Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘fluminense’

Ganhar nos pênaltis é incrível?
É. Mas não precisava chegar até lá.

Jogar no contra ataque é uma boa estratégia?
É. Mas não precisa ficar acuado no campo de defesa.

Ter um mês para treinar até a final é bom?
É. Mas não dá pra treinar sem evoluir.

Enfim, Palestrinos, esses são só alguns dos diferentes olhares para uma mesma classificação sofrida às semifinais da Copa do Brasil. Classificação essa que se por um lado foi extremamente reconfortante e prazerosa, por outro foi desnecessariamente sofrida e desgastante.

Precisamos, de uma vez por todas, entender que com o sistema defensivo que temos NÃO DÁ pra ficar recuado por 10, 20, 30 ou 90 minutos. É simplesmente certo que vamos sofrer gols! E quando digo “sistema defensivo” não falo apenas de zagueiros e volantes, falo do todo. Se nostros atacantes são envolvidos pelo troque de bola da equipe adversária da mesma maneira que foram ontem, a bola vai morrer nas redes do Prass. Para se ter uma ideia, fomos vazados em 24 dos últimos 25 jogos que fizemos na temporada.

Logo, está na hora de rever o estilo de jogo. Nada contra entrar no 4-5-1 e ter jogadores abertos pelas pontas para armar contra ataques; o problema é simplesmente não ter saída de bola para contra atacar. Precisamos de alguém que arme e também alguém que receba a bola em boas condições. Basta comparar os gols do Santos no jogo de ontem e todas as nossas (nulas) chances de atacar o Fluminense durante a segunda etapa no Allianz Parque. Dudu e Gabriel Jesus, por exemplo, precisam ter saúde para receber essa bola e partir pra cima dos zagueiros, não voltar para marcar os laterais adversários na bandeirinha de escanteio.

Mas o problema está longe de ser só este. Nossos laterais têm tomado muitas bolas nas costas, ninguém usa Barrios para fazer o pivô, nosso ataque marca mal a saída de bola e por aí vai. Marcelo Oliveira tem até 25/11 para não apenas treinar, mas também para montar um time capaz de derrotar um adversário específico.

Este parece ser, enfim, a sina do Palmeiras em 2015. Alternar altos e baixos em poucos minutos, misturar lances incríveis e bizarros nas mesmas jogadas, nos dar e tirar esperança de vencer qualquer partida como quem substituí jogadores a beira do gramado. Acreditem ou não, é este time que pode ser campeão de um dos principais torneios do país.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Anúncios

Read Full Post »

Palmeiras x Fluminense nem começou e já se tornou o jogo mais tenso do ano, Palestrinos. Ou melhor: deste e do próximo ano.

Depois da derrota no Rio e da sequência ruim no Brasileirão, a sensação é a de que uma eliminação na quarta-feira pode colocar tudo a perder não só em 2015, mas também para a temporada que vem. Ao menos foi o que a nostra amada torcida organizada deixou bastante claro no último sábado…

Não que eu ache que o Palmeiras esteja jogando bem. Longe disso! Mas colocar o futuro de uma equipe que voltou a investir depois de tantos anos em uma única temporada chega a ser surreal. Agora, não bastassem as limitações técnicas, vamos contar com um time pressionado dentro de campo.

Até porque, na minha opinião, ganhar o jogo desta quarta-feira não é uma obrigação. Correr, tentar e se entregar pela camisa e cores do Palestra, sim; mas obrigação de sucesso ninguém tem. Nem mesmo um time de futebol bem remunerado.

No entanto, a Mancha impôs esse sucesso como opção única e nós sabemos como as coisas reverberam nos nostros bastidores. Seja lá qual for o resultado no Allianz Parque, nós sairemos perdendo. Em caso de eliminação, corre-se o risco de zerarmos todos os avanços feitos até aqui; e mesmo em caso de vitória, vão dizer que o combustível que incentivou a equipe foi a “pressão das arquibancadas”.

Espero de coração que Marcelo Oliveira e todo o elenco se mantenham focados no que vai acontecer dentro de campo. Caso contrário, os próximos derradeiros 90 minutos poderão ser fatais não só neste ano, mas para toda a sequência de 2016.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Vitória fora de casa, Palestrinos! Após cinco derrotas longe do Allianz Parque, nostro Verdão bateu o Flu por 4 a 1 e engatou duas vitórias seguidas.

Mas engana-se quem pensa que o jogo foi fácil. Engana-se muito, aliás! Ontem, no Maracanã, o Palmeiras teve 60 minutos de pura inutilidade em campo. Neste meio tempo tomou um gol e a coisa só não ficou pior porque o time adversário ajudou com sua solidária cota de ruindade – incluindo aí um pênalti porcamente perdido por Fred.

Quando acordou, no entanto, assistimos a meia hora de futebol de verdade. Em uma assistência totalmente sem querer do menino Jesus, Lucas Barrios e empatou o jogo e, quase que como em um milagre, o time mudou da água para o vinho. A virada chegou em um gol do próprio camisa 33 (presenteado pelo jogador do Flu), o terceiro veio em outra falha bisonha da defesa adversária e o quarto, terceiro de Barrios, já saiu em ritmo de treino.

O problema dessa oscilação, a meu ver, é que o Palmeiras entrou em campo tentando ser o time que não é. Com dois volantes, dois meias e um centroavante pesado, a estratégia de aproveitar os contra ataques fica totalmente perdida. A verdade é que Marcelo Oliveira deve decidir: ou entra-se em campo para jogar no contra golpe e escala-se um time veloz com jogadores como Allione e Cristaldo, ou deve-se escalar este time de ontem para manter a posse de bola. Qualquer outra configuração que não seja essa deixa o time perdido.

Além do mais, já está na hora de colocar alguns atletas definitivamente no banco. Egídio, Robingo e Alecsandro, por exemplo, já tiveram inúmeras chances e ficaram muito abaixo da crítica. É o mesmo caso de Leandro Almeida e Amaral, que já não entram mais. O Palmeiras tem um elenco que privilegia a saída rápida para o jogo e precisa transformar isso em sua maior fortaleza.

Sábado, diante do Grêmio, teremos uma prova de fogo. Ou aprendemos que nostro jogo acontece através da velocidade ou a coisa pode voltar a ficar feia na volta ao Pacaembu. Engata a terceira, Verdão!

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

“Ôooooooo
O Palmeiras é o time da virada
O Palmeiras é o time do amor
Lelelê, lelelê, lelelê”

Já fazia tempo que não ouvíamos essa, Palestrinos. Ontem, no entanto, tivemos o prazer de cantá-la a plenos pulmões aos 48 do segundo tempo – um daqueles momentos épicos para quem ama o futebol.

A vitória de 2 a 1 sobre o Fluminense, porém, foi muito mais suada do que o jogo sugeria. O adversário estava sem três dos seus melhores atletas (Fred, Wagner e Kenedy), nós jogávamos em casa e – sem Oswaldo – era de se imaginar que os atletas mostrassem mais serviço.

Mas o que vimos durante todo o primeiro, foi de dar dó. Um time frágil, errando todos os passes que tentava e sendo facilmente envolvido por um time de garotos. A dinâmica de jogo continuou em cima do 4-2-3-1, o meio estava perdido, Dudu e Egídio tiveram outra jornada catastrófica pela esquerda e quem sofreu fomos nós.

Verdade seja dita, o gol de empate foi achado. Mas um achado que mudou o jogo!

Ao voltar do intervalo com Alecsandro na vaga de um irreconhecível Zé Roberto, nostro treinador colocou uma referência de verdade na área – liberando Rafael Marques pela ponta esquerda para finalmente conseguir abrir o jogo da maneira que desejava. A virada não veio por pura falta de pontaria e quando finalmente ficamos com um jogador a mais (graças a uma idiotice sem tamanho de Magno Alves), paramos. Foi um show de cruzamentos sem direção para área, que apenas evidenciou o óbvio: somos uma equipe sem jogada.

Desde o Paulistão, sempre que enfrentamos defesas muito fechadas, apelamos para o chuveirinho. E tanto faz se nostros atacantes são anões, se a bola ainda está na intermediária ou mesmo se alguém já entrou na área; nós nos livramos da bola e seja o que San Gennaro quiser. Marcelo Oliveira vai ter trabalho.

Seja como for, a vitória veio na base do sufoco. Valentim colocou o time pra frente de todas as maneiras que pôde e acabou sendo premiado no final. Não que tenha sido uma jogada trabalhada, mas a entrega de Cristaldo acabou fazendo com que os deuses do futebol escrevessem certo, embora por pernas tortas.

A virada veio. A vitória veio. Mas as jogadas ainda não.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Lá se vai mais um ano triste para nós, Palestrinos.

Mais um ano modorrento, totalmente esquecível e abaixo do que merecemos. Mais um ano em que fomos quase tudo o que não queremos e merecemos ser – e onde escrevo “quase tudo”, leia-se que ao menos tivemos honra.

Sim, honra. porque em tempos de STJD mediando resultados obtidos dentro de campo, jogar a Série B e voltar à Série A do Brasileirão sem precisar de qualquer ajuda se torna praticamente uma qualidade – onde escrevo “qualidade”, leia-se que nada apaga a incompetência que nos levou duas vezes em dez anos ao limbo.

2013 foi um ano em que tivemos a certeza de que deve-se pagar pelos erros cometidos da melhor maneira possível. Jogar e vencer uma divisão inferior foi, sim, obrigação, mas também pode ter sido sinal de um renascimento tardio – e por “renascimento tardio”, leia-se ter um 2014 digno de um dos maiores times do mundo.

O que nos deixa com um grande pé atrás é justamente essa insegurança com o futuro. Ano que vem é ano de centenário, mas a verdade é que, quem acompanha, sabe que não teremos grandes mudanças no elenco. Em 2014, continuaremos sendo medíocres – e por “medíocres”, leia-se um elenco limitado, que terá seu desempenho jogado ao sabor do vento (ou da sorte, chame como quiser).

Em bem da verdade, o que me fez escrever este post foi justamente a mistura entre a palhaçada que assistimos ontem no Rio de Janeiro e uma breve leitura nas notícias de hoje do Palmeiras (renovações emperradas com todos os jogadores). Se por um lado me orgulho de pagar pelo que devo, por outro me preocupa ter que ser o Fluminense do ano que vem – e por “Fluminense do ano que vem”, leia-se rebaixado novamente.

Enfim, espero que essa diretoria que tem ao menos tentado fazer diferente até agora, entenda a diferença entre a tentativa e o mundo real. Trabalhar com salários mais baixos e bonificações por metas é louvável; a merda é fazer isso a ferro e fogo, correndo o risco de ficar com um elenco sub-20 no ano que vem. E nem escrevo isso pelo centenário: escrevo pela nossa sobrevivência – e por “sobrevivência”, leia-se um 2014 do tamanho que merecemos.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Segunda rodada do mini Cariocão, Palestrinos.

E, até aqui, temos um desempenho dentro do esperado. Graças aos gênios que fazem tabelas na CBF, pegamos times do Rio em três jogos seguidos: vencemos o Botafogo fora, perdemos do Fluminense também na Chatuba de Mesquita e temos o Flamengo pela frente na próxima quarta.

Repito que, pensando antes das partidas, minha expectativa até era essa mesmo. Mas, dentro de campo, já poderíamos ter somado 6 pontos. Quinta passada, contra o  Botafogo, nostra superioridade foi tão grande que nem mesmo um erro absurdo do bandeira nos tirou a vitória; já neste domingo, no terrível gramado do Engenhão, a superioridade técnica dos fluzinhos não se provou dentro de campo e a derrota acabou sendo injusta. Pecamos pelas chances perdidas, pecamos pela falta de banco, pecamos pela falha de marcação quase no final do jogo.

Em um balanço geral da última semana, os destaques positivos ficam por conta de Bruno, Fernandinho e Barcos, que jogaram bem demais as últimas partidas. Pelo lado negativo, parece que Artur relaxou sem a sombra de Cicinho e a falta de opções no banco tem nos complicado – Patrik, João Vitor e Betinho não cumprem o mesmo que seus titulares.

Que conste, novamente, o impedimento ridículo que tivemos marcado diante do Botafogo e a punição ainda mais medonha aplicada a Felipão (embora já tenha virado rotina o STJD foder o bigode e, consequentemente, a gente). Espero que, nesta quarta, o sempre favorecido Flamengo jogue só dentro de campo conosco e, assim sendo, perca.

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Existem resultados que são marcantes, Palestrinos.

E o de ontem, diante do confuso time do Flu, no horrendo gramado de Volta Redonda, deixa tudo extremamente bem marcado: não seremos campeões. Antes que me acusam de negativismo ou qualquer coisa parecida, já me adianto que confio na equipe e que a derrota de ontem não foi o final do mundo. Mas outro jogo fraco, fora de casa, atesta que não dá pra ganhar campeonato dessa maneira… é matemático.

O JOGO
Com um gramado horroroso e duas equipes nervosas, o primeiro tempo basicamente teve pancadaria. Foram carrinhos, cotoveladas e chutões para os dois lados, transformando o jogo um verdadeiro suplício. No entanto – e aqui entra o que eu chamo de resultado que atesta um time sem ambição -, nós tivemos chances de marcar e não aproveitamos.

Foram ao menos três bolas paradas, um arremate mal dado pro Valdívia, um lance de Trapalhões entre Luan e Kleber e, na melhor das chances, Maikon Leite desviou um chute para fora do gol. O time da casa também usou a bola alta e Marcos teve de fazer ao menos uma boa defesa e três saídas providenciais de gol.

O segundo tempo começou, o ritmo continuou fraco, mas ao menos os cariocas mostraram que queriam ganhar o jogo. Foram pra cima, armaram correria nas costas de nostros laterais (principalmente na de Rivaldo, é óbvio) e acabaram chegando ao(s) gol(s) por insistência. Tanto no anulado quanto no válido, cruzamentos certeiros terminaram nas redes.

E aí o Palmeiras, mais uma vez, perdeu a chance de encostar na ponta.

TROFÉU SÃO MARCOS
Já que o próprio Marcos não pode ganhar, fico mais uma vez com o regular Márcio Araújo.

TROFÉU RIVALDO
Já que o próprio Rivaldo não pode ganhar, fico com Maurício Ramos, que falhou no gol.

FELIPÃO EXAGEROU, MAS TEM RAZÃO
Ao término da partida, nostra já conhecido Mancha Que Envergonha os Alviverdes protestou veementemente contra Marcos Assunção e Luan. Felipão, que tem nos dois base de sua confiança, comprou a briga e esbravejou aos microfones que a torcida tem que tirar satisfação com ele e não com os atletas.

Então vamos aos dois lados da questão: 1) Protestar é livre e todos têm direito. No entanto, não dá pra atribuir uma derrota comoa de ontem a somente dois jogadores, principalmente dois dos que mais se esforçaram! Essa parte da torcida segue sendo burra. 2) Felipão não precisava fazer nada disso. Bastava falar da derrota, dizer que vamos vencer em Floripa na quarta e pronto. Pra que polemizar mais agora?

Siamo Palestra!

ROJAS.

Read Full Post »

Older Posts »