Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Zé Roberto’

Se Marcos virou Santo por ser importante em momentos decisivos, por quê Prass não poderia ser canonizado na noite de hoje?

Se Neném já substituiu Arce e deu conta do recado, por quê João Pedro não poderia brilhar em uma vaga que nem tem um dono tão certeiro?

Se o jovem Roque Júnior mostrou personalidade logo que chegou a Academia, por quê o recém-chegado Vitor Hugo não poderia bater no peito?

Se um reserva do naipe de Agnaldo Liz nos guiou para o primeiro caneco da Copa, por quê Jackson também não pode?

Se o frágil Juninho nos conduziu no pressionado Alto da Glória, por quê o rodado Zé Roberto não pode nos conduzir até a mesma glória?

Se, apesar dos apesares, Galeano já nos deu tantas alegrias, por quê o promissor Matheus Sales não poderia copiá-lo na raça e na sorte?

Se o indiferente Darci já matou o Santos no mesmo torneio, anos atrás, por quê haveria de ser diferente com Arouca?

Se Alex Cabeção voltou do sono profundo por tantas e tantas vezes, por quê cazzo Robinho não poderia se inspirar em seu exemplo?

Se Mazinho “Messi Black” deitou e rolou rumo ao lugar mais alto do pódio, por quê Dudu passaria incólume?

Se a camisa 33 nos deu o bicampeonato através de Betinho, por quê não poderia fazer o mesmo vestida pelo predestinado Gabriel Jesus?

Se o trombador Óseas foi capaz de decidir a final de 98 para nós, por quê o matador Lucas Barrios não seria capaz de fazer o mesmo?

Se o estádio municipal de Barueri já foi palco de uma de nostras mais surpreendentes campanhas, por quê o Allianz Parque não será o local de mais um caneco?

Enfim, se é com Fernando Prass; João Pedro, Vitor Hugo, Jackson e Zé Roberto; Matheus Sales, Arouca e Robinho; Dudu, Gabriel Jesus e Barrios que entraremos em campo esta noite, por quê não acreditar?

Por que não ganhar?
Por quê não calar a todos?
Por quê não ser tricampeão?

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Sejamos francos, Palestrinos: nostra fase vai de mal a pior.

O time não apresenta melhora, as variações táticas tampouco e a impaciência aumenta a cada jogo. No entanto, digo de peito aberto que eu escolhi esperar. E quando digo esperar, me refiro a esperar pelo melhor, óbvio.

Primeiro porque não há tempo para mudar mais nada. Gostemos ou não o elenco está fechado, Marcelo Oliveira seguirá como treinador e, com os recentes tropeços no Brasileirão, a Copa do Brasil virou nostra única aposta para o ano.

Segundo porque é verdade que nostro time oscila demais, mas, em um duelo de 180 minutos, um só tempo muito bem jogado pode fazer toda a diferença. Nós já vimos este mesmo elenco ter momentos especiais diante de Cruzeiro, Inter e Corinthians esta temporada e podemos acreditar em ao menos 45 minutos muito bem jogados na decisão.

Terceiro porque, jogador a jogador, não consigo ver favoritismo de nenhum dos dois lados. Embora o momento do Santos seja muito melhor, nós temos um grupo que pode trazer o título pra casa. Eu quero acreditar em Prass, Vitor Hugo, Arouca, Zé, Jesus, Barrios. Faço questão de acreditar que, no mínimo, eles vão se doar dentro de campo.

E por último, mas não menos importante, porque é nestes momentos que a camisa pesa. E como pesa! Independente do que temos apresentado dentro de campo, somos e sempre vamos ser o Palmeiras. Sem exageros ou pieguice. Não precisa ser o Zé Roberto nem bater no peito do amigo ao lado para saber que o Palestra é grande… Basta lembrar o gol espírita do Óseas em 98, os dois tentos do Euller contra o Flamento em 99 e até o improvável gol do esquecível Betinho em 2012.

É normal estar ansioso e preocupado.
Anormal é desacreditar que podemos chegar lá.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Estamos classificados, Palestrinos! Em um jogo desnecessariamente longo e sofrido, o Palmeiras bateu o Inter por 3 a 2 no Allianz Parque e agora vai pegar o Fluminense na semifinais da Copa do Brasil.

E olha que a missão parecia fácil. Apesar de não termos criado praticamente nada na primeira etapa, nostro adversário também entrou errando demais e, graças a mais dois gols de bola parada, fomos para o intervalo ganhando de dois a zero. Seria a hora de colocar a bola no chão e explorar contra ataques, certo? Errado. Quando o time não tem um padrão de jogo, isso fica menos óbvio.

Nostra equipe recuou acintosamente, chamou o Inter pra própria intermediária e escolheu sofrer até o fim. Até tomar o gol de empate – que nos eliminaria da competição -, o time conseguiu errar TODOS os passes no meio, disperdiçou inúmeros contragolpes e colocou o jogo em risco. Robinho saiu lesionado, Gabriel Jesus parece ter perdido a confiança, Barrios foi nulo, Rafael Marques parecia pregado… dos 11 em campo, salvaram-se o Vitor Hugor, Zé Roberto e Dudu, que chamou a responsa quando o bicho pegou.

E aqui fica a pergunta: precisa mesmo sofrer para ter que jogar bola? Não dá pra pensar em rodar a bola e tentar ter um jogo calmo do início ao fim?! Gosto muito de Marcelo Oliveira, mas parece que essa sequência de jogos quarta-domingo fez o time treinar menos, pregar mais e perder o padrão que estava construindo. Simples: e preciso treinar.

Domingo, diante da Chape no sul, vale olhar para o elenco com carinho. Robinho, Zé, Rafael, Barrios e Dudu nitidamente precisam de descanso. Vamos usar Kelvin, Thiago Santos, Egidio, até dar uma chance a Felype Gabriel – por que não? Com a parada para os jogos da Seleção, teremos 15 dias até o jogo diante do Flu. É hora de tentar dar um padrão de jogo para uma equipe que faz muitos gols, toma vários outros e precisa aprender a jogar com a bola nos pés.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Se você assistiu aos últimos jogos do Palmeiras vai concordar com o título deste post, Palestrino. Depois do jogo final diante do Santos, do primeiro tempo conta o Sampaio Correia e dos 90 minutos versus o Joinville, dá pra dizer tranquilamente que este time merece este título.

O toque de bola irritante e sem objetividade – principalmente no campo de defesa – é uma afronta à prática do futebol. Nenhum time do mundo que pretenda, de fato, vencer uma partida, pode estar confortável com esta estratégia de jogo.  Estamos terminando as partidas com impressionantes 70% de posse de bola, mas ridículos com três chutes a gol! É o tiki-taka versão Oswaldo de Oliveira.

E ontem, amigos, tivemos a obra prima desta “estratégia”. Lucas tocava para Victor Ramos, que acionava Victor Hugo, que acionava Egídio, que achava Gabriel que… devolvia para Lucas. Isso repetidamente, trezentas vezes, até que um deles errasse o passe – ou, pior, até que o nostro camisa 3 desse uma lançamento totalmente sem propósito para o campo de ataque. Parece que Lúcio foi embora, mas deixou de presente para o zagueiro do beijo no pescoço a mania de dar balões pra frente.

Isso que, teoricamente, opções não faltavam. Acredito que na cabeça do treinador, Robinho (mais uma vez mal escalado de segundo volante), Zé Roberto, Dudu e Rafael Marques deveriam se mexer para criar alternativas. O que vimos, no entanto, foi a repetição de todos os jogos: pontas isolados, meio parado e o menino Gabriel que ia e voltava incessantemente para tentar abrir espaços.

É pouco – ou melhor, nada – para um trabalho que atingiu a marca dos 5 meses. Se o problema do ano passado era a falta de opções, o modelo 2015 tem de sobra. Não que sejam todos craques – longe disso, aliás! -, mas dá pra montar uma equipe que, ao menos, tente agredir os adversários. Já passou da hora de Oswaldo enxergar que o sonhado 4-2-3-1 dele não está funcionando.

A culpa do técnico, aliás, vai bem além disso. Passou meses insistindo com Zé Roberto na lateral para perceber que ele rende melhor no meio; forçou Cristaldo de titular até perceber que Leandro Pereira é o titular; insiste com Rafael Marques e Dudu abertos mesmo vendo que a efetividade é zero; mantém no banco Kelvin em melhor momento que os demais; e assim por diante.

Eu já disse e repito que o nostro ano tem tudo para ser 2016. Mas, para isso acontecer de verdade, precisamos encaminhar bem o trabalho. O que me parece é que, desde a final do Paulistão, regredimos. O time está burro, acéfalo, fácil de ser marcado… tanto que, pela milésima vez, ficamos esperando por algo de Mago Valdisney. Se não conseguimos incomodar Joinville e Sampaio, vamos botar medo em quem?

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Quem assistiu todos os jogos do Palmeiras na temporada sabe que as coisas não vão às mil maravilhas, Palestrinos. E, ao meu modo de ver, o sistema de jogo tem muito a ver com este desempenho.

Desde que chegou a Academia, Oswaldo optou pelo 4-2-3-1. O sistema é utilizado por várias equipe brasileiras e estrangeiras, não tem muito de inovador, mas com os jogadores certos pode funcionar bem. Nostra equipe mesmo já fez alguns bons jogos atuando assim este ano. O ponto é que temos falhas a resolver – e este esquema não tem ajudado.

A primeira delas é a claríssima fraqueza de nostra defesa, que implica em ter proteção extra. Isso implica em laterais que subam pouco ou em volantes que estejam dispostos a se matar. O que, de cara, já mata dois conceitos primário de Oswaldinho: Zé Roberto na lateral e Robinho (ou CX) de segundo volante. Sem uma dupla de zaga confiável, fica impossível jogar assim.

A segunda é a nostra principal fonte de preocupação dos últimos anos: a criação de jogadas. Embora tenhamos mais opções do que nunca (Robinho, Cleiton e até ele, Valdivia), a distribuição de jogo ainda é um problema para nós. Muito pelo problema dos volantes e muito pelo próximo ponto – o constante isolamento dos pontas.

Seja Dudu, Rafael Marques, Kelvin ou Maikon Leite a receber a bola, o Palmeiras se especializou em isolar seus pontas em 2015. A bola até chega neles, mas a jogada morre. Ou eles tentam ir pra cima ou – o que é mais comum – eles fazem um cruzamento só para se livrar da bola. É preciso que os laterais e o pivô se aproximem e facilitem as tabelas.

Por fim, é preciso rever este esquema com um atacante único. Que até funciona bem com a altura e força de Leandro Pereira, mas com nostros outros dois avantes (Cristaldo e Gabriel Jesus), muito menores e mais fracos, não. Ou centralizamos Rafael Marques ou jogamos com dois na frente.

A verdade é que, por mais que seja apenas maio, soluções não faltam. Ao contrário do ano passado, este ano temos muitas outras opções. É claro que as lesões constantes têm atrapalhado (principalmente a de Arouca), mas é possível driblá-las usando inteligência e – o mais importante neste post – as variações táticas.

Dá pra montar este Palmeiras no clássica 4-2-2-2 (com dois volantes, dois meias e dois atacantes de ofício), dá pra fazer o 4-1-2-1-2 (hexágono clássico, com apenas um meia armador e três homens que se movimentem), até mesmo um 3-5-2 (aqui sim usando Zé Roberto na ala esquerda) ou um 4-3-3 (Jesus, Dudu e Leandro Pereira na frente). Meu pensamento é simples: se os técnicos da Ponte e da Chapecoense conseguem montar times competitivos, por que o do Palmeiras não conseguiria?

Abre os olhos, Oswaldo.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Palmeiras 5 x 1 Sampaio Corrêa sugere um placar perfeito para exaltar as qualidade deste novo time, correto Palestrinos? Errado. Muito mais do que acertos, a goleada de ontem serviu para mostrar os erros deste Palmeiras versão 2015.

Da escalação extremamente mal formulada por Oswaldo de Oliveira até os infindáveis erros da defesa, a atuação pífia do primeiro tempo de ontem mostrou que a equipe está longe de ideal. Confesso que o deserto criativo dos primeiros 45 minutos – somados aos constantes erros de passes e aos fantasmas do passado -, me fizeram honestamente pensar no pior. Fosse contra qualquer equipe um pouco melhor, teríamos tomado de dois a três gols antes mesmo do intervalo.

Sorte a nostra que era apenas o Bolívia maranhense e que um Pimentinha só não faz verão. Porque seja lá o que nostro treinador tenha planejado, errou em cheio. Diante de um time recuado e sem um armador de ofício, o Verdão sofreu para criar qualquer jogada ofensiva. Era bola no Lucas e nada mais. Não a toa sofreu o gol (e aqui valem os parênteses para o baile levado por Victor Hugo e Egídio por um atleta de um metro e meio) e foi dominado por uma equipe de Série B.

Na segunda etapa, com Robinho em campo e sem o afobado/limitado Amaral, as coisas entraram no eixo e o Palmeiras virou na mais pura pressão. Dudu trocou de lado com Rafael Marques, Zé Roberto ajudou Gabriel na saída de bola e Egídio finalmente entrou na partida para que o 0 a 1 virasse 3 a 1 em vinte minutos. Muito pela nostra melhora, mas também pelo comportamento do adversário.

A partir daí as coisas pareciam ter entrado no eixo, mas, após o terceiro gol, voltamos a sofrer com as falhas defensivas. Nostros zagueiros viraram simples rebatedores, os contra ataque saíram a torto e à direito e só não sofremos gols por causa de Fernando Prass e dos postes da meta defendida por ele. Por isso vale dizer, sem medo de ser infeliz, que a goleada de ontem foi uma das mais mentirosas da história do futebol.

Na entrevista após o jogo, inclusive, Oswaldo desfilou uma soberba digna daquele que sabe que errou muito na noite de ontem. Ao ser indagado sobre poupar atletas em um jogo tão importante e ainda demorar a mexer na equipe, se defendeu falando de seu trabalhos e títulos do passado. Pois bem, professor: espero que, chegando em casa, o senhor tenha assistido novamente ao jogo e aprendido algo referente ao presente do futebol.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Engana-se quem pensa que sábado ganhamos apenas do Audax, Palestrinos. Afinal, em um único dia saímos de campo seguros de termos ganho três pontos, um elenco de qualidade e um capitão atuante.

Dentro de campo, os primeiros 45 minutos foram surpreendentemente bons. A saída de bola que era torta em 2014, parece muito mais leve este ano. Tanto que em três lances seguidos, as jogadas que começaram nos pés de Victor Hugo (bela estreia), passaram por Gabriel ou Renato, chegaram em Allione e foram parar dentro da área do adversário. Duas foram pro fundo da rede graças a boas finalizações de Leandro Pereira e Robinho; já a outra Maikon Leite conseguiu colocar em órbita.

Mas, no geral, a primeira etapa serviu para mostrar um time que sabe tocar a bola e utilizar a velocidade que tem. O que, aliás, deve melhorar e muito com a entrada de Arouca, Dudu, Alan Patrick e – quem sabe – Valdivia. Grupo que nos dá a plena certeza de ter algo que não temos há muitos anos: um banco de qualidade. Com jogadores como Nathan, João Pedro, Renato e Robinho brigando para entrar na equipe, Oswaldo vai poder descansar atletas em alguns jogos menos importantes, além da óbvia briga por posição não deixar ninguém se acomodar.

Por último, o assunto que parece ter tomado da mídia desde o dia de ontem: o discurso de Zé Roberto. Noves fora o vocabulário e levada de pastor evangélico, é impossível não ter se empolgado com as palavras do nostro novo capitão. Afirmar que o Palmeiras é grande e que essa retomada passa pela entrega deste elenco foi um ponto mais do que positivo do camisa 11.

Se ele vai aguentar a correria da lateral aos 40 anos, eu não sei. Mas que faz bem ter toda essa experiência a nostro favor, isso faz.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Older Posts »