenhum talentoso. Em quase 100 minutos jogados diante do Bahia, ontem, não se viu uma só jogada inventiva dos 14 atletas utilizados. E aí justifica-se, sim, o receio de brigar contra o rebaixamento mais uma vez.

Pouco ou nada adianta dizer que ainda é cedo, que falta muito campeonato e que existem times piores. Já ouvimos isso outras vezes e em duas delas, ao menos, sabemos no que deu o desfecho. É bom lembrar, aliás, que nostro time está pior do que o do ano passado… logo, falar em Série B não é desespero, é realidade.

Passamos um jogo inteiro dependendo de lampejos de Victor Luís, um lateral-esquerdo de 21 anos que até dois meses atrás nem no banco ficava. E olha que o garoto ainda correspondeu da maneira que pode ao colocar a bola na cabeça de Henrique no lance do gol e sendo o melhor em campo. Mas é pouco, muito pouco pra um time que precisava desesperadamente dos três pontos.

Felipe Menezes, Mendieta, Josimar, Leandro, Mouche, Wesley… é impressionante a falta de criatividade do nostro meio-campo e setor ofensivo. Alguns destes, aliás, ainda incorrem no agravante do esforço zero (já passou da hora de Leandro tomar um esporro sério sobre displicência e excesso de firula). Escrevi aqui sobre a hercúlea tarefa de se esperar algo de onde sabe-se que não virá, mas é exatamente este o time que temos e é nele que temos que confiar até dezembro.

E que não fiquem achando que a possível volta de Valdívia salvará a pátria, porque não vai. Seu inegável talento infelizmente perderá sempre para a sua também inegável falta de comprometimento e seriedade. Um cara que simplesmente some do mapa não merece a menor atenção de qualquer clube que seja, ainda mais o nostro.

O que se viu ontem no Pacaembu foi um mar de torcedores náufragos em busca de uma pequena ilha chamada talento.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »